O Piauí como coadjuvante da leishmaniose Visceral brasileira / Piaui as an adjunct of brazilian Visceral Leishmaniasis

Jossuely Rocha Mendes, Aurister da Silva Lopes, Marallyne Sebastiana Carvalho de Sousa, Manoel de Jesus Marques da Silva, Poliana Brito de Sousa, Narcizo de Souza Chagas, Marcelo Cardoso da Silva Ventura, Darlane Freitas Morais da Silva, Jacenir Reis dos Santos Mallet, Maurício Luiz Vilela, Jurecir da Silva

Abstract


Introdução: A Leishmaniose visceral (LV), é uma doença emergente e em expansão geográfica no Brasil, podendo evoluir para óbito em 90% dos casos quando não tratada. O crescimento heterogêneo na periferia dos municípios brasileiros tem ocasionado a urbanização da doença, resultando em desafios no seu controle. No estado do Piauí, a doença ainda tem sua descoberta considerada recente, porém apresenta surtos em grande parte do estado há cerca de 40 anos. Objetivo: Comparar os casos de Leishmaniose Visceral (LV) no estado do Piauí com os brasileiros, notificados, bem como suas incidências, para determinar se o estado em estudo é um coadjuvante importante para o controle da patologia, tendo como indicador a ocorrência de casos humanos. Métodos: Um estudo de caráter retrospectivo, de base populacional, utilizando dados secundários de casos autóctones de LV ocorridos entre os anos de 2013 a 2018 no Piauí e no Brasil, registrados no Sistema de Informações de Agravos de Notificação (SINAN) associado a informações contidas na plataforma de Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IGBE). Resultados: Nos anos de 2013 a 2018 foram notificados 22525 casos de LV no Brasil, sendo 1359 casos ocorridos no Piauí, com a maior prevalência em ambos do sexo masculino (>65%), e em relação a idade os casos foram notificados em todas idades, com destaque as faixas etárias de 1 a 4 anos. Analisou-se também dados relacionados a coinfecção HIV-LV registrados no Brasil (2063), destes 126 casos ocorreram no Piauí, sendo 109 no sexo masculino e 17 no feminino. Conclusão: O estado Piauiense abrangeu um percentual alto em relação ao país (Brasil), principalmente no que refere a número de óbitos e aos de evolução desconhecida. Necessitando de maior atenção para o controle epidemiológico da doença.

 


Keywords


Leishmaniose Visceral, Piauí, Brasil.

References


ABRANTES, T.R. et al. Fatores ambientais associados à ocorrência de leishmaniose visceral canina em uma área de recente introdução da doença no Estado do Rio de Janeiro, Brasil. Caderno Saúde Pública, 2018; 34(1): 1-12

LIMA, U.R.S. Aspectos gerais da coinfecção leishmaniose Visceral/HIV, no Maranhão. Dissertação (Pós-graduação em Ciências da Saúde). Universidade Federal do Maranhão, 2018. Disponível em: https://tedebc.ufma.br/jspui/handle/tede/tede/2648

SANTOS, G.C, et al. Perfil epidemiológico de pessoas vivendo com HIV/AIDS em um município no interior do estado do Espírito Santo, Brasil. Revista Brasileira de Pesquisa em Saúde/BrazilianJournalof Health Research, 2019; 21(1): 86-94.

COSTA, C.H; PEREIRA, H.F; ARAÚJO, M.V.. Epidemia de leishmaniose visceral no Estado do Piauí, Brasil, 1980-1986. Revista de Saúde Pública, 1990; 24: 361-72.

SILVA, P.L.N. et al. Epidemiologia da leishmaniose visceral em crianças no município de Montes Claros, Minas Gerais, Brasil. Revista Cubana de Enfermería, 2017; 33(4). (Não encontrei o número de páginas dessa referência).

SOUSA, R.L.T; NUNES, M.I; FREIRE, S.M. Perfil epidemiológico de pacientes com leishmaniose visceral notificados em hospital de referência em Teresina–PI. Revista Interdisciplinar de Estudos em Saúde, 2019; 8(1): 126-135.

SANTOS, G.M. et al. Aspectos epidemiológicos e clínicos da leishmaniose visceral no estado do Piauí, Brasil. Ciência & Desenvolvimento-Revista Eletrônica da FAINOR, 2017; 10(2). p.142-153.

FONTOURA, I.G; MORAIS, V.F; NASCIMENTO, L.F.C. Análise espacial da ocorrência de leishmaniose visceral no estado do Tocantins, Brasil. Ambiente & Água-An Interdisciplinary Journal of Applied Science, 2016; 11: 1088-1095.

OMS. Organização Mundial de Saúde.Weekly epidemiological record: Global leishmaniasis update, 2006-2015: a tuming in leishmaniasis surveillance. 2017; 38(92): 557-572. Disponível em: http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/258973/1/WER9238.pdf.

MENEZES, E.G. et al. Fatores associados à não adesão dos antirretrovirais em portadores de HIV/AIDS. Acta Paulista de Enfermagem, 2018; 31(3): 299-304.

NETO, V.L.S. et al. Perfil Diagnóstico de Enfermagem para Pessoas com Leishmaniose. Revista de Enfermagem do Centro-Oeste Mineiro, 2017; 7 (1381): 1-6.

PEREIRA, M.D; LOPES, J.D; NEVES, M.G.C. et al. Leishmaniose Visceral em criança: um relato de caso sobre a recidiva da doença. Comunicação em Ciências da Saúde, 2015; 26(03/04): 145-150.

PIRES, B.S; BRAGA, G.T.S; SILVA,P.R. et al. Medicina veterinária fatores epidemiológicos da leishmaniose visceral humana no brasil, 2008-2015. Simpósio de TCC e Seminário de IC, 2016; 2: 1955-65. Disponível em: http://nippromove.hospedagemdesites.ws/anais_simposio/arquivos_up/documentos/artigos/953a70a75e36ab1e279a25f60886e299.pdf

SOUSA-GOMES, M.L, et al. Coinfecção Leishmania-HIV no Brasil: aspectos epidemiológicos, clínicos e laboratoriais. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 2011; 20(4): 519-526.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n3-114

Refbacks

  • There are currently no refbacks.