Proposta de modelo para a elaboração da capacidade da inovação / Model proposal for developing innovation capacity

Marcos de Oliveira Morais, Marcelo Luís Costa Pereira, Elaine Aparecida de Araújo

Abstract


Este trabalho tem por objetivo estabelecer um panorama teórico para a elaboração de modelo para a capacidade da inovação com a finalidade de propiciar crescimento intelectual, econômico e tecnológico de alto nível e de possibilitá-las adquirir vantagens competitivas diante da concorrência. Com a projeção de novos modelos para auxilio a gestão organizacional torna-se relevante fomentar o assunto uma vez que as novas tecnologias estão sempre em uma nova crescente, favorecendo também a interação e interface dentro das organizações estimulando os rompimentos de barreiras internas e externas nas organizações. O objetivo dessa abordagem foi tornar a metodologia proposta de fácil compreensão e implementação pelas empresas independentemente de seu porte ou área de atuação relacionando a teoria apresentada. Além da síntese conceitual proposta, o presente artigo estabelece um referencial teórico que pode ser útil para pesquisas futuras ligadas ao tema como a implementação de sistemas integrados nas organizações.


Keywords


Capacidade, Metodologia, Capacitação da Inovação, Gestão.

References


ALAVI, M., & LEIDNER, D. E. Review: Knowledge Management and Knowledge Systems: Conceptual Foundations and Research Issues. MIS Quarterly, 25(1), 107–136. 2001. https://doi.org/10.2307/3250961.

BOLY, V. Evaluating innovative processes in french firms: Methodological proposition for firm innovation capacity evaluation.Research Policy, 43, 608-622. 2014.

CAMISÓN, C; VILLAR-LOPEZ, A. Organizational Innovation as an Enabler of Technological Innovation Capabilities and Firm Performance. Journal of Business Research, 67, 2891- 2902. 2014.

CANONGIA, C., PEREIRA, M., MENDES, C. A., & ANTUNES, A. Mapeamento de inteligência competitiva (IC) e de gestão do conhecimento (GC) no setor de saúde. Revista de Biblioteconomia Eletrônica e Ciência da Informação, Florianópolis, 2004.

CARRINCAZEAUX, C., & GASCHET F. Regional innovation systems and economic performance: between regions and nations. European Planning Studies, 23(2), 262-291., 2015.

CHRISTOPHER, D.; TANWAR, A. Knowledge management in outsourcing environment: people empowering people. The IUP. Journal of Knowledge Management, v. 10 n. 2, p. 61-86. 2012.

CHUANG, S.-H., LIAO, C., & LIN, S. Determinants of knowledge management with information technology support impact on firm performance. Information Technology and Management, 14(3), 217–230. https://doi.org/10.1007/s10799-013-0153-1, 2013.

DE MOURA, H. T; ADLER, I. K. The ecology of innovation and the role of strategic design. Strategic design research journal, v. 4, n. 3, p. 112-117, 2011.

DU TOIT, A. Comparative study of competitive intelligence practices between two retail banks in Brazil and South Africa. Journal of Intelligence Studies in Business 2, 30-39. 2013.

FAGERBERG, J., & SAPPRASERT, K.2011). National innovation systems: the emergence of a new approach. Science and Public Policy, 38(9), 669-679. Doi: 10.3152/030234211X13070021633369. 2011.

FAWCETT, S. E., JONES, S. L., & FAWCETT, A. M. Supply chain trust: The catalyst for collaborative innovation. Business Horizons, 55(2), 163-178. 2012.

FERREIRA, J. J.M; MARQUES, C. S. E; BARBOSA, M. J. Relação entre inovação, capacidade inovadora e desempenho: o caso das empresas da região da beira interior. Revista de Administração e Inovação, São Paulo, v. 4, n. 3, p. 117- 132, 2007.

FLEISHER, C. S., & BENSOUSSAN, B. E. Business and competitive analysis: effective application of new and classic methods. Upper Saddle River, NJ: Financial Times Press. 2007.

FROEHLICH, C, BITENCOURT, C. C, Proposição de um modelo teórico para capacidade de inovação sustentável. Revista Ciências Administrativas, 2015.

GIACOMIN, R., DE MUYLDER, C., & LA FALCE, J. Mensuração da inovação: meta estudo. Anais do XXXIV Encontro Nacional de Engenharia de Produção, Infraestrutura e Desenvolvimento Sustentável: the Brasil + 10 Agenda. Curitiba, PR, Brasil, 07 a 10 de outubro. 2014.

Gil, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa (4o ed). São Paulo: Atlas. Granovetter, M. S. (1973). The strength of weak ties. American journal of sociology, 1360–1380. 2002.

GOLEMAN, D. Liderança: Inteligência Emocional na formação de um líder de sucesso. Tradução Ivo Korytowiski. Objetiva. 2015.

JEAN, R. J., KIM, D., & SINKOVICS, R. R. Drivers and performance outcomes of supplier innovation generation in customer–supplier relationships: The role of power – dependence. Decision Sciences, 43(6), 1003-1038. 2012.

KHEZERLOO, M. N. Competitive intelligence of managers and its relationship with product quality. Trends in advanced science and engineering, 5(1), 98-107. 2012.

KIANTO, A; ANDREEVA, T. Práticas de gerenciamento de conhecimento e resultados em empresas orientadas a serviços versus empresas orientadas a produtos. Gestão de Conhecimento e Processos, v. 21, n. 4, p. 221-230, 2014.

KÖSEOGLU, M., ROSS, G., & OKUMUS, F. Competitive intelligence practices in hotel. International Journal of Hospitality Management, 53, 161–172. 2016.

LAGAT, C., FRANKWICK, G., & SULO, T. Market orientation and firm performance in emerging markets. International Journal of Advanced Research, 3(9), 271-279. 2015.

LAKATOS, E. M; MARCONI, M. A. Metodologia Do Trabalho Científico. Andrade Marconi/ Lakatos- Editora Atlas S.A.- 2001- 6ª Edição.

LOPES, P. R. D; DE ARAÚJO JÚNIOR, R. H; PERUCCHI, V. Análise bibliométrica dos grupos de pesquisa em inteligência competitiva no Brasil. RBBD. Revista Brasileira de Biblioteconomia e Documentação, v. 13, n. 2, p. 128-145, 2017.

MA, Y.; LUO, S. Management Innovation Capabilities Evaluation of Small and Medium-sized High-tech Enterprises in Shanghai. In: Business Intelligence and Financial Engineering (BIFE), 2012 Fifth International Conference on. IEEE, 2012. p. 641-645.

MANTHEY, N. B. et al. O Impacto da Capacidade de Inovação no Desempenho da Inovação de Produto em PMES do Setor Industrial. REGEPE - Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, [S.l.], v. 6, n. 2, p. 311-341, ago. 2017. ISSN 2316-2058.

MATTERA. T. C. Gestão do conhecimento na prática. In: SOUTO, L. F. (Org.). Gestão da informação e do conhecimento: práticas e reflexões. Rio de Janeiro: Interciência, 2014. p.199-220.

MOTHE, C., & THI, T. The link between non-technological innovations and technological innovation. European Journal of Innovation Management, 13(3), 313-32. 2010.

NAGANO, M. S; STEFANOVITZ, J. P; VICK, T. E. Innovation management processes, their internal organizational elements and contextual factors: An investigation in Brazil. Journal of Engineering and Technology Management, v. 33, p. 63-92, 2014.

NASRI, W. Competitive intelligence in Tunisian companies. Journal of Enterprise Information Management, 24(1), 53-67. 2011.

NETO, B. M. R.; TAVARES, J. D. C. T.; HOFFMANN, S.C. Sistemas de Gestão Integrados – Qualidade, Meio Ambiente, Responsabilidade Social, Segurança e saúde no trabalho. São Paulo. Senac, São Paulo, 2008.

NONAKA, I.; TAKEUCHI, H. Criação de conhecimento na empresa: como as empresas japonesas geram a dinâmica da inovação. Rio de Janeiro: Campus, 1997. DOI: 10.2307/41165942.

NUNES, S., & LOPES, R. Firm performance, innovation modes and territorial embeddedness. European Planning Studies, 23(9), 1796-1826. 2015.

OLIVEIRA, M. C. S. F. et al. A influência da capacidade de inovação sobre o desempenho internacional: Um estudo com empresas de base tecnológica. Revista Economia & Gestão, Belo Horizonte, v. 16, n. 44, p. 192-212, dez. 2016. ISSN 1984- 6606. Disponível em:. Acesso em: 29 Jan. 2020.

ORGANISATION FOR ECONOMIC CO-OPERATION AND DEVELOPMENT. OECD. Education at a Glance 2015: OECD Indicators, OECD Publishing. Recuperado de: http://dx.doi.org/10.1787/eag-2015- en. 2015.

PEREIRA, F. C. M; DE CARVALHO, R. B; DE ÁVILA QUINTÃO, A. Uso da inteligência competitiva por micro, pequenas e médias empresas: estudo de caso nas empresas associadas à ACITA, Itabira (MG), Brasil. Revista Inteçigência Competitiva, v. 9, n. 3, p. 100-122, 2019.

PRESCOTT, J. E.; MILLER, S. H. Inteligência competitiva na prática: técnicas e práticas bem sucedidas para conquistar mercados. Rio de Janeiro: Campus, 2002.

RODRIGUES, L., & RICCARDI, R. (2007). Inteligência competitiva: para negócios e organizações. Maringá (PR): Unicorpore.

SANTOS,I. M.;BARBOSA, C. R.;Ciência da Informação e Inteligência de Estado: Relações Entre a Gestão da Informação e do Conhecimento e a Proteção do Conhecimento Sensível.Bahia 2016MARÓSTICA, E. Inteligênciade Mercado. São Paulo: Cengage Learing, 2015

SCHUBERT, T. Marketing and organisational innovations in entrepreneurial innovation processes and their relation to market structure and firm characteristics. Review of Industrial Organization, 36(2), 189-212. 2010.

SILVA, J. C.; LEITE, R. T.; OLIVEIRA, M. A. Capacidades de inovação e indicadores não convencionais: um estudo exploratório. Revista de Administração, Sociedade e Inovação, v. 2, n. 2, p. 167-186, 2016.

STEFANOVITZ, J. P. Contribuições ao estudo da gestão da inovação: proposição conceitual e estudo de casos. 2011. 197 p. Tese (Doutorado) – Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo, São Carlos, 2011.

STRAUSS, A., & DU TOIT, A. Competitive intelligence skills needed to enhance South Africa’s competitiveness. Aslib Proceedings. New Information Perspective, 62(3), 302-320. 2010.

TERRA, J. C. 10 dimensões da gestão da inovação: uma abordagem para a transformação organizacional. Rio de Janeiro: Elsevier, 2012.

TIDD, J; BESSANT, J. Innovation management challenges: from fads to fundamentals.International Journal of Innovation Management, 22, n. 05, p. 1840007, 2018.

TIDD, J; BESSANT, J; PAVITT, K. Gestão da Inovação, 3ª. Ed. Porto Alegre: Bookman, 2008.

WEISS, A., & NAYLOR, E. Competitive intelligence: How independent information professionals. American Society for Information Science and Technology, 37(1), 30-34. 2010.

WRIGHT, S., & CALOF, J. L. The quest for competitive, business and marketing intelligence: A country comparison of current practices. European Journal of Marketing, 40(5-6), 453-465. 2006.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n3-350

Refbacks

  • There are currently no refbacks.