As definições constitutivas da agricultura familiar e seus mercados como propulsora de desenvolvimento (rural) / The constitutive definitions of family farming and its markets as a propulsor of development (rural)

Susã Sequinel de Queiroz, Clério Plein, Adriana Maria de Grandi, Ana Paula da Silva Leonel

Abstract


Este ensaio teórico pretende fazer uma reflexão teórica sobre as principais tendências e discussões que envolvem a construção do tema do desenvolvimento (rural), da agricultura familiar e dos mercados nos quais ocorrem as respectivas transações, interpretando os mercados como um princípio de ordenamento social e de construção social que estão ocorrendo no espaço rural. Os estudos parecem ter um relativo consenso sobre o papel da agricultura familiar e das formas heterogêneas de sua inserção na dinâmica da economia capitalista. Mesmo que de forma disseminada, as abordagens tendem a concordar que, no Brasil e em outros lugares do mundo, o foco das ações do desenvolvimento rural deve ser o combate à pobreza e às muitas fragilidades das populações rurais. Os mercados locais ou de proximidade demonstram serem alternativas de que a agricultura familiar pode lançar mão e cada mercado é um locus específico, em geral um povoado rural ou um pequeno município, onde ocorrem as transações. Trata-se de mercados socialmente construídos e nos quais as trocas materiais estão imersas em relações sociais de reciprocidade e de interconhecimento. A valorização da agricultura familiar e o reconhecimento de seu potencial dinamizador das economias locais talvez seja o principal ponto de consenso. Esses pesquisadores sustentam o argumento de que a capacidade de inovação dos agricultores familiares e a sua interação com as instituições locais são fundamentais para que possam ampliar a geração e a agregação de valor, assim como reduzir custos de transação e estimular economias de escopo.

 

 


Keywords


Desenvolvimento (rural). Agricultura familiar. Mercados.

References


ABRAMOVAY, Ricardo. Paradigmas do capitalismo agrário em questão. Campinas, SP: Editora da Unicamp/Hucitec, 1992.

______. De volta para o futuro: mudanças recentes na agricultura familiar. Seminário Nacional do Programa de Pesquisa em Agricultura Familiar da EMBRAPA, v. 1, p. 17-27, 1997.

______. Paradigmas do capitalismo agrário em questão. Edusp, 2012.

ABRAMOVAY, Ricardo et al. Sucessão hereditária e reprodução social da agricultura familiar. In: Agricultura em São Paulo, v. 50, n. 1, p. 11-24, 2003.

CHAFFOTTE, Lydie; CHIFFOLEAU, Yuna. Circuits courts et vente directe: définition, typologie et évaluation. Cahiers de l’Observatoire CROC, n. 1 et 2, février/mars, 2007.

CHAYANOV, Alexander. A teoria das cooperativas camponesas. Revisão e tradução de Regina Vargas. Porto Alegre, RS: Editora da UFRGS, 2017.

COASE, Ronald H. The nature of the firm. Economica, London, New Series, v. 4, n. 16, p. 386-405, Nov. 1937.

COMMONS, John R. Institutional economics, its place in political economy. Madison: University of Wisconsin Press, 1959.

DAROLT, Moacir Roberto. Circuitos curtos de comercialização de alimentos ecológicos: reconectando produtores e consumidores. Agroecologia: práticas, mercados e políticas para uma nova agricultura. Curitiba, PR: Kairós, 2013. p. 139-170.

DEQUECH, David. Bounded rationality, institutions, and uncertainty. Journal of economic issues, v. 35, n. 4, p. 911-929, 2001.

DIAMOND, Jared. Colapso: como as sociedades escolhem o fracasso ou o sucesso. 5. ed. São Paulo: Record, 2007.

ESCOBAR, Arturo. La invención del Tercer Mundo: construcción y deconstrucción del desarrollo. Traducción de Diana Ochoa. 1ra. edición. Caracas: Fundación Editorial el Perro y la Rana, 2007.

FAVARETO, Arílson da Silva. Paradigmas do desenvolvimento rural em questão -- do agrário ao territorial. 2006. Tese (Doutorado em Ciência Ambiental). Universidade de São Paulo. 2006.

FREYRE, Gilberto. Rurbanização: que é?. Recife, PE: Massangana, 1982.

FURTADO, Celso. O mito do desenvolvimento econômico. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1974.

GALA, Paulo. "A teoria institucional de Douglass North". Revista de Economia Política. v. 23, n. 2 (90), p. 89-105, 2003.

GARCIA JÚNIOR, Afrânio. O sul: caminho do roçado (estratégias de reprodução camponesa e transformação social). São Paulo: Marco Zero/Unb, 1989.

GRANOVETTER, Mark. The streng of weak ties. A network theory revisited in Marsden, Peter V. y Nan, Lin (Eds.). Social atructure and network analysis. London: Sage, 1982. p. 105-130.

______. Ação econômica e estrutura social: o problema da imersão. Fórum – Sociologia Econômica. RAE-eletrônica, v. 6, n. 1, 2007.

GRAZIANO DA SILVA, J. O novo rural brasileiro. Campinas, SP: Editora da UNICAMP/Instituto de Economia, 1999.

______. Quem precisa de uma estratégia de desenvolvimento. Textos para Discussão Nead, Campinas/SP, v. 2, p. 5-52, 2001.

KAUTSKY, Karl. A questão agrária. Tradução de Otto Erich Walter Maas. São Paulo: Nova Cultural, 1986.

LONG, Norman. Globalizacion y localizacion: nuevos retos para la investigación rural. In: La Sociedad Rural Mexicana Fuenta al Nuevo Milenio, vl.1: L' Inserción de la Agricultural Mexicana en la Economía Mundial / S.M.L. Flores, M. Chauvet, p. 35-74. – Mexico, 1996.

______. Sociología del desarrollo: una perspectiva centrada en el actor. México, Centro de Investigaciones y Estudios Superiores en Antropología Social: El Colegio de San Luis. 2007. 504 p.

MENDRAS, Henri. Societés paysannes. Paris: Armand Colin, 1976.

MUNDLER, Patrick (Org.). Petites exploitations diversifiées en circuits courts. Soutenabilité Sociale et Économique. Lyon: ISAARA, 2008.

NAVARRO, Z. Desenvolvimento rural no Brasil: os limites do passado e os caminhos do futuro. Revista Estudos Avançados, v. 16, n. 44, p. 83-100, 2001.

NORTH, Douglass. Structure and change in economic history. Norton, 1981.

______. Institutions, institutional change and economic performance. Cambridge: Cambridge University Press: 1990. 152 p.

. Institutions. Journal of Economic Perspective, Pittsburgh, v. 5, n. 1, p. 97-112, Winter 1991.

Institutional change: a framework of analysis. Social Rules, p. 189-201, 1994.

Custos de transação, instituições e desempenho econômico. Riode Janeiro: Editora do Instituto Liberal, 2006.

PLEIN, Clério. As metamorfoses da agricultura familiar: o caso do município de Iporã d’Oeste, Santa Catarina. 2003. Tese de Doutorado. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Rural)–Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, RS. 2003.

POLANYI, Karl. A subsistência do homem e ensaios correlatos. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012.

RAUD-MATTEDI, Cécile. A construção social do mercado em Durkheim e Weber: análise do papel das instituições na sociologia econômica clássica. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 20, n. 57, 2005.

ROSTOW, Walt Whitman. Etapas do desenvolvimento econômico: um manifesto não-comunista. Rio de Janeiro: Zahar, 1974.

SACHS, Jeffrey D. O fim da pobreza. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

SCHNEIDER, S. Situando o desenvolvimento rural no Brasil: o contexto e as questões em debate. Revista de Economia Política, vl. 30, n. 3, São Paulo, jul./set. 2010.

SCHNEIDER, S. A presença e as potencialidades da agricultura familiar na América Latina e no Caribe. Redes (Santa Cruz Sul, on-line), v. 21, n. 3, p. 11- 33, set./dez. 2016.

______. Tendências e temas dos estudos sobre desenvolvimento rural no Brasil. In: Congresso Europeu de Sociologia Rural. Wageningen, Holanda, 20-24 ago. 2007.

SEN, Amartya. Repenser I’inegalité. Paris: Seuil, 1992.

THOMAS, Alan. Development as practice in a liberal capitalista world. Journal of International Development, 12, 773-787, 2000.

VAN DER PLOEG, Jan Douwe. Camponeses e impérios alimentares: lutas por autonomia e sustentabilidade na era da globalização. Rio Grande do Sul –RS:UFRGS Editora, 2008.

VEBLEN, Thornstein. A Teoria da Classe Ociosa – um estudo econômico das instituições. Tradução de Olívia Krähenbühl. São Paulo: Ática, 1974.

WANDERLEY, Maria de Nazareth Baudel. O mundo real como um espaço de vida: reflexões sobre a propriedade da terra, agricultura familiar e ruralidade. Porto Alegre, RS: Editora da UFRGS, 2009.

WILKINSON, John. Sociologia econômica, a teoria das convenções e o funcionamento dos mercados: inputs para analisar os micro e pequenos empreendimentos agroindustriais no Brasil. Ensaios FEE, Porto Alegre, v. 23, n. 2, p. 805-824, 2002.

WILKINSON, John. A agricultura familiar ante o novo padrão de competitividade do sistema agroalimentar na América Latina. Estudos sociedade e agricultura, 2003.

WILKINSON, John. Mercados, redes e valores: o novo mundo da agricultura familiar. UFRGS, 2008.

WILLIAMSON, Oliver E. Markets and hierarchies: analysis and antitrust implications. New York: Free Press, 1975.

______. The economic institutions of capitalism: firms, markets, relational contracting. New York: Free Press, 1985.

______. The mechanisms of governance. New York: Oxford University Press, 1996.

______. Transaction cost economics and organization theory. HBS Conference on Organization Design. December 5-6, 2008.

ZYLBERSZTAJN, Décio. Papel dos contratos na coordenação agro-industrial: um olhar além dos mercados. In: SOUZA, José Paulo de; PRADO, Ivanor Nunes do (Org.). Cadeias produtivas: estudos sobre competitividade e coordenação. 2. ed. Maringá, PR: Editora da UEM, 2009.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.