Boas combinações entre intimidade e economia: uma análise das profissionais do sexo / Good combinations between intimacy and economy: an analysis of sex workers

Cintia Sonale Rebonatto, Priscila Sardi Cerutti, Jandir Pauli

Abstract


Neste artigo discute-se a permeabilidade entre os tipos de relações que envolvem intimidade e troca econômica, no mercado do sexo. Para alcançar esse objetivo, analisou-se a percepção de seis profissionais do sexo para investigar como ocorrem os ajustes entre interesses econômicos e trocas afetivas nessa profissão. A pesquisa foi realizada no Brasil e contou com abordagem qualitativa, utilizando técnicas de entrevista semiestruturadas e observação não participante. Com base no referencial teórico de Viviana Zelizer, as informações coletadas foram categorizadas com base na análise de conteúdo. Os resultados da análise revelam que, para esses profissionais, as dimensões de economia e intimidade coexistem sem se oporem. Para tanto, as trabalhadoras do sexo desenvolvem um trabalho relacional que articula intimidade e transações econômicas de um ponto de vista complementar, voltado para o propósito de tornar essa relação social intensa e duradoura.


Keywords


Economia; intimidade; circuitos econômicos; boas combinações; profissionais do sexo.

References


Abramovay, R. (2004). Entre Deus e o Diabo: mercados e interação nas ciências humanas. Tempo Social, 16(2): 45-64.

Adelman, M. (2011). “Por amor ou por dinheiro? emoções, discursos, mercados. Contemporânea – Revista de Sociologia da UFSCar, 2, 117-138.

Agnoleti, M. (2014). A transmigração no espaço, no corpo e na subjetividade: deslocamentos de fronteiras na experiência de travestis paraibanas na Itália. 2014. 163 f. Tese (Doutorado em Sociologia). Programa de Pós-Graduação em Sociologia - Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa: UFPB.

Almeida, S., Dias, P., & Horta, L. (2012). Prostituição: Trabalho ou Problema Sócio Afetivo? Disponível em: . Acesso em: 08 jun. 2018.

Araújo, L. & Vaz, T. (2017). Sexo e afeto. Ponto Urbe, v. 21, 2017. Disponível em: . Acesso em: 09 nov. 2018.

Bardin, L. (2009). Análise de conteúdo (3.ed.). Portugal: Edições 70.

Becker, H. (1994). Problemas de inferência e prova na observação participante. In: H. Becker. Métodos de pesquisa em ciências sociais. São Paulo: Hucitec. p. 47-64.

Burbulhan, F., Guimarães, R., & Bruns, M. (2012). Dinheiro, afeto, sexualidade: a relação de prostitutas com seus clientes. Psicologia em Estudo, 17(4): 669-67717.

Carvalho, R. & Oliveira, J. (2018). Regulamentação da Prostituição no Brasil. Revista Jurídica Direito, Sociedade e Justiça, 6(1): 357-351.

Costa, D., Silva, E., & Nascimento, J. (2019). O trabalho das profissionais do sexo em Campina Grande: a batalha da vida. Disponível em: . Acesso em: 01 jul. 2017.

Creswell, J. & Creswell, D. (2017). Research design: Qualitative, quantitative, and mixed methods approaches. London: Sage publications.

Denzin, N., & Lincoln, Y. (2005). Handbook of qualitative research. Thousand Oaks: Sage.

Edwards, S. (1997). The legal regulation of prostitution: a human rights issue”. In: G. Scambler & G. Scambler. Rethinking prostitution: Purchasing Sex in the 1990s. London and New York: Routledge. p. 55-80.

Edwards, S. (1997). The legal regulation of prostitution: a human rights issue”. In: G. Scambler & G. Scambler. Rethinking prostitution: Purchasing Sex in the 1990s. London and New York: Routledge. p. 55-80.

Flick, U. (2009). Introdução à pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed.

França, M. (2017). Práticas e sentidos da aprendizagem na prostituição. Horizontes Antropológicos, 23(47): 325- 349.

FUMEC - Fundação Mineira de Educação e Cultura. Estatística. (2009). Disponível em . Acesso em: 09 nov. 2018.

Guimarães, K. & Merchán-Hamann, E. (2005). Comercializando fantasias: a representação social da prostituição, dilemas da profissão e a construção da cidadania. Estudos Feministas, Florianópolis, 13(3320): p.525-544.

Leite, G. (2009). Filha, mãe, avó e puta: a história de uma mulher que decidiu ser prostituta. Rio de Janeiro: Objetiva.

Lopes, C., Rabelo, I., & Pimenta, R. (2007). A bela adormecida: estudo com profissionais do sexo que atendem à classe média alta e alta na cidade de Goiânia. Psicologia e Sociedade,19(1): 69-76.

Marx, K. (2004). Manuscritos econômico-filosóficos. São Paulo: Boitempo.

Molina, A. & Kodato, S. (2005). Trajetória de vida e representações sociais acerca da prostituição juvenil segundo suas participantes”. Temas em Psicologia, 13(1): 09-17.

Nussbaum, M. (2012). Pela razão ou preconceito: ganhar dinheiro com o uso do corpo. Caderno Themis Gênero e Direitos sexuais. Porto Alegre: Themis. p. 13-55.

Olivar, J. (2014). Pesquisando prostituição e mercados do sexo: contribuições, debates e novos desdobramentos”. Revista Ártemis, 18(1): 3-12.

Padgett, D. (2016). Qualitative methods in social work research. London: Sage Publications.

Pelúcio, L. (2011). ‘Amores perros’ sexo, paixão e dinheiro na relação entre espanhóis e travestis brasileiras no mercado transnacional do sexo”. In: A. Piscitelli, J. Assis, G. Olivar, (Eds.), Gênero, sexo, amor e dinheiro: mobilidades transnacionais envolvendo o Brasil. Campinas: Núcleo de Estudos de Gênero – PAGU/Unicamp. p. 185-224.

Rodrigues Filho, L. (2014). Prostituição: um estudo sobre as dimensões de sofrimento psíquico entre as profissionais e seu trabalho. Revista Científica da UEM: Série Ciências da Educação, 1(1): 114-123.

Rodrigues, M. (2009). A prostituição no Brasil contemporâneo: um trabalho como outro qualquer?”. Revista Kátalysis, 12(1): 68-76.

Russo, G. (2007). No labirinto da prostituição: o dinheiro e seus aspectos simbólicos. Caderno CRH, 20(51): 497- 514.

Silva, K., Borges, G., Mafra, F., & Cappelle, M. (2013). Ser Prostituta: o Sentido do Trabalho Moralmente Inaceitável. Revista Gestão Organizacional, 11(2): 215-246.

Silva, K. & Cappelle, M. (2015). Sentidos do Trabalho Apreendidos por meio de Fatos Marcantes na Trajetória de Mulheres Prostitutas”. Revista de Administração Mackenzie, 16(6): 19-47.

Simmel, G. (2008). A Filosofia da Moeda e outros escritos. Lisboa: Texto & Grafia.

Soares, J., Santos, L., Cardoso, J., Neves, L., & Batista, E. (2015). Prostituição como profissão: uma análise sob a ótica das profissionais do sexo. Revista Saberes, 3(2): 63-75.

Souza, F. (2007). Saberes da vida na noite: percepções de mulheres que prestam serviços sexuais sobre o educar- se nas relações com seus clientes. 2007. 163 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) – Centro de Educação em Ciências Humanas, Universidade Federal de São Carlos, SP.

Teixeira, F. (2008). L’Italia dei Divieti: entre o sonho de ser européia e o babado da prostituição”. Cadernos Pagu, 31, 275-308.

Togni, P. (2014). A Europa é o CACÉM. Mobilidades, gênero e sexualidade nos deslocamentos de jovens brasileiros para Portugal. 2014. 187 f. Tese (Doutorado em Antropologia). Instituto Universitário de Lisboa. Programa de Pós-graduação em Antropologia Social. Lisboa: ICS, ISCTE.

Weber, M. (2002). Ensaios de Sociologia. Rio de Janeiro: LTC.

Zelizer, V. (1998). Beyond the Polemics on the Market: Establishing a Theoretical and Empirical Agenda”. Sociological Forum, 3(4): 614-634.

Zelizer, V. (2003). O significado social do dinheiro – Dinheiros especiais”. In: J. Peixoto & R. (Eds), Os trilhos da sociologia econômica. Portugal: Editora Celta. p. 125-165.

Zelizer, V. (2005). Intimité et économie. Terrain Anthropologie & sciences humaines, 45, 13-28. Zelizer, V. (2006). Money, power, and sex. Yale Journal of Law and Feminism, Princeton, 18(6) : 303-312.

Zelizer, V. (2008). Pasados y futuros de la sociología econômica”. Apuntes de Investigación del Argentina, 14, 95-112.

Zelizer, V. (2010). A economia do Care”. Civitas - Revista de Ciências Sociais, 10(3): 376-391. Zelizer, V. (2011). A negociação da intimidade. Coleção Sociologia. Rio de Janeiro: Vozes.

Zelizer, V. (2012). How I became a relational economic sociologist and what does that mean? Politics & Society, 40(2):145-174




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n3-208

Refbacks

  • There are currently no refbacks.