Análise do concreto armado em relação à agressividade em ambiente marinho: Estudo comportamental quanto à influência de cloretos da água do mar / Analysis of the reinforced concrete regarding the aggressiveness under marine environment: Behavioral study regarding the influence of the chlorides from the seawater

Rafael Feres Moreira Lima, Danielle Cristina dos Santos Lisboa, Lucas Nadler Rocha, Alberto Nunes Rangel, Claudemir Gomes de Santana, Renata Medeiros Lobo Muller

Abstract


As estruturas de concreto armado localizadas em zonas litorâneas apresentam alto índice de agressividade, gerados pela penetração de agentes químicos. Um destes agentes causadores da degradação das estruturas são os íons de cloretos, eles influenciam diretamente na vida útil do concreto. Com base nisso o objetivo desse estudo foi avaliar o comportamento do concreto armado em diferentes cenários de agressividade utilizando o teste acelerado de envelhecimento da estrutura em contato com a água do mar por um período de 90 dias. Foram preparados 48 corpos de prova e esses foram submetidos a três situações experimentais: imerso durante todo período experimental em água do mar, submersos durante apenas alguns períodos do dia, conforme o ciclo maré e o terceiro cenário controlado em laboratório. Durante os testes acelerados realizaram-se rompimento à flexão dos corpos de prova prismáticos, também foram realizadas as análises de: cloretos, condutividade, sólidos totais dissolvidos e salinidade. Após a realização dos testes foram identificados os efeitos dos cloretos no concreto armado e verificou-se o fenômeno da eflorescência com 45 dias de experimento, no caso em que os corpos de prova ficaram totalmente submersos na água do mar durante o período experimental, os mesmos apresentaram menor resistência e maior número de patologias.


Keywords


Concreto. Corrosão, Íons de Cloreto.

References


APHA. American Public Health Association. Standard methods for the examination ofwater and watwater, 21st ed.Washington, 2005.

ALMEIDA, W.R.F; SOUZA, F.M. Análise Físico-Química da Qualidade da Água do Rio Pardo no Município de Cândido Sales. Revista de Multidisciplinar e de Psicologia, v.13, n.43, p.353, 2019.

AMERICAN CONCRETE INSTITUTE. ACI Committee 222: Corrosion of Metals in Concrete, 1997.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 12142: Concreto- Determinação da resistência á tração na flexão de corpos de prova prismáticos. Rio de Janeiro, 2010.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 5738: Concreto- Procedimento para moldagem e cura de corpos de prova. Rio de Janeiro, 2015.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6118: Projeto de estruturas de concreto protendido. Rio de Janeiro, 2014.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 9479: Argamassas e concretos- câmaras úmidas e tanques para a cura de corpos de prova . Rio de Janeiro, 2006.

BARBOSA, F. R.; CARVALHO, J.R.; COSTA e SILVA, A.J.; FRANCO, A.P.G.; MOTA,J.M.F.Corrosão de armadura em estruturas de concreto armado devido ao ataque de íons cloreto. 54º Congresso Brasileiro do Concreto. Maceió, 2012.

CASCUDO,O.Inspeção e diagnóstico de estruturas de concreto com problemas de corrosão da armadura.In: ISAÍA, GC.(ed), Concreto: Ensino, pesquisa e realizações – São Paulo: IMBRACON, 2005.

DANDOLINE, Marlene. Marés. Planetário da Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 2000. Disponível em: https://planetario.ufsc.br/mares/. Acesso em: 13 de nov 2019.

FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE-FUNASA. Manual prático de análise de água. Brasília: Coordenação de comunicação social. 2013. p. 142.

GEHAKA. A medida de Ph e condutividade. 2013. Disponível em: https://www.gehaka.com.br/downloads/apresentacao_sanepar.pdf. Acesso em: 13 de nov 2019.

GENTIL, Vicente. Corrosão. 6ª Edição Reimpresso. Rio de Janeiro: LTC, 2012, p. 360.

MARTINS, M. R. Analise exergética de trocadores de calor aplicados em destilador de água do mar. Trabalho de conclusão de curso, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2014.

MENEZES, R. R.; H. S. Ferreira; G. A. Neves; H. C. Ferreira. Sais solúveis e eflorescência em blocos cerâmicos e outros materiais de construção – revisão. Revista cerâmica v.52 n.321, p.37-47, 2006.

NEIVA. Ziany. Condutividade elétrica aparente e sua correlação com o pH em solos no cerrado de Goiás. Agricultura de precisão: um novo olhar, p. 162 a 167, 2011.

OLIVEIRA, D.F; SANTOS, V.F; LIRA, H.L; MELO, A.B; NEVES, G.A. Durabilidade de compósitos de concreto de cimento Portland produzidos com agregados reciclados da construção civil. Revista Eletrônica de Materiais e Processos, v.1, n.2, p.30-36, 2006.

ROCHA. Ivan. Corrosão em estruturas de concreto armado. Revista Especialize On-line IPOG, v. 1, n.10, p 1-26, 2015.

SANTOS. Ana Paula. Análise de íons de cloreto e sua influência no processo de envelhecimento de estruturas de concreto. 2014. 75 f. Trabalho de conclusão de curso – Unidade de Ensino Superior Dom Bosco – UNDB. São Luís. 2014.

LAtivador Químico Submetidos a diferentes Períodos de cura. 2005. p. 155. Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil. Universidade Federal de Santa Maria. Santa Maria. 2005.

COELHO, A.L. Método de previsão de maré oceânica, utilizando análise harmônica em séries de 18,69 anos. Dissertação de mestrado, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2016.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n3-081

Refbacks

  • There are currently no refbacks.