Avaliação do pré-natal em Estratégia saúde da família (ESF) e em Unidade básica de saúde (UBS) / Evaluation of prenatal care in Family Health Strategy (ESF) and in Basic Health Unit (UBS)

Kamila Danubia Murara, Sonia Mara de Andrade, Mayara Angélica Bolson Salamanca, Samara Casemiro

Abstract


Introdução: Os 399 municípios do Paraná seguem os princípios da Rede Mãe Paranaense, tendo como porta de entrada ao sistema de saúde, as Unidades de Atenção Primária. Apesar disso, estudos apontam a inadequação do serviço de atenção às gestantes e diferentes resultados quando se comparam aspectos do pré-natal entre as modalidades de atenção primária. Objetivo: Avaliar o pré-natal realizado em Estratégia Saúde da Família - ESF e Unidade Básica de Saúde - UBS, em um município do oeste do Paraná, segundo os critérios de qualidade da Linha Guia: Rede Mãe Paranaense do ano de 2018. Métodos: Estudo descritivo, transversal, retrospectivo de abordagem quantitativa. Para a coleta de dados foi utilizado o Sistema Integrado de Gestão de Serviços de Saúde de duas unidades de saúde no município de Toledo, Paraná, uma delas estruturada como ESF e outra como UBS. Foram avaliados todos os prontuários das gestantes em acompanhamento de pré-natal no ano de 2018. Os dados foram avaliados segundo os critérios de qualidade em pré-natal da sétima edição da Linha Guia: Rede Mãe Paranaense. Resultados: Foram avaliados 57 prontuários, sendo 14 gestantes da ESF e 43 da UBS, com médias de idades de 25 e 28 anos, respectivamente. Dentre as gestantes da UBS houve predomínio de casadas e em união estável. Porém, na ESF houve mais mães solteiras e que não tiveram seu estado civil informado. A maioria das gestantes teve até duas gestações prévias, sendo a gestação atual não planejada predominante na ESF e o planejamento não informado predominante na UBS. Os requisitos de qualidade em pré-natal: número mínimo de consultas, realização de anamnese, exame físico ginecológico-obstétrico, quantidade recomendada de ultrassonografias e orientações medicamentosas foram cumpridos em sua totalidade pelas unidades. Porém, diferiram quanto ao período de início do pré-natal, orientações de dieta e/ou exercícios físicos, realização de registro de estratificação de risco na primeira consulta, exames laboratoriais e exame físico geral. Sendo a maior diferença neste último, realizado em 78,57% dos atendimentos da ESF e 34,88% da UBS. Por fim, dos 12 critérios avaliados, a média de critérios cumpridos na ESF e na UBS foram de 10,21 e 10,05, respectivamente. Conclusão: Ambas as unidades de atenção primária avaliadas não atingiram a totalidade dos critérios de qualidade elencados a partir do protocolo que rege a atenção pré-natal na cidade, indicando a importância de maior vigilância e capacitação dos profissionais da área da saúde para melhor padronização dos atendimentos.


Keywords


Cuidado Pré-Natal; Atenção Primária à Saúde; Qualidade da Assistência à Saúde.

References


Brasil. Ministério da Saúde. Gabinete do ministro. Portaria nº 569, de 1º de junho de 2000. Institui o Programa Pré-natal e Nascimento. Brasília, p.4-6, junho 2000 [Acesso em 05 de out 2019]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2000/prt0569_01_06_2000_rep.html.

Universidade Federal do Maranhão. UNA-SUS/UFMA. Redes de atenção à saúde: a Rede Cegonha. São Luís: Consuelo Penha Castro Marques, organizador. 2015 [Acesso em 05 de out 2019]. Disponível em: http://ares.unasus.gov.br/acervo/handle/ARES/7564.

Secretaria de Estado da Saúde do Paraná – SESA. Linha Guia: Rede Mãe Paranaense. 6. ed. [S.l.: s.n.]. Paraná, 63 p., 2017.

Anversa ETR, Bastos GAN, Nunes LN, Dal Pizzol TS. Qualidade do processo da assistência pré-natal: unidades básicas de saúde e unidades de Estratégia Saúde da Família em município no Sul do Brasil. Cad. Saúde Pública [Internet]. 2012 Abr [Acesso em 12 de out 2019 ] ; 28(4): 789-800. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2012000400018&lng=en. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2012000400018.

Mendoza-Sassi RA, Cesar JA, Teixeira TP, Ravache C, Araújo GD, Silva TC. Diferenças no processo de atenção ao pré-natal entre unidades da Estratégia Saúde da Família e unidades tradicionais em um município da Região Sul do Brasil. Cad. Saúde Pública [Internet]. 2011 Abr [Acesso em 12 de out 2019]; 27(4): 787-796. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2011000400018&lng=en. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2011000400018.

Nunes JT, Gomes KRO, Rodrigues MTP, Mascarenhas MDM. Qualidade da assistência pré-natal no Brasil: revisão de artigos publicados de 2005 a 2015. Cad. saúde colet. [Internet]. 2016 Jun [Acesso em 12 de out 2019]; 24(2): 252-261. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-462X2016000200252&lng=pt. http://dx.doi.org/10.1590/1414-462X201600020171.

Tomasi E, Fernandes PAA, Fischer T, Siqueira FCV, Silveira DS, Thumé E et al . Qualidade da atenção pré-natal na rede básica de saúde do Brasil: indicadores e desigualdades sociais. Cad. Saúde Pública [Internet]. 2017 Abr [Acesso em 12 de Out 2019] ; 33(3): e00195815. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2017000305001&lng=en. Epub Abr 03, 2017. http://dx.doi.org/10.1590/0102-311x00195815.

Secretaria de Estado da Saúde do Paraná - SESA. (Paraná). Linha Guia : Rede Mãe Paranaense. 7. ed. [S.l.: s.n.], 63 p, 2018 [Acesso em 12 de Out 2019]. Disponível em: http://www.saude.pr.gov.br/arquivos/File/LinhaGuiaMaeParanaense_2018.pdf.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Atenção ao pré-natal de baixo risco [recurso eletrônico] / Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. – 1. ed. rev. – Brasília : Editora do Ministério da Saúde, 2013.318 p.: il. – (Cadernos de Atenção Básica, n° 32).

Leite MB. Secretaria Municipal de Assistência Social e Proteção à Família. Diagnóstico Socioterritorial da Política de Assistência Social do Município de Toledo. 2015 Out [Acesso em 12 de Out 2019]. Disponível em: https://www.toledo.pr.gov.br/sites/default/files/diagnostico_territorial_-_servicos_socioassistenciais_0.pdf.

Silva EC, Gama AV. Pré-natal e a prevenção da mortalidade materna: uma revisão de literatura. Revista de Patologia do Tocantins, Tocantins, 2018 Abr. INSS 2446-6492. [Acesso em 18 de Out 2019]; 5 (1): 70-75. Disponível em: http://https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/patologia/article/view/4657/13028. https://doi.org/10.20873/uft.2446-6492.2018v5n1p70.

Frank BRB, Toso BRGO, Viera CS, Guimarães ATB, Caldeira S. Avaliação da implementação da Rede Mãe Paranaense em três Regionais de Saúde do Paraná. Saúde debate [Internet]. 2016 Jun [Acesso em 18 de Out 2019]; 40 (109): 163-174. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-11042016000200163&lng=en. http://dx.doi.org/10.1590/0103-1104201610913.

Viellas EF, Domingues RMSM, Dias MAB, Gama SGN, Theme Filha MM, Costa JV et al . Assistência pré-natal no Brasil. Cad. Saúde Pública [Internet]. 2014 [Acesso em 18 de Out 2019]; 30 (Suppl 1): S85-S100. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2014001300016&lng=en. http://dx.doi.org/10.1590/0102-311X00126013.

Migoto MT, Oliveira RP, Silva AMR, Freire MHS. Early neonatal mortality and risk factors: a case-control study in Paraná State. Rev. Bras. Enferm. [Internet]. 2018 Out [Acesso em 19 de Out 2019]; 71(5): 2527-2534. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-71672018000502527&lng=pt. http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167-2016-0586.

Leal MC, Szwarcwald CL, Almeida PVB, Aquino EML, Barreto ML, Barros F et al . Saúde reprodutiva, materna, neonatal e infantil nos 30 anos do Sistema Único de Saúde (SUS). Ciênc. saúde coletiva [Internet]. 2018 Jun [Acesso em 19 de Out 2019]; 23(6): 1915-1928. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232018000601915&lng=en. http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232018236.03942018.

Baggio MA, Pereira FC, Guimarães ATB, Caldeira S, Silveira CV. Programa rede mãe paranaense: análise da atenção pré-natal em uma regional de saúde. Cogitare Enferm.[Internet]. 2016 [Acesso em 19 de Out 2019]; 21(3). Disponível em: https://revistas.ufpr.br/cogitare/article/view/45301. http://dx.doi.org/10.5380/ce.v21i3.45301.

Rodrigues SF, Matte LS. Melhoria da atenção ao pré-natal e puerpério na ESF Duque de Caxias, São Luiz Gonzaga/RS [Curso de Especialização em Saúde da Família]; 2016 [Acesso em 19 de Out 2019]. Disponível em: https://ares.unasus.gov.br/acervo/handle/ARES/3998.

Handell IBS, Cruz MM, Santos MA. Avaliação da assistência pré-natal em unidades selecionadas de Saúde da Família de município do Centro-Oeste brasileiro, 2008-2009. Epidemiol. Serv. Saúde [Internet]. 2014 Mar [Acesso em 19 de Out 2019]; 23(1): 101-110. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2237-96222014000100101&lng=en. http://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742014000100010.

Ruschi GEC, Antônio FF, Zandonade E, Miranda AE. Qualidade dos dados de assistência pré-natal na Atenção Básica em prontuário eletrônico e relação com apoio matricial, Vitória, Espírito Santo, 2013-2014: corte transversal. Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade [Internet]. 2018 Jan 23 [Acesso em 20 de Out de 2019]; 12(39): 1-13. Disponível em: https://www.rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/1612.

Ruschi GEC, Zandonade E, Miranda AE, Antônio FF. Determinantes da qualidade do pré-natal na Atenção Básica: o papel do Apoio Matricial em Saúde da Mulher. Cad. saúde colet. [Internet]. 2018 Jun [Acesso em 20 de Out 2019]; 26(2): 131-139. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-462X2018000200131&lng=pt. http://dx.doi.org/10.1590/1414-462x201800020229.

Paiz JC, Giugliani C, Ziegelmann PK. Fatores associados à satisfação com a atenção pré-natal em Porto Alegre, RS [Curso de pós-graduação em Epidemiologia da Faculdade de Medicina]. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre; 2018 [Acesso em 20 de Out 2019]. 62 f. Disponível em: https://lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/188902/001086191.pdf?sequence=1&isAllowed=y.

Cunha AC, Lacerda JT, Alcauza MTR, Natal S. Avaliação da atenção ao pré-natal na Atenção Básica no Brasil. Rev. Bras. Saúde Mater. Infant. [Internet]. 2019 Jun [Acesso em 20 de out 2019]; 19(2): 447-458. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1519-38292019000200447&lng=pt. Epub 22-Jul-2019. http://dx.doi.org/10.1590/1806-93042019000200011.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n3-328

Refbacks

  • There are currently no refbacks.