Ator Espontâneo: Quem é / Spontaneous Actor: Who is

Paulo Sérgio de Brito

Abstract


O objetivo deste artigo é investigar a expressividade do corpo do ator espontâneo e sua possível importância para o teatro. Esta investigação se justifica especialmente pela relevância de seu objeto de estudo como uma atividade possível, que amplos setores da humanidade podem produzir e realizar essa linguagem teatral e as possibilidades expressivas por ele generados. Quando falamos do ator espontâneo, remetemo-nos a essa pessoa que pratica a arte da representação sem preocupar-se com conceitos teóricos e estéticos. Ele busca satisfazer seu desejo de expressar-se como ator, por meio de seu corpo. Apontamos essa manifestação como uma necessidade primordial de todo ser humano e situamos o corpo deste ator como fronteira do seu processo criativo. A partir do momento que ele estabelece seu físico como elemento criativo, traça ai uma relação direta e imediata com as outras formas artísticas. Esse ator usa seu corpo como meio de comunicação, assumindo um signo teatral. Percebemos em nossa investigação que em diversas apresentações, ele esquece a voz e dá margens ao corpo, como elemento maior da sua expressão. Do ponto de vista metodológico, o presente artigo adota para seu desenvolvimento, um procedimento principal de caráter indutivo que se serve de complementos analíticos tais como estudo bibliográfico, análises documentais, entrevistas e observaçoes de espetáculos.


Keywords


Teatro, social, Interpretação.

References


ASLAN, Odette. O ator no século XX. São Paulo: Perspectiva, 1994.

AZEVEDO, Sônia Machado de. O papel do corpo no corpo do ator. São Paulo: Editora Perspectiva S.A, 2002.

BOAL, Augusto. 200 Exercícios e jogos para o ator e o não ator com vontade de dizer algo através do teatro. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1982.

______. Teatro do Oprimido e outras poéticas políticas. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

BONFITTO, Matteo. O ator compositor. São Paulo: Perspectiva, 2006.

BORBA FILHO, Hermilo. História do teatro. Rio de Janeiro: Casa do Estudante do Brasil, 1950.

BORNHEIM, Gerd A. O sentido e a máscara. São Paulo: Perspectiva, 1992.

BRAIT, Beth. A personagem. São Paulo: Ática, 1990.

BRETON, David Le. Adeus ao corpo: antropologia e sociedade. Campinas: Papirus, 2003.

BUCHLOH, Benjamin. Formalismo e historicidad. Modelos e métotos en el arte del siglo XX, Madrid: Akal, 2004.

CHACRA, Sandra. Natureza e sentido da improvisação teatral. São Paulo: Perspectiva, 2010.

DECROUX, Etienne. Paroles sur le Mime. Paris: Librairie Théâtrale,1994.

DUVIGNAUD, Jean. Sociología del teatro. Ensayo sobre las sombras colectivas. México: Fondo de Cultura Económica, 1981.

ELIADE, Mircea. Lo sagrado y lo profano. Madrid: Ediciones Guadarrama S.A, 1988.

EVREINOFF, Nícolas. El teatro en la vida. Santiago de Chile: Ercilla, 1936.

FELDENKRAIS, Moshe. Consciência pelo movimento. São Paulo: Summus, 1977.

FERRACINI, Renato. A arte de não interpretar como poesia corpórea do ator. São Paulo: Ed. UNICAMP, 2003.

GLUSBERG, Jorge. A arte da performance. São Paulo: Perspectiva, 2003.

GREIMAS, A. J.; COURTÈS, Joseph. Dicionário de semiótica. São Paulo: Cultrix, 1979.

GROTOWSKI, Jerzy. Em busca de um teatro pobre. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1992.

______. Em busca de um teatro pobre. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1971.

JARMEY, Chris. Atlas conciso de los músculos. Badalona, Esp: Paidotribo, 2008.

KANTOR, Tadeusz. El Teatro de la Muerte. Buenos Aires: Ediciones de la Flor, 1984.

LABAN, Rudolf von. Domínio do movimento. São Paulo: Summus Editorial, 1978.

LANGER, Susanne K. Sentimento e forma. Trad. Ana M. Goldberger Coelho. São Paulo: Perspectiva, 1980.

LOBO, Leonora; NAVAS, C. Teatro do movimento: um método para um interprete criador. Brasília: LGE, 2003.

MEDINA, João Paulo Subirá. O brasileiro e seu corpo. São Paulo: Papirus, 2002.

MENDES, Cleise. Dramaturgia. Salvador: UFBA. Mimeo, [s/n]. [s/d].

MERLAEAU-PONTY, M. O visível e o invisível. São Paulo: Perspectiva, 2006.

MORENO, J. L. Teatro de la espontaneidad. México: Ed. Vancu C.A., 1977.

PAVIS, Patrice. Diccionario de teatro. Dramaturgia, estética, semiologia. Madrid: Ediciones Paidós Ibérica S.A., 1990.

______. Dicionário de teatro. São Paulo: Perspectiva, 2003.

RASCH, Philip J. Cinesiologia e anatomia aplicada. Rio de Janeiro: Guanabara, 2008.

SANTAELLA, Lúcia. Porque as comunicações e as artes estão convergindo? São Paulo: Paulus, 2005.

SPOLIN, Viola. Jogos teatrais na sala de aula: o livro do professor. Tradução de Ingrid Dormien Koudela. São Paulo: Perspectiva, 2003.

STANISLAVSKI, Constantin. A construção da personagem. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1982.

______. Criação de um papel. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1995.

______. A construção da personagem. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1996.

TALENS, Jenaro (Coord.). Elementos para una semiótica del texto artístico. Madrid: Ediciones Cátedra S.A., 1995.

TARGA, F. Jacintho. Princípio da educação físico-desportivo-recreativa para o ciclo fundamental. Revista Brasileira de Educação Física e Desportos, Brasília, ano 7, n. 28, p. 52-64, 1975.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n3-243

Refbacks

  • There are currently no refbacks.