Caracterização física e química de frutos de bacupari, Salacia Crassifolia (Mart. ex Schult.) G. Don, provenientes do município de Barreiras –BA / Physical and chemical characterization of bacupari fruits, Salacia Crassifolia (Mart. Ex Schult.) G. Don, from the municipality of Barreiras –BA

Lucinéia Cavalheiro Schneider, Katyuscya Veloso Leão, Luciana Lucas Machado, Andreia Rocha Dias Guimarães

Abstract


 A Salacia crassifolia (Mart. ex Schult.) G. Don, conhecida popularmente por bacupari, cascudo ou saputá. Os frutos dessa espécie apresentam sabor sui generis e muito agradável, podendo ser consumidos in natura ou na forma de sucos e sorvetes. Este trabalho teve como objetivo a caracterização físicas e químicas dos frutos de Salacia crassifolia. Foram utilizados para as analises 50 frutos, coletados no mês de novembro 2018, provenientes do município de Barreiras – BA. Foram consideradas características biométricas (comprimento e largura do fruto, massa do fruto, massa da casca, massa da polpa e massa do endocarpo) e características químicas (pH, acidez total titulável cinzas, umidade, sólidos solúveis totais, açúcares totais, açúcares redutores e não redutores e amido). O fruto do bacupari apresentou comprimento e largura média, respectivamente de 43,93 mm ± 3,99 e 46,50 ± 3,87. Quanto ao peso médio do fruto e casca foram, respectivamente, 49,53g ± 10,83 e 20,39 ± 3,55. Encontrou-se em média 7 sementes por fruto, com peso médio de 1,94g cada uma. Já o rendimento da polpa foi de 29,18% ± 11,76. Os frutos apresentaram teores de cinzas (0,38% ± 0,02), umidade (86,80% ±0,0,83), quantidade de sólidos solúveis em ° Brix a 20º C (10,46 ± 0,88), acidez total titulável (0,11 ± 0,01) e pH (9,35 ± 0,38). A da polpa de bacupari liofilizada apresentou um elevado teor de AST (29,19±0,4), AR (8,97±0,34), ANR (15,21±0,00) e amido (19,72 ±0,02) respectivamente. Desta forma, conclui-se que o fruto possui características que possibilitam seu consumo e processamento na forma de polpa, doces, geleias ou ainda na forma de produto liofilizado.


Keywords


fruto, Celastraceae, qualidade nutricional.

References


ALMEIDA, S. P.de.Frutas nativas do Cerrado: caracterização físico-química e fonte potencial de nutrientes. In Sano, S. M. & S. P. de Almeida. Cerrado Ambiente e Flora. Embrapa, 1998. 244-285.

AOAC. (ASSOCIATION OF OFFICIAL ANALYTICAL CHEMISTS). Official methods of analysis. 15.ed. Washington: AOAC, 1990.

BRAGA FILHOS, J. R. et al. – Características e entomofauna associada aos frutos do bacupari, Salacia crassifolia (MART.) PEYR, nos cerrados do Brasil central. Goiânia, GO 2001.

CAVÉCHIA, L. A; PROENÇA, C. E. B.; Heringeriana 1, 11. (2007)

CHAVES, M.C.V.; GOUVEIA, J.P.G.; ALMEIDA, F.A.C. et al,. Caracterizçaão físico-química do suco de acerola. Revista de biologia e ciências da terra, v. 4, nº 2, UEPA, 2004.

DUBOIS, M., et al. Calorimetric method for the determination of sugars and related substances. Analytical Chemistry, 18, 350-356, 1956.

CHITARRA, M.I.F.; CHITARRA, A.B. Pós-colheita de frutos e hortaliças: fisiologia e manuseio. Lavras: ESAL-FAEPE, 1990.

CHITARRA, M. I. F.; CHITARRA, A. B. Pós-colheita de frutas e hortaliças: fisiologia e manuseio. 2 ed. Lavras: UFLA, 785p., 2005.

FLORA DO BRASIL. Mouriri in Flora do Brasil 2020 em construção. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em: . Acesso em: 25 de janeiro de 2019.

GOBBO, N.L., LOPES, N.P. Medicinal plants: factors of influence on the contente of secondary metabolites. Quimica Nova, 2007.

GONDIM, J. A. M. et al. Composição centesimal e de minerais em cascas de frutas. Ciência e Tecnologia de Alimentos, v. 25, n. 4, p. 825-827, 2005. ver

GORGATTI N. A. G. et al. Abacaxi para exportação: procedimento de colheita e pós-colheita. Brasília, DF: Embrapa – SPI. p.41. 1996.

IAL. INSTITUTO ADOLFO LUTZ. Normas Analíticas do Instituto Adolfo Lutz. Métodos físico-químicos para análises de alimentos. 4 ed. São Paulo: Instituto Adolfo Lutz, 1020p., 2008.

LOPES, W.F. Propagação Assexuada de Cajá (Spondias mombim L.) e Cajá-umbu (Spondias spp) através de Estacas. trabalho de conclusão de curso (Graduação em Agronomia). Universidade Federal da Paraíba (UFPB), Areia: UFPB/CCA, 1997. 40 p.

MARTEL, J.H.I. Frutíferas da Amazônia. In: DONALDIO, L.C.; MARTINS, A.B.G.; VALENTE, J.P., ed. Fruticultura tropical. Jaboticabal: FUNEP, 1992.

MORZELLE, M. C. et al. Caracterização química e física de frutos de curriola, gabiroba e murici provenientes do cerrado brasileiro. Revista Brasileira de Fruticultura, v. 37, 2015.

McCready, et al. Determination of starch and amylose in vegetables. Application to peas. Analytical Chemistry 22: 1156-1158, 1940.

NELSON, N.A. Photometric adaptation of the Somogy method for the determination of glucose. Journal Biological Chemistry, v. 153, p.375-380, 1944.

OLIVEIRA, M.E.B.; BASTOS, M.S.R.; FEITOSA, T.; BRANCO, M.A.A.C.; SILVA, M.G.G. Avaliação de parâmetros de qualidade físico-químicos de polpas congeladas de acerola, cajá e caju. Ciência e Tecnologia de Alimentos, Campinas, v. 19, n. 3, set./dez., 1999.

RUFINO, M. do S. M. Propriedades funcionais de frutas tropicais brasileiras não tradicionais. 2008. 266f. Tese (Doutorado em Agronomia) – Universidade Federal Rural do Semi-Árido, Mossoró, 2008.

SANTOS, G.M. Caracterização de Frutos de Cajá (Spondias mombim L.) e Cajá-umbu (Spondias spp.) e Teores de NPK em Folhas e Frutos. Trabalho de conclusão de curso (Graduação em Agronomia). Universidade Federal da Paraíba, Areia: UFPB/CCA, 1996. 68 p.

SILVA, J. A., D. B. Silva, N. T. V. J & L. R. M. A. Coleta de sementes, produção de mudas e plantio de espécies frutíferas nativas dos cerrados: Informações exploratórias. Embrapa CPAC. Documentos. 23 p. (Documento 44), 1992.

SILVA JUNIOR, M. C. 100 árvores do cerrado; guia de campo. Rede de Sementes do Cerrado Brasília, 2005.

SILVA, M.S.; LACERDA, D.B.C.L; SANTOS, G.G.; MARTINS, D.M.O. Caracterização química de frutos nativos do cerrado. Cienc. Rural vol.38 no.6 Santa Maria Sept. 2008.

SILVA, F.H.L.; FERNANDES, J.S.C.; ESTEVES, E.A.; TITON, M.; SANTANA, R.C. Populações, matrizes e idade da planta na expressão de variáveis físicas em frutos do pequizeiro. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, v.34, n.3, p.806-813, 2012.

SPIVEY, A.C.; WESTON, M.; WOODHEAD, S., Celastraceae sesquiterpenoids: biological activity and synthesis. Chem Soc Rev 31, 43-59, 2002.

THÉ, P.M.P. et al. Características físicas, físico-químicas, químicas e atividade enzimática de abacaxi cv. SMOOTH CAYENNE recém colhido. Rev. Alim. Nutr., Araraquara, v. 21, n. 2, p. 273-281, 2010.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n3-311

Refbacks

  • There are currently no refbacks.