O neoliberalismo e a mercantilização da educação / Neoliberalism and the marketing of education

Clayton de Almeida Corrêa, Raimundo Márcio Mota de Castro, Paulo Roberto Miranda Veras

Abstract


No presente trabalho, que se encontra respaldado nas obras de  Anderson (1995), Holanda (2002), Krein (2018), Machado Neto (2006), Manent (1990), Pinheiro e Guimarães (2018) entre outros, e como método de investigação, a pesquisa bibliográfica exploratória, buscou-se como intenção, examinar a relação entre o Neoliberalismo nessas primeiras décadas do século XXI e as consequências dele para com a Educação. O neoliberalismo é um fenômeno recente e ainda há muito o que se investigar e se compreender sobre suas formas, sua maneira de agir e seus objetivos. Há muito ainda também, o que se analisar como consequência dele para com a saúde, a economia, a tecnologia, a cultura e principalmente, por ser objeto deste estudo, para com a educação. As Políticas de Governo no Brasil semrpe se tornaram mais importantes que as Políticas de Estado e o que pode ser visto nesta segunda década desse século XXI é a implantação de mudanças empreendidas, baseadas nas  políticas neoliberais adotadas pelo mesmo, e sua conseqüente desqualificação da educação nacional. Com o objetivo de mercantilizar tudo o que for possível, o que se observa é que funções que deveria estar nas mãos do Estado é terceirizada, políticas de justa distribuição de renda e de melhora do bem estar do cidadão são abandonadas para que uma classe sempre detentora do poder possa perpetuar e com isso as consequências a população, aos professores e ao sistema educacional podem ser as mais desastrosas.  Através da análise de boas obras pesquisadas para a elaboração deste trabalho, pode-se verificar algumas dessas consequências para com a educação, em especial do ensino superior,  diz-se algumas pois, a cada dia nos deparamos com situações inusitadas e antes jamais imaginadas.


Keywords


Neoliberalismo, Educação, Mercantilização, Terceirização

References


ABBAGNANO, N. Dicionário de Filosofia. 2ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

ANDERSON, P. Balanço do neoliberalismo. In: SADER, E. (org.). Pós-neoliberalismo: as políticas sociais e o Estado democrático. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1995, p.9-38.

DUMÉNIL, G.; LÉVY, D. Neoliberalismo – neo-imperialismo. Economia e sociedade, Campinas, v. 16, n. 1 (29), p. 1-19, abr. 2007.

GUIA Quero Saber - Capitalismo e Socialismo 01: Os sistemas que dividiram o mundo. 1. ed. São Paulo: On Line, 2016.

HOBBES, T. Leviatã, ou Matéria, Forma e Poder de um Estado Eclesiástico e Civil. Trad. Alex Marins. São Paulo: Martin Claret, 2002.

HOLANDA, F. U. X. de. Do Liberalismo ao Neoliberalismo: o itinerário de uma cosmovisão impenitente. 2ª ed. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2001.

JORNAL REFLEXO. A reforma trabalhista pode afetar a educação. Disponível em: . Acesso em: 13 jan. 2019.

KREIN, J. D. O desmonte dos direitos, as novas configurações do trabalho e o esvaziamento da ação coletiva: consequências da reforma trabalhista. Tempo Social, revista de sociologia da USP, v. 30, n. 1, abril/2018 (p.77-104).

KROTH, V. W.; MARCHIORI NETO, D. L. Os "liberalismos" e suas ênfases: a legitimidade em Hobbes e Locke e a justiça em Rawls. 2012. Boletim Jurídico, Uberaba/MG, a. 13, no 1056. Disponível em: Acesso em: 12 jan. 2019.

LEME, A. A. Neoliberalismo, globalização e reformas do estado: reflexões acerca da temática. Barbaroi, Santa Cruz do Sul, n. 32, p. 114-138, jun. 2010. Disponível em . Acesso em: 12 jan. 2019.

LOCKE, J. Segundo Tratado Sobre o Governo. São Paulo: Martin Claret, 2005.

MACHADO NETO, F. E. M. Reflexões acerca do liberalismo em Locke e Rousseau. 2006. Disponível em: . Acesso em: 11 jan. 2019.

MANENT, P. História intelectual do liberalismo: dez lições. Rio de Janeiro: Imago, 1990.

NETO, J. F. S.; BERTOLIN, P. T. M. Direito do trabalho no brasil de 1930 a 1946.Volume 1. 1a ed. São Paulo: Atlas, 2015.

OS TRÊS Ds de Boaventura: Descolonizar, Desmercantilizar e Democratizar | Entrevista Completa. 2018. Disponível em: . Acesso em: 10 jan. 2019.

PAULA, M. de F. de. (1). A PERDA DA IDENTIDADE E DA AUTONOMIA DA UNIVERSIDADE BRASILEIRA NO CONTEXTO DO NEOLIBERALISMO. Avaliação - Revista Da Avaliação Da Educação Superior, 8(4). Recuperado de http://periodicos.uniso.br/ojs/index.php/avaliacao/article/view/1245 Acesso em: 14 jan. 2019.

PINHEIRO, V; GUIMARÃES, Ged. A educação na sociedade da mercadoria: militarização e terceirização das escolas públicas no estado de goiás. Revista Educação e Sociedade, Naviraí, v. 5, n. 9, p. 253-268, jan/jun. 2018. Disponível em: < http://www.seer.ufms.br/index.php/persdia/index>. Acesso em: 16 jan. 2019.

PRADO, C. Camilo Prado: O que são organizações sociais (OS)? [S. l.], 6 set. 2017. Disponível em: https://camiloprado.com/2017/09/06/o-que-sao-organizacoes-sociais-os/. Acesso em: 15 jan. 2019.

PRODANOV, C. C.; FREITAS, E. C. D. Metodologia do trabalho científico: Métodos e Técnicas da Pesquisa e do Trabalho Acadêmico. 2ª. ed. Novo Hamburgo: Universidade Freevale, 2013.

ROUSSEAU, J.-J. Do contrato social. São Paulo: Abril Cultural, 1978.

SGUISSARDI, V. Educação superior no Brasil é refém do mercado financeiro. [S. l.], 10 ago. 2015. Disponível em: http://adufes.org.br/portal/noticias/37-adufes/1043-educacao-superior-no-brasil-e-refem-do-mercado-financeiro.html. Acesso em: 14 jan. 2019.

SOUSA, R. G. Mundo Educação: Liberalismo. [20--]. Disponível em: . Acesso em: 11 jan. 2019.

SOUZA, A. H. Da educação mercadoria à certificação vazia. Le Monde Diplomatique Brasil. Disponível em: Acesso em: 14 jan. 2019.

STRATHERN, P. Uma breve história da economia. 1. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2003.

TEIXEIRA, F. C. O. Âmbito Jurídico: A pejotização como forma de burlar a legislação trabalhista. [201-]. Disponível em: . Acesso em: 13 jan. 2019.

TEIXEIRA, M. C. Tragédia do neoliberalismo. 2017. Disponível em: . Acesso em: 13 jan. 2018.

ZAMORA, F. Pragmatismo Político: Onda conservadora pode conquistar outros países do mundo em 2019. [S. l.], 19 dez 2018. Disponível em: https://www.pragmatismopolitico.com.br/2018/12/onda-conservadora-paises-mundo.html. Acesso em: 13 jan. 2019.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n3-225

Refbacks

  • There are currently no refbacks.