Análise microbiológica de Salmonella spp. e coliformes a 45ºC em frango comercializado em um mercado de grande porte de Belo Horizonte - MG / Microbiological analysis of Salmonella spp. and coliforms at 45°C in chicken commercialized in a supermarket in Belo Horizonte - MG, Brazil

Michele Diniz Pereira, Cristiane Cherubino Ferreira, Geovana Rodrigues Almeida, Patrícia Santos Alves, Vinícius Giraldi Liberato, Luiza Silveira Campos da Mata, Eric Liberato Gregório, Claudia Colamarco Ferreira, Daniela Almeida do Amaral

Abstract


Com a crescente expansão da avicultura no Brasil, a carne torna-se um possível veículo de contaminação e de Doenças Transmitidas por Alimentos (DTA), apresentando ameaças à saúde pública. Considerando o exposto, este trabalho objetivou realizar a análise microbiológica de Salmonella spp. e coliformes a 45°C em cortes de carne de frango. Para a pesquisa foram recolhidas 20 amostras de carne de frango (peito de frango, coxa e sobrecoxa), que foram analisadas e comparadas com os parâmetros previstos na Resolução da Diretoria Colegiada RDC n° 12 de 02 de janeiro de 2001. Os resultados obtidos de cada amostra foram apresentados como número mais provável (NMP/g) para coliformes à 45°C e presença ou ausência para Salmonella spp. Os resultados demonstraram que nenhuma das amostras analisadas apresentou contagem de coliformes a 45°C acima dos limites preconizados pela legislação vigente. Os resultados da análise de Salmonella spp. demonstraram 100% de ausência do microrganismo. Novas pesquisas são necessárias além da contínua fiscalização dos órgãos responsáveis para conhecimento, manutenção e controle do padrão de qualidade das carnes.


Keywords


Coliformes, Salmonella, Carne, Frango, Análise microbiológica.

References


Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANIVSA). Resolução da Diretoria Colegiada nº. 216 - Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação. 15 de setembro de 2004. Disponível em: http://www.saude.al.gov.br/wp-content/uploads/2017/02/RDC-N%C2%B0-216-ANVISA-Ag%C3%AAncia-Nacional-de-Vigil%C3%A2ncia-Sanit%C3%A1ria.pdf. Acessado em 01 Mar. 2020.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Resolução RDC nº 12, de 02 de janeiro de 2001. Brasil, 2001. Disponível em: http://portal.anvisa.gov.br/documents/33880/2568070/RDC_12_2001.pdf/15ffddf6-3767-4527-bfac-740a0400829b.

AKUTSU, R.C. et.al. Adequação das boas práticas de fabricação em serviços de alimentação. Rev. Nutr., Campinas, vol. 18, nº. 3, p. 419-427, Jun. 2005. http://dx.doi.org/10.1590/S1415-52732005000300013. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-52732005000300013&lng=en. Acessado em 27 Fev. 2020.

AMARAL, D.A. et.al. Análise microbiológica do acarajé comercializado na feira de arte e artesanato de Belo Horizonte, MG. HU Revista, v. 38, n. 3 e 4, 22 abr. 2014. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/hurevista/article/view/2027. Acessado em 25 Fev. 2020.

AMORIM, J.R.B.; BOTELHO, L.F.R.; FIUZA, A.P.P. Perfil sanitário e microbiológico da carne moída comercializada em hipermercados. Revista do COMEIA, vol. 1, n. 1, p. 61 – 71, abr. 2019. Disponível em: https://www.bibliotecaagptea.org.br/administracao/agroindustria/artigos/PERFIL%20SANITARIO%20E%20MICROBIOLOGICO%20DA%20CARNE%20MOIDA%20COMERCIALIZADA%20EM%20HIPERMERCADOS.pdf. Acessado em 28 Fev. 2020.

BERALDO-MASSOLI, M.C. et.al.. Qualidade microbiológica de frango comercializado na cidade de Jaboticabal, São Paulo. Investigação, ISSN 2177-4080 (online), vol. 13, n. 2, p. 24 – 28, 2013. DOI: https://doi.org/10.26843/investigacao.v13i2.787. Disponível em: http://publicacoes.unifran.br/index.php/investigacao/article/view/787. Acessado em 01 Mar. 2020.

COSTA, J.N.P. da et.al. Condições higiênico-sanitárias e físico-estruturais da área de manipulação de carne in natura em minimercados de Recife (PE).Brasil. Arq. Inst. Biol., São Paulo, v. 80, n. 3, p. 352-358. Set. 2013. https://doi.org/10.1590/S1808-16572013000300014.Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1808-16572013000300014&lng=en&nrm=iso. Acessado em 25 Fev. 2020.

DAMER, J.R.S. et.al. Contaminação de carne bovina moída por Escherichia coli e Salmonella sp. Rev. Contexto Saúde, v. 14, n. 26, p. 20-27, 3 out. 2014. https://doi.org/10.21527/2176-7114.2014.26.20-27.Disponível em: https://www.revistas.unijui.edu.br/index.php/contextoesaude/article/view/1888. Acessado em 27 Fev. 2020.

FENELON, A.C.G. et. al. Qualidade microbiológica de carne bovina moída comercializada em supermercados na região central de Uberlândia, MG. Revista Brasileira de Higiene e Sanidade Anima, ISSN: 1981-2965, v. 13, n. 4, p. 452 – 460, out – dez 2019. Disponível em: http://www.higieneanimal.ufc.br/seer/index.php/higieneanimal/article/view/548/2703. Acessado em 29 Fev. 2020.

GOMES, D.J. et.al.Avaliação da qualidade microbiológica de carnes de frango comercializadas em uma feira livre na cidade de Sousa - PB. INTESA, Informativo Técnico do Semiárido, Pombal – PB, ISSN 2317-305X, v. 10, n. 1, p. 106 – 110, Jan – Jun. 2016. Disponível em: https://www.gvaa.com.br/revista/index.php/INTESA/article/view/4603. Acessado em 28 Fev. 2020.

HANGUI, S.A.R. et.al.Análise microbiológica da carne bovina comercializada na cidade Anápolis, Goiás, Brasil. Revista Eletrônica de Farmácia, vol. XII, n. 2, p. 30 – 38, 2015. DOI: https://doi.org/10.5216/ref.v12i2.34969. Disponível em https://revistas.ufg.br/index.php/REF/article/view/34969. Acessado em 28 Fev. 2020.

LUZ, J.R.D. et.al. Qualidade microbiológica da carne moída comercializada em Natal, Rio Grande do Norte. Nutrivisa, Revista de Nutrição e Vigilância em Saúde, vol. 2, nº. 2, p. 86-90, jul. 2015. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/289673185_Qualidade_Microbiologica_da_Carne_Moida_Comercializada_em_Natal_Rio_Grande_do_Norte. Acessado em 27 Fev. 2020.

MACEDO, A.C.; OLIVEIRA, M.N.B. de; SOUZA, S.M. de O. Análise microbiológica de hambúrguer de frango produzido de forma artesanal. REVET – Revista Científica de Medicina Veterinária da UNICEPLAC, ISSN: 2448-4571, Brasília/DF, v. 5, n. 1, p. 112 – 120, Out/2019. Disponível em: http://revista.faciplac.edu.br/index.php/Revet/article/view/629/230. Acessado em 29 Fev. 2020.

MENDONÇA, C.R.; GRANADA, G.G. Coliformes em açougues de Pelotas – RS. Rev. Bras. de Agrociência, v.5, nº 1, p. 75-76, jan.-abril, 1999. Disponível em: https://periodicos.ufpel.edu.br/ojs2/index.php/CAST/article/view/244. Acessado em 25 Fev. 2020.

MESQUITA, M.O. et.al.Qualidade microbiológica no processamento do frango assado em unidade de alimentação e nutrição. Ciênc. Tecnol. Aliment., Campinas, v. 26, n. 1, p. 198-203, Mar. 2006. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-20612006000100031&lng=en&nrm=iso. Acessado em 27 Fev. 2020. https://doi.org/10.1590/S0101-20612006000100031.

Ministério da Agricultura e do Abastecimento. Portaria nº 210 de 10 de novembro de 1998. Brasil, 1998. Disponível em: https://www.agencia.cnptia.embrapa.br/Repositorio/Portaria-210_000h19kjcan02wx7ha0e2uuw60rmjy11.pdf. Acessado em 27 Fev. 2020.

MONTEIRO, E.S. et.al. Qualidade microbiológica de carne bovina moída comercializada em supermercados do Distrito Federal, Brasil. Revista Brasileira de Higiene e Sanidade Animal, ISSN: 1981-2965, v.12, n. 4, p. 520 – 530, out – dez, 2018. Disponível em: http://www.higieneanimal.ufc.br/seer/index.php/higieneanimal/article/view/467. Acessado em 28 Fev. 2020.

MONTEZANI, E. et.al.Isolamento de Salmonella spp. e Staphylococcus aureus em carne de frango e condições dos estabelecimentos comerciais no município de Tupã - SP. Colloquium Vitae. ISSN: 1984-6436, v. 9, n. 2, p. 30-36, 17 jan. 2018. Disponível em: http://journal.unoeste.br/index.php/cv/article/view/1314. Acessado em 25 Fev. 2020.

de Medicina Veterinária da UNICEPLAC, ISSN: 2448-4571, Brasília/DF, v. 5, n. 1, p. 112 – 120, Out/2019. Disponível em: http://revista.faciplac.edu.br/index.php/Revet/article/view/629/230. Acessado em 29 Fev. 2020.

MENDONÇA, C.R.; GRANADA, G.G. Coliformes em açougues de Pelotas – RS. Rev. Bras. de Agrociência, v.5, nº 1, p. 75-76, jan.-abril, 1999. Disponível em: https://periodicos.ufpel.edu.br/ojs2/index.php/CAST/article/view/244. Acessado em 25 Fev. 2020.

MESQUITA, M.O. et.al.Qualidade microbiológica no processamento do frango assado em unidade de alimentação e nutrição. Ciênc. Tecnol. Aliment., Campinas, v. 26, n. 1, p. 198-203, Mar. 2006. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-20612006000100031&lng=en&nrm=iso. Acessado em 27 Fev. 2020. https://doi.org/10.1590/S0101-20612006000100031.

Ministério da Agricultura e do Abastecimento. Portaria nº 210 de 10 de novembro de 1998. Brasil, 1998. Disponível em: https://www.agencia.cnptia.embrapa.br/Repositorio/Portaria-210_000h19kjcan02wx7ha0e2uuw60rmjy11.pdf. Acessado em 27 Fev. 2020.

MONTEIRO, E.S. et.al. Qualidade microbiológica de carne bovina moída comercializada em supermercados do Distrito Federal, Brasil. Revista Brasileira de Higiene e Sanidade Animal, ISSN: 1981-2965, v.12, n. 4, p. 520 – 530, out – dez, 2018. Disponível em: http://www.higieneanimal.ufc.br/seer/index.php/higieneanimal/article/view/467. Acessado em 28 Fev. 2020.

MONTEZANI, E. et.al.Isolamento de Salmonella spp. e Staphylococcus aureus em carne de frango e condições dos estabelecimentos comerciais no município de Tupã - SP. Colloquium Vitae. ISSN: 1984-6436, v. 9, n. 2, p. 30-36, 17 jan. 2018. Disponível em: http://journal.unoeste.br/index.php/cv/article/view/1314. Acessado em 25 Fev. 2020.

NOGUEIRA, M.F.L.; MANSUR, L.R.C.O.; SOUZA, C.G.S.V. e. Análise microbiológica da carne bovina moída comercializada no município de Campos dos Goytacazes – RJ.Revista Conhecendo Online: Ciências da Saúde e biológicas, ISSN: 2359-5256, v.5, n. 1, p. 48-65, março de 2019. Disponível em: http://177.67.128.65/OJS/index.php/revista/article/view/74/102. Acessado em 28 Fev. 2020.

OLIVEIRA, A.L. et.al. Qualidade microbiológica da carne de frango irradiada em embalagem convencional e a vácuo. Arq. Bras. Med. Vet. Zootec., Belo Horizonte, v. 61, n. 5, p. 1210-1217. Oct. 2009. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-09352009000500026&lng=en&nrm=iso. Acessado em 27 Fev. 2020. https://doi.org/10.1590/S0102-09352009000500026.

OLIVEIRA, A.V.B. de et.al.Padrões microbiológicos da carne de frango de corte – Referencial Teórico. Revista Verde, Mossoró – RN, ISSN 1981-8203, v. 6, n. 3, p. 01-16, julho/setembro de 2011. Disponível em https://docs.google.com/viewerng/viewer?url=https://www.gvaa.com.br/revista/index.php/RVADS/article/viewFile/705/621. Acessado em 28 Fev. 2020.

OLIVEIRA, F.A. de, SALVADOR, F.C. Determinação da contaminação microbiológica da carne de frango na cidade de Apucarana e Califórnia – PR. Revista F@pciência, Apucarana – PR, ISSN 1984-2333, v. 8, n. 15, p. 159 – 171, 2011. Disponível em http://docplayer.com.br/38169678-Revista-apucarana-pr-issn-v-8-n-15-p.html. Acessado em 28 Fev. 2020.

OLIVEIRA, M.S. et.al.Qualidade físico-química e microbiológica da carne moída de bovino em açougues. REDVET, Revista Electrónica de Veterinária, vol. 18, nº 12, p. 1-13, dez. 2017. Disponível em: http://www.redalyc.org/pdf/636/63654640032.pdf. Acessado em 27 Fev. 2020.

PENTEADO, F.R.; ESMERINO, L.A. Avaliação da qualidade microbiológica da carne de frango comercializada no município de Ponta Grossa – Paraná. Publ. UEPG Biol. Health Sci., Ponta Grossa, v.17, n.1, p. 37-45, jan./jun. 2011. DOI:10.5212. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/271239653_AVALIACAO_DA_QUALIDADE_MICROBIOLOGICA_DA_CARNE_DE_FRANGO_COMERCIALIZADA_NO_MUNICIPIO_DE_PONTA_GROSSA_-_PARANA. Acessado em 28 Fev. 2020.

PIMENTEL, C.N.M., GODOT, T.M.C. e FIGUEIREDO, E.L. Avaliação microbiológica de carne de frango comercializadas no município de Castanhal, Pará.Braz. J. ofDevelop., Curitiba, v. 5, n. 10, p. 21848-21856, out. 2019. DOI:10.34117/bjdv5n10-32. Disponível em: http://www.brjd.com.br/index.php/BRJD/article/view/4128/4077. Acessado em 28 Fev. 2020.

ROÇA, R.O. Refrigeração. UNESP – Campus de Botucatu - Departamento de Gestão e Tecnologia Agroindustrial, 2016. Disponível em: https://www.fca.unesp.br/Home/Instituicao/Departamentos/Gestaoetecnologia/Teses/Roca108.pdf. Acessado em 27 Fev. 2020.

SALES, W.B. et.al.Avaliação microbiológica da carne de frango. Cadernos da Escola de Saúde, 2014. Cadernos da Escola de Saúde, Curitiba, 12: 40-49 ISSN 1984 – 7041. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/308023941_AVALIACAO_MICROBIOLOGICA_DA_CARNE_DE_FRANGO_MICROBIOLOGICAL_E. Acessado em 27 Fev. 2020.

SHINOHARA, N.K.S. et.al. Salmonella spp., importante agente patogênico veiculado em alimentos. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 13, n. 5, p. 1675-1683, Oct. 2008. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232008000500031&lng=en&nrm=iso. Acessado em 27 Fev. 2020. https://doi.org/10.1590/S1413-81232008000500031.

SOARES, K.M.de P.; SILVA, J.B.A. da; GOIS, V.A. de. Parâmetros de qualidade de carnes e produtos cárneos: uma revisão. Higiene Alimentar, vol. 31, nº 268/269, p. 87 – 94, Maio/Junho de 2017. Disponível em: http://docs.bvsalud.org/biblioref/2017/07/846491/268-269-site-87-94.pdf. Acessado em 28 Fev. 2020.

VELHO, A.L.M.C. de S. et.al.Avaliação qualitativa da carne bovina in natura comercializado em Mossoró – RN. Acta Veterinária Brasilica, v. 9, n. 3, p. 212 -217, 2015. DOI: https://doi.org/10.21708/avb.2015.9.3.5329. Disponível em: https://periodicos.ufersa.edu.br/index.php/acta/article/view/5329/5827. Acessado em 28 Fev. 2020.

VENTURINI, K.S.; SARCINELLI, M.F.; SILVA, L.C. da. Características da carne de frango. UFES – Universidade Federal do Espírito Santo. Boletim Técnico - PIE-UFES:01307 - Editado: 18.08.2007. Disponível em: http://www.agais.com/telomc/b01307_caracteristicas_carnefrango.pdf. Acessado em 27 Fev. 2020.

ZORZO, C. et.al. Aspecto higiênico e sanitário da carne moída comercializada no município de Sinop, Mato Grosso. PUBVET – Medicina Veterinária e Zootecnia, ISSN: 1982 – 1263, vol. 13, n. 11, p. 1 – 7, no., 2019. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/338523890_Aspecto_higienico_e_sanitario_da_carne_moida_comercializada_no_municipio_de_Sinop-MT. Acessado em 01 mar. 2020.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n3-330

Refbacks

  • There are currently no refbacks.