Estado da arte da produção científica brasileira sobre o uso da ergonomia no estudo do trabalho docente: Uma revisão sistemática de literatura / State of the art of brazilian scientific production on the use of ergonomics in the teaching work study: A systematic literature review

Sibele Leandra Penna Silva, Amelia Carla Sobrinho Bifano

Abstract


O objetivo do presente estudo foi apresentar o estado da arte das produções científicas brasileiras sobre o estudo do trabalho docente sob a perspectiva ergonômica. É uma revisão sistemática de literatura no período de 1997-2018, que seguiu o Search Protocol. Utilizou-se as bases de dados CAPES, SciELO, BVS-LILACS, obtendo-se 50 artigos que compuseram o presente estudo. Do total de estudos, 76% foi qualitativo; 26% dos autores possui formação na área de educação; 84% foi realizado em instituições públicas de ensino. A análise de conteúdo permitiu a categorização das produções nas categorias Saúde e Trabalho Docente, Condições de Trabalho Docente e Políticas Públicas Educativas e Trabalho Docente. Os resultados apontam para significativo adoecimento e sofrimento docente, condições inadequadas de trabalho, intensificação e precarização do trabalho docente, prescrições e normas sem condições de execução. Concluiu-se pela importância da contribuição da ergonomia no estudo do trabalho e sugere-se novas pesquisas com tal perspectiva.


Keywords


Ergonomia; Trabalho Docente; Revisão Sistemática.

References


ALEXANDRE, A. A. et al. Análise das posturas de trabalho dos educadores de criança numa perspectiva ergonômica. Revista P&D em Engenharia de Produção, v. 7, n. 2, p. 39-50, 2009.

ALMEIDA, M. R.; NEVES, M. Y.; SANTOS, F. A. As condições e a organização do trabalho de professoras de escolas públicas. Revista Psicologia-Teoria e Prática, v. 12, n. 2, p. 35-50, 2010.

ALVES, W. F. A pesquisa sobre trabalho e saber docente no Brasil: Perspectivas metodológicas. Revista da FAEEBA, v. 19, n. 33, p. 229-239, 2010.

______. Gestão escolar e o trabalho dos educadores: Da estreiteza das políticas à complexidade do trabalho humano. Educação & Sociedade, v. 31, n. 110, p. 17-34, 2010.

______. Crítica à razão gestionária na educação: O ponto de vista do trabalho. Revista Brasileira de Educação, v. 19, n. 56, p. 37-59, 2014.

______. Avaliar e gerir: Força e miséria de um ideário presente nas políticas educacionais contemporâneas. Revista Brasileira de Educação, v. 21, n. 64, p. 189-207, 2016.

______. A invisibilidade do trabalho real: o trabalho docente e as contribuições da ergonomia da atividade. Revista Brasileira de Educação, n. 23, e230089, p. 1-19, 2018.

ARBEX, A. P. S.; SOUZA, K. R.; Mendonça, A. L. O. Trabalho docente, readaptação e saúde: A experiência dos professores de uma universidade pública. Physis: Revista de Saúde Coletiva, v. 23, n. 1, p. 263-284, 2013.

ASSUNÇÃO, A. A.; OLIVEIRA, D. A. Intensificação do trabalho e saúde dos professores. Educação & Sociedade, v. 30, n. 107, p. 349-372, 2009.

ATO, M.; LÓPEZ, J. J.; BENAVENTE, A. Un sistema de clasificación de los diseños de investigación en psicología Anales de Psicología, v. 29, n. 3, p. 1038-1059, outubro/2013.

BARROS, M. E. et al. Saúde e trabalho docente: A escola como produtora de novas formas de vida Trabalho, Educação e Saúde. v. 5, n. 1, p. 103-124, 2007.

BERNARDES, A. P.; PARISE, P. S. O direito à saúde no trabalho: Ergonomia e a análise dos níveis de satisfação dos docentes e funcionários administrativos da faculdade de direito da universidade de Rio Verde. Revista Jurídica Eletrônica, v. 1, n. 6, p. 21-31, 2012.

BESSA, L. P.; SILVA, T. M. da; MORAES, R. M. A. de. O ensino como trabalho: um novo olhar para atividade do professor. Linguagem em foco, v. 10, n. 1, p. 93-104, 2018.

BRITO, J.; ATHAYDE, M. Trabalho, educação e saúde: O ponto de vista enigmático da atividade. Trabalho, Educação e Saúde, v. 1, n. 2, p. 239-265, 2003.

BUENO, L.; MACHADO, A. R. A prescrição da produção textual do aluno: orientação para o trabalho de aluno ou restrição do seu agir? Scripta, v. 15, n. 28, p. 303-319, 2011.

CARVALHO, A. J. F. P.; ALEXANDRE, N. M. C. Sintomas osteomusculares em professores do Ensino Fundamental. Brazilian Journal of Physical Therapy, v. 10, n. 1, p. 35-41, 2006.

CARVALHO, A. P. D.; OLIVEIRA, R. S. Faculdade de Direito de Garanhus - FDG: estudo da aplicação dos parâmetros normativos ergonômicos na melhoria das condições físicas e ambientais de uma instituição de ensino superior. RIDB - Revista do Instituto do Direito Brasileiro, v. 2, n. 13, p. 14791-14812, 2013.

CUNHA, D. M.; ALVES, W. F. Da atividade humana entre Paideia e Politeia: Saberes, valores e trabalho docente. Educação em Revista, v. 28, n. 2, p. 17-34, 2012.

DANIELLOU, F. Questões epistemológicas acerca da ergonomia. In: DANIELLOU, F. (organizador). A ergonomia em busca de seus princípios: Debates epistemológicos. São Paulo: Edgar Clucher, 2004, p. 29-55.

DAVIS, C.; Aguiar, W. M. J. Atividade docente: Transformações do professor na perspectiva da psicologia sócio-histórica. Psicologia Escolar e Educacional, v. 14, n. 2, p. 233-244, 2010.

GOMES, Luciana; BRITO, Jussara. Desafios e possibilidades ao trabalho docente e à sua relação com a saúde. Estudos e Pesquisas em Psicologia, v. 6, n. 1, p. 49-62, 2006.

GONÇALVES, G. B. B. Uso profissional da voz em sala de aula e organização do trabalho docente. Trabalho e Educação, v. 13, n. 2, p. 205-206, 2004.

GUÉRIN, F. et al. Compreender o trabalho para transformá-lo: A prática da ergonomia. São Paulo: Edgard Blücher, 2001.

LAKATOS, E. M. A.; MARCONI, M. A. Metodologia científica. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2011.

LEVY, G. C. T. M.; NUNES SOBRINHO, F. P.; SOUZA, C. A. A. Síndrome de Burnout em professores da rede pública. Production, v. 19, n. 3, p. 458-465, 2009.

MACHADO, A. R.; ABREU-TARDELLI, L. S. Textos Prescritivos da Educação Presencial. Signum: Estudos e Linguagem, v. 8, n. 1, p. 11-24, 2005.

MACHADO, R. M.; LOUSADA, E. G. As pesquisas do grupo ALTER-LAEL para a análise do trabalho educacional. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, v. 16, n. especial 1, p. 35-46, 2013.

MINAYO, M. C. S. Ciência, técnica e arte: O desafio da pesquisa social. In: MINAYO, M. C. S. (org.). Pesquisa social: Teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 2001, p. 7-79.

MINAYO-GOMEZ, C.; BARROS, M. E. B. Saúde, trabalho e processos de subjetivação nas escolas. Psicologia: Reflexão e Crítica, v. 15, n. 3, p. 649-663, 2002.

MOTA, I. L. et al. Sintomas osteomusculares de servidores de uma universidade pública brasileira: Um estudo ergonômico. Revista Brasileira em Promoção da Saúde, v. 27, n. 3, p. 341-348, 2014.

NASCIMENTO, E. L. A.; VIEIRA, S. B.; ARAÚJO, A. J. S. Desafios da gestão coletiva da atividade na docência universitária. Psicologia: Ciência e Profissão, v. 32, n. 4, p. 840-855, 2012.

NECKEL, F.; FERRETO, L. E. Avaliação do ambiente de trabalho dos docentes da Unioeste Campus de Francisco Beltrão - PR. Revista Faz Ciência, v. 8, n. 1, p. 183-204, 2006.

NEVES, M. Y. R.; SILVA, E. S. A dor e a delícia de ser (estar) professora: Trabalho docente e saúde mental. Estudos e pesquisas em psicologia, v. 6, n. 1, p. 63-75, 2006.

NOGUEIRA, A. L. H. Concepções de "trabalho docente": As condições concretas e os discursos das prescrições oficiais. Educação & Sociedade, v. 33, n. 121, p. 1237-1254, 2012.

NOGUEIRA, A. L. H.; CATANANTE, I. T. Trabalho docente e desenvolvimento das atividades simbólicas: considerações para o ensino fundamental de nove anos. Educação e Pesquisa, v. 37, n. 1, p. 175-190, 2011.

NORONHA, M. M. B.; ASSUNÇÃO, A. A.; OLIVEIRA, D. A. O sofrimento no trabalho docente: o caso das professoras da rede pública de Montes Claros, Minas Gerais. Trabalho, Educação e Saúde, v. 6, n. 1, p. 65-86, 2008.

OLIVEIRA, S. M. Um estudo sobre o trabalho de elaboração de parecer do professor de pós-graduação. DELTA: Documentação e Estudos em Linguística Teórica e Aplicada, v. 26, n. 2, p.289-317, 2010.

RAMOS, M. A. B. R.; SILVA, C. R. A linguagem construindo/constituindo/consolidando o trabalho docente: O que revelam os modos de dizer sobre o agir do professor? Signótica, v. 28, n. 2, p. 233-256, 2016.

ROCHA, L.; CASAROTTO, R. A.; SZNELWAR, L. Uso de computador e ergonomia: Um estudo sobre as escolas de ensino fundamental e médio de São Paulo. Educação e Pesquisa, v. 29, n. 1, p. 79-87, 2003.

SAMPAIO, R. F; MANCINI, M. C. Estudos de revisão sistemática: um guia para síntese criteriosa da evidência científica. Revista Brasileira de Fisioterapia. São Carlos, v. 11, n. 1, p. 83-89, fevereiro/2007.

SANCHEZ, C. M. V.; CASAROTTO, R. A. Há uma zona de conforto ideal para escrever na lousa que previna a dor no ombro de professores? Revista de Terapia Ocupacional da USP, v. 25, n. 3, p. 299-308, 2014.

SANCHEZ, H. M. et al. Incidência de dor musculoesquelética. Revista Brasileira de Medicina do Trabalho, v. 11, n. 2, 66-75, 2013.

SARMET, M. M.; ABRAHÃO, J. I. O tutor em educação a distância: Análise ergonômica das interfaces mediadoras. Educação em Revista, v. 46, p. 109-141, 2007.

SAUR-AMARAL, I. Revisão sistemática da literatura. Bubook: Lisboa, 2010.

SILVA, E. F. B. et al. A promoção da saúde a partir das situações de trabalho: Considerações referenciadas em uma experiência com trabalhadores de escolas públicas. Interface-Comunicação, Saúde, Educação, v. 13, n. 30, p. 107-119, 2009.

STRIQUER, M. S. D. O trabalho docente na perspectiva do interacionismo sociodiscursivo. Revista Tabuleiro das Letras, v. 12, n. 1, p. 240-252, jun/2018.

TEIXEIRA, C. S.; FOSCHI, R. R.; PEREIRA, É. F. O trabalho na educação infantil: um enfoque ergonômico. Iberoamerican Journal of Industrial Engineering, v. 7, n. 13, p. 143-161, 2015.

THERRIEN, J.; LOIOLA, F. A. Experiência e competência no ensino: Pistas de reflexões sobre a natureza do saber-ensinar na perspectiva da ergonomia do trabalho docente. Educação & Sociedade, v. 22, n. 74, p. 143-160, 2001.

VEDOVATO, T. G.; MONTEIRO, M. I. Perfil sociodemográfico e condições de saúde e trabalho dos professores de nove escolas estaduais paulistas. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v. 42, n. 2, p. 291-297, 2008.

VIANELLO, L.; ASSUNÇÃO, A. A.; GAMA, A. C. Estratégias implementadas para enfrentar as exigências vocais da sala de aula: O caso das professoras readaptadas por disfonia. Distúrbios da Comunicação, v. 20, n. 2, p. 163-170, 2008.

YIN, R. K. Estudo de caso: Planejamento e métodos. Tradução de D. Grassi. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n3-136

Refbacks

  • There are currently no refbacks.