Uma investigação com as crianças sobre as linguagens do brincar / A research with children about how to play languages

Ellen Carolina Ott, Neidi Liziane Copetti da Silva, Care Cristiane Hammes

Resumo


Este artigo é o resultado das pesquisas realizadas pelos integrantes do Grupo FFLLIPE – Fenomenologia, Formação, Linguagem Lúdica e Interdisciplinaridade em Pesquisa e Educação, Da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - UFMS, e objetiva refletir sobre as diversas linguagens do brincar em diferentes contextos e situações, logo, a partir do sustentáculo da abordagem fenomenológica buscamos desvelar a essência do brincar e do processo lúdico infantil. Os sujeitos foram crianças na faixa etária dos três aos seis anos, as quais estão inseridas em escolas e Centros de Educação Infantil situados no Mato Grosso do Sul, MS. A relevância da pesquisa se justifica porque consideramos o brincar uma linguagem universal que atinge e encanta a todos, além disso entendemos o brincar como expressão da cultura infantil e a ludicidade como comunicação do humano, ou seja, elementos indispensáveis para o trabalho com crianças. Desse modo, consideramos a infância um período específico da vida humana, a qual deve ser permeada pelas brincadeiras e pelo faz de conta. Dentre os autores que embasam a pesquisa estão Ariès (1981), Del Priore (1999), Kishimoto (1993; 1996) e Brougère (1995). Como resultados, destacamos a efetiva prática dos jogos tradicionais, do faz de conta, da dança, da música, da literatura e do teatro nos contextos escolares investigados. Logo, a partir das falas das crianças, as quais relataram as suas brincadeiras preferidas e realizadas com frequência, foi possível fazer as amarras teóricas necessárias para a compreensão das linguagens lúdicas e os seus benefícios para o desenvolvimento das potencialidades infantis tendo em vista a relevância do brincar na infância.

Palavras-chave


Infância; Linguagem lúdica, Jogos; Brincadeiras

Texto completo:

PDF

Referências


ARIÈS, P. História social da criança e da família. Rio de Janeiro: Guanabara, 1981.

BROUGÈRE, G.. Brinquedo e cultura. São Paulo: Cortez, 1995.

DEL PRIORE, M. História das crianças no Brasil. São Paulo: Contexto, 1999.

KISHIMOTO, T. M.. Jogos Infantis: o jogo, a criança e a educação. 6. ed. Petrópolis: Vozes, 1993.

______. O Jogo e a Educação Infantil. Petrópolis: Vozes, 1996.

OLIVEIRA, Zilma Moraes Ramos de. (Org.). Educação Infantil: muitos olhares. 4 ed. São Paulo: Cortez, 2000.

RICOEUR, Paul. A metáfora viva. Porto - Portugal: Rés, 1983.

ROJAS, Jucimara. Livro de Pano: Momentos de Ludicidade Construtiva nas Práticas Pedagógicas Portuguesas. Universidade de Aveiro, 2004.

VASCONCELOS, Tania. Jogos e Brincadeiras: desafios e descobertas. Disponível em Acessado em 10/05/2017.

VYGOTSKY, Lev. Semenovick. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. Michael Cole et AL (Org. ). 4 ed. São Paulo: Martins Fontes, 1991.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.