Indicadores de Desenvolvimento Sustentável: Uma Análise Quantitativa utilizando o modelo de Regressão Linear Múltipla / Sustainable Development Indicators: A Quantitative Analysis Using the Multiple Linear Regression Model

Educélio Gaspar Lisbôa, Érico Gaspar Lisbôa, Marco Aurélio Arbage Lobo, Leonardo Augusto Lobato Bello

Abstract


Este artigo oferece uma análise sobre os indicadores do Desenvolvimento Sustentável (DS) no período compreendido entre 2003 à 2018, no Brasil, estudando três dimensões do DS: Econômica, Social e Ambiental. A pesquisa abordou os diversos aspectos teóricos sobre o desenvolvimento sustentável ao longo do tempo desde 1968 até os dias atuais, evidenciando sobretudo indicadores do DS como aposentadoria, taxa de mortalidade, queimadas, produto interno bruto (PIB) e inflação. Desta forma recorreu-se ao modelo de regressão linear múltipla para demonstrar o comportamento de tais variáveis, e constatou-se que o PIB manteve-se alto e estável ao longo do horizonte de tempo, refletindo-se deforma inversa aos níveis de inflação, que apresentou trajetória decrescente, ao passo que as dimensões sociais analisadas (taxa de mortalidade e aposentadoria) apresentaram-se favoráveis as estimativas de crescimento com números decrescentes para a primeira e aumento para a segunda. Quanto a dimensão ambiental também teve números positivos diminuindo nos últimos cinco anos, como demonstrado nas estatísticas do modelo de regressão linear.  Por fim pode-se constatar que apesar das estatísticas refletirem tendências positivas nas três dimensões nos últimos anos, o Brasil ainda sim mantem números altos quanto os indicadores nas três dimensões, logo podemos constatar que só através de investimentos maciços nestas três dimensões o Brasil tende a chegar a números ótimos rumo a uma melhor equidade para do desenvolvimento sustentável.

 


Keywords


Desenvolvimento Sustentável, Regressão Linear, Inflação, Queimadas e PIB.

References


AGENDA 21. United National Conference on Environmental and Development. Rio de Janeiro, 1992.

CAPRA, Fritjjof. O ponto de mutação. 24ª ed. São Paulo: Cultrix, 2003.

COMISSÃO MUNDIAL SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO - CMMAD. Nosso futuro comum. 2. ed. Tradução de “Our common future”. 1988. Rio de Janeiro: Editora da Fundação Getúlio Vargas, 1991.

FERRÃO. Maria Eugênia. Introdução à Modelagem Multinível em Avaliação Educacional. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Rio de Janeiro, 2001.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Indicadores de desenvolvimento sustentável. Rio de Janeiro, 2004. Disponível em . Acessado em 22/05/2010.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Indicadores de desenvolvimento sustentável. Rio de Janeiro, 2004. Disponível em . Acessado em 22/05/2012.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA (IPEA). Desenvolvimento sustentável, economia verde e a Rio + 20 – Relatório de Pesquisa. Brasília, 2015.

KATES, B. R. W.; PARRIS, T. M.; LUSERAWITZ, A. A. What is sustainable development? Goals, Indicators, values, and practica. Environment, v. 47, p. 8-21, 2001.

LOMBORG, Bjorn. O Ambientalista Cético. São Paulo. 1ª ed. Elsevier, 2002.

MMA- Ministério do Meio Ambiente. AGENDA 21 Brasileira. Disponível em http://www.mma.gov.br/index.php?ido=conteudo.monta&idEstrutura=18&idConteudo=90 8. Acessado em 20/11/2007.

HARDI, P. ZDAN, T. J. The Dasboard of sustainability. Draft paper. IISD,. 2000.

HART, Stuart. L. Guide to sustainable community indicators. North Andover, MA, USA: Hart Environmental Data, 2005.

OLIVEIRA, D. L. Economia e sustentabilidade. Gestão & tecnologia, v. 3, p. 14-21, jan./fev. 2010.

MILLER, G. Tyler. Ciência ambiental. Tradução All Tasks. São Paulo. Thomson, 2007.

NUSDEO, Fábio. Curso de Economia: introdução ao direito econômico. 4. ed. São Paulo, Revista dos Tribunais, 2005.

SACHS, I. Caminhos para o Desenvolvimento Sustentável. Rio de Janeiro: Garamond, 2002.

SANTANA, Antônio Cordeiro de. Métodos quantitativos em economia: elementos e aplicações. Belém, Pa: UFRA, 2003.

SIENA Osmar. Método para avaliar progresso em direção ao desenvolvimento sustentável. Florianópolis. Tese (Doutorado), Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção (PPGEP). Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), 2002.

UNIÃO EUROPÉIA. EUROSTAT - EUROPEAN COMMISSION. Disponível em http://ec.europa.eu/policies/index_en.htm. Acessado em 11/04/2008.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n3-407

Refbacks

  • There are currently no refbacks.