Solos, florística e fitossociologia em áreas de reserva sob vegetação de cerrado sentido restrito em propriedades rurais no município de Urutaí, GO / Soils, floristics and phytosociology in reserve areas under vegetation of cerrado restricted sense in rural properties in the city of Urutaí, GO

Jamerson Fábio Silva Filho, Maisa Souza Lemes, Marcus Vinicius Vieitas Ramos

Abstract


O objetivo deste trabalho foi caracterizar e comparar os solos, a composição florística e a estrutura de duas comunidades vegetais de Cerrado sentidas restrito localizadas em áreas de reserva em propriedades rurais de Urutaí, GO. Foram selecionadas duas áreas de reserva (R3 e R4), que apresentam a fitofisionomia de Cerrado sentido restrito. Os fragmentos da vegetação das áreas de reserva estão assentados sobre Latossolo, sendo R3 área mais protegida e R4 área com eventual pastejo. Amostras compostas da camada superficial (0 – 20cm) do solo foram coletadas para análises físicas e químicas. Para estudar a composição e a estrutura das comunidades de Cerrado sentido restrito foram alocadas 25 parcelas de 20m x 10m em cada reserva. Em cada parcela foram registrados todos os indivíduos arbóreo-arbustivos com diâmetro à 30 cm do nível do solo (DA30) maior ou igual à 5 cm. Os indivíduos registrados foram identificados em sua maioria no campo. Para os indivíduos não identificados no campo foram coletadas amostras de material botânico e herborizadas para posterior identificação. Foram determinados a  estrutura das comunidades e o índice de diversidade de Shannon (H’). Os solos são de textura argilosa. De forma geral a disponibilidade da maioria dos nutrientes é baixa. Na área da reserva R3 foram registradas 49 espécies, distribuídas em 25 famílias. Na área da reserva R4 foram registradas 37 espécies distribuídas em 20 famílias. Na área R3 o índice de diversidade de Shannon (H’) foi 3,070 nats.ind-1, já na área R4 o índice foi de 2,886 nats.ind-1. A menor riqueza e diversidade da área de reserva 4 provavelmente se deve à influência de fatores antrópicos, sendo nesta reserva verificado eventual pastejo por gado.

 

 


Keywords


estrutura; diversidade; fatores antrópicos.

References


AQUINO, F. de G.; OLIVEIRA, M. C. de. Reserva legal no bioma cerrado: uso e preservação. Planaltina DF: Embrapa Cerrados, 2006. 25p.

Eiten, G. 1972.The cerrado vegetation of Brazil. Botanical Review 38:201-341.

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. 1997.Manual de Métodos de análise de solo. 2 ed. Centro Nacional de Pesquisa de Solos. Rio de Janeiro, 212p.

Haridasan, M. Nutrição mineral de plantas nativas do cerrado. 2000. Fisiol. Veg.12 (1): 54-64.

Moro, M.F & Martins, F.R. 2011. Métodos de levantamento do componente arbóreo-arbustivo. In: Felfili, J.M.; Eisenlohr, P.V., Melo, M.M. da R.F. de, Andrade, L.A. de, Meira Neto, J.A.A. (Eds.), Fitossociologia no Brasil: Métodos e Estudos de Caso. Viçosa, Editora da Universidade Federal de Viçosa.

Müeller-Dombois, D. & Ellenberg H. 1974. Aims and methods of vegetation ecology. John Wiley and Sons, New York.

Rodrigues, R R Morellato, L P C Joly, C. A.; Leitão Filho, H F 1989. Estudo florístico e fitossociológico em um gradiente altitudinal de mata estacional mesófila semidecídua na Serra do Japi, Jundiaí, SP. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 12, p. 71-84.

Reatto, A Correia, J R C.; Spera, S T Martins, E. S. 2008. Solos do bioma Cerrado: aspectos pedológicos. In: Sano, S M Almeida, S. P.; Ribeiro, J. F. Cerrado: ecologia e flora. Brasília, DF.: Embrapa Informação Tecnológica.

Ribeiro, J F Wallter, B M T. 2008. As principais fitofisionomias do bioma Cerrado. In: Sano, S M Almeida, S P Ribeiro, J F. Cerrado: ecologia e flora. Brasília, DF.: Embrapa Informação Tecnológica.

Shepherd, G.J. 2006. FITOPAC 2. Manual do Usuário. Universidade Estadual de Campinas, Campinas.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n3-205

Refbacks

  • There are currently no refbacks.