Valor calórico do leite humano ordenhado pasteurizado de um banco de leite de Dourados-MS / Caloric value of human milk ordered pasteurized from a milk bank of Dourados-MS

Camila Patrícia Gomes Borges, Cristiane Nava Duarte, Cristhiane Rossi Gemelli, Josiane Ribeiro dos Santos Santana, Rita de Cássia Dorácio Mendes

Abstract


O Banco de leite Humano (BLH) é uma Rede Nacional de Bancos de Leite Humano do Brasil (RNBLH) considerada a mais bem estruturada do mundo. O leite humano destinado ao consumo de recém-nascidos não pode apresentar nenhum tipo de micro-organismo, pois podem apresentar agravos à saúde do lactente. O leite humano não possui apenas proteção exclusiva contra as infecções e alergias, mas também estimula o desenvolvimento imunológico do bebê, já as fórmulas infantis apesar de ter a finalidade de ser próximo do leite materno, a sua composição não se iguala com às propriedades fisiológicas, e que são específicas da mãe para o próprio filho, comparadas ao leite materno. Esta pesquisa tem como objetivo analisar uma das composições do leite humano ordenhado pasteurizado, o valor calórico. Além disso, descrever as características maternas e os dados gestacionais. Foi feito um estudo documental onde os resultados foram estudados por análise descritiva, analisados por porcentagem, média e desvio padrão. Para a avaliação do valor calórico do leite humano pasteurizado foi utilizado dados do crematócrito realizado no processo de pasteurização do leite humano. A maioria das doadoras apresentaram leite hipocalórico destacando as doadoras usuárias de álcool e as que tiveram seus bebês pré termo. O uso de álcool e tabaco influencia diretamente na produção e no valor calórico do leite humano. A conclusão do estudo foi que a maioria das doadoras com idade até 20 anos tiveram parto normal e gestação a termo. Com tudo o tipo de parto tem pouca relação com o valor calórico do leite humano.


Keywords


leite materno, pasteurização, crematócrito.

References


ACCHAR, J. S. F; POLEZI, M. F. Verificação das Etapas do Processamento de Leite Materno em dois Bancos de Leite Humano da Região Metropolitana De Vitória. Faculdade Católica Salesiana. Espírito Santo, v. 1, n. 1, p.103, 2011.

ALMEIDA, S. G; DÓREA, J. G. Qualidade de um Banco de Leite em Brasília. Jornal da lactação humana, v. 22, p. 335-339, 2006.

ALMEIDA, J. A. G; GUIMARÃES, V; NOVAK, F. R. Normas Técnicas para Bancos de Leite Humano: Pasteurização do Banco de Leite Humano, p. 9, 2005.

ALVES, A. M. L; SILVA, E. H. D. A. A. D; OLIVEIRA, E. C. D. Desmame precoce em prematuros participantes do Método Mãe Canguru. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia. Rio de Janeiro, v. 12, n. 1, p. 23-8, 2007.

ARANTES, F. B. B; VILELA, C. A. P; ABDALLAH, V. O. S; OLIVEIRA, A. M. M; GUIMARÃES, E. C. Perfil do conteúdo energético do leite humano processado pelo Banco de Leite humano. Uberlândia, v.6, p. 15, 2007.

BARBETTA, P. A. Estatística Aplicada às Ciências Sociais. Ed. UFSC, 2002, 5 ed.

BORTOLOZO, E. A. F. Q. Análise nutricional do leite humano processado em Banco de Leite e desenvolvimento de um suplemento que atenda às necessidades específicas do recém-nascido de baixo peso. 2002, p. 136.

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC nº 171, de 4 de setembro de 2006. Dispõe sobre o Regulamento Técnico para o Funcionamento de Bancos de Leite Humano. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 4set, p. 20, 2006.

CARNEL, E. F; ZANOLLI, M. L; MORCILLO, A. M. Fatores de risco para indicação do parto cesária em Campinas. Revista Brasileira de ginecologia e obstetrícia, v. 29, n. 1, 34-40, 2006.

CARVALHO, M. R; TAMEZ, R. N. Amamentação: bases científicas para a prática profissional. Rio de Janeiro, Guanabara. 2002, p. 278.

CONCEIÇÃO, C. S; ALVES, V. H; SILVA, L. R; MARTINS, C. A; MATTOS, D. V; RODRIGUES, D. P. Qualidade Assistencial do Banco De Leite Humano: Percepção de Usuárias. Revista de Enfermagem. Recife, v. 7, n. 5, p. 1271-8, 2013.

CIAMPO, L. A; RICCO, R. G; FERRAZ, I. S; DANELUZZI, J. C; MARTINELLI, C. E. Prevalência de tabagismo e consumo de bebida alcoólica em mães de lactentes menores de seis meses de idade. Revista Paulista de Pediatria. São Paulo, v. 27, n. 4, p. 361-5, 2009.

FERREIRA, I. M. P. L. V. O. Composição do leite de mulher, do leite de vaca e das fórmulas de alimentação infantil. Revista Oficial da Sociedade Portuguesa de Pediatria, v. 36, n. 6, p. 277-285, 2005.

GIUGLIANI, E. R. J. Rede Nacional de Bancos de Leite Humano do Brasil: tecnologia para exportar. Sociedade Brasileira de Pediatria, v. 78, n. 3, p. 183, 2002.

MACHADO, M. M. T. Fatores de proteção do leite humano. Revista de Pediatria do Ceará, v. 3, n. 2, p. 59-63, 2002.

MAIA, P. R. S; ALMEIDA, J. A. G. A; NOVAK, F. R; SILVA, D. A. Rede Nacional de Bancos de Leite Humano: gênero e evolução. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, Recife, v. 6, n. 3, p. 285-292, 2006.

MATTAR, M. J. G; KUZUHARA, J. S. W; GOMES, A. M. C. Manual de Aleitamento Materno, Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia, v.1, n.1, p. 147, 2010.

MELO, C. S; GONÇALVES, R. M. Aleitamento Materno versus Aleitamento Artificial. Estudos, Goiás, v. 41, p. 14, 2014.

MORAES, P. S; OLIVEIRA, M. M. B. de; DALMAS, J. C. Perfil calórico do leite pasteurizado no banco de leite humano de um hospital escola. Revista Paulista de Pediatria. São Paulo, v. 31, n. 1, p. 46-50, 2013.

MORGANO, M. A; SOUZA, L. A; NETO, J. M; RONDÓ, P. H. C. Composição mineral do leite materno de bancos de leite. Ciência e Tecnologia de Alimentos, Campinas, v. 25, n. 4, p. 819-24, out./dez., 2005.

NASCIMENTO, A. L. V; SOUZA, A. F. O; AMORIM, A. C. R; LEITÃO, M. B. S; MAIO, R; BURGOS, M. G. P. A. Ingestão de bebidas alcoólicas em lactantes atendidas em hospital Universitário. Revista Paulista de Pediatria, v. 31, n. 2, 198-204, 2013.

PATAH, L. E. M; MALIK, A. M. Modelos de assistências ao parto e taxa de cesária em diferentes países. Revista de Saúde Pública, v. 45, n. 1, p. 185-94, 2011.

PEREIRA, C. R. V. R; FONSECA, V. M; OLIVEIRA, M. I. C; SOUZA, I. E. O; MELO, R. R. Avaliação de fatores que interferem na amamentação na primeira hora de vida. Revista Brasileira de epidemiologia, v. 13, n. 2, 525-35, 2013.

SANTOS, V. L. F. D; SOLER, Z. A. S. G; AZOUBEL, R. Alimentação de crianças no primeiro semestre de vida: enfoque no aleitamento materno exclusivo. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, Recife, v. 5, n. 3, p. 283-91, jul./set., 2005.

SILVA, L. R. C; DAMACENO, A. D; MARTINS, M. C. R; SOBRAL, K. M; FARIAS, I. M. S. Pesquisa Documental: Alternativa Investigativa na Formação Docente. Congresso Nacional de Educação, v. 3, n.1, p. 4555-4566, 2009.

SILVA, F. F. Qualidade do leite materno em um banco de leite humano: aspectos bacteriológicos, físico-químicos e perfil de animais bioativos. Belo Horizonte, p. 77, 2008.

SILVA, V. G. Normas técnicas para banco de leite humano: uma proposta para subsidiar a construção para Boas Práticas. Tese (Doutorado em Saúde da Mulher e da Criança) – Instituto Fernandes Figueira/Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, 2004.

SILVA, R. C; ESCOBEDO, J. P; GIOIELLI, L. A. Composição centesimal do leite humano e caracterização das propriedades físico-químicas de sua gordura. v. 30, n. 7, 1535-1538, 2007.

SILVEIRA, A. P. É; ALMEIDA, L. A. M; JORGE, S. Ações para uso do Leite Humano pasteurizado na Alimentação de Recém-Nascidos prematuros. Revista Eletrônica de Extensão, v. 1, n. 6, p. 10, 2008.

VIEIRA, A. A; MOREIRA, M. E. L; ROCHA, A. D; LUCENA, S. L. Análise do conteúdo energético do leite humano administrado a recém-nascidos de muito baixo peso ao nascimento. Sociedade Brasileira de Pediatria, v. 80, n. 6, p. 490-494, 2004.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n3-334

Refbacks

  • There are currently no refbacks.