Como pais e mães têm dividido a tarefa de cuidar de filhos em Cuiabá-MT / How parents have shared the task of raising their children in Cuiabá-MT

André Luís Ribeiro Lacerda

Abstract


A análise sociológica contemporânea defende que tendências demográficas pós anos oitenta indicam transformações significativas na estrutura da família nuclear como decorrência de processos de modernização social em países como Estados Unidos e Brasil. Inspirado no consenso que emerge do corpo de estudos da sociologia da família contemporânea, esse trabalho defende a hipótese geral de que após quase seis décadas de aumento no nível de emprego das mulheres que são mães, não houve mudanças significativas no sentido de uma distribuição mais equitativa no tempo para cuidar de filhos entre pais e mães. Dados secundários extraídos da Estatística do Registro Civil (IBGE) sobre responsáveis pela guarda de filhos em situações de separações judiciais e divórcios em Cuiabá, entre 1984 e 2013, sustentam a hipótese geral. A classificação dos dados nas quatro categorias - marido, mulher, ambos e outros - indicou números inexpressivos para as categorias ambos e outros e números pouco significativos para a categoria marido. A flutuação do número de pais e mães responsáveis pela guarda dos filhos não apresenta mudanças significativas em suas dinâmicas nas duas situações, separações judiciais e divórcio, ou seja, parece que a função social de cuidar de filhos continua sendo uma tarefa basicamente materna.

Keywords


Cuidar de filhos. Família nuclear. Divisão sexual do trabalho.

References


Alcock, J. The Triumph of Sociobiology. Oxford/New York: Oxford University Press, 2001.

Alexander, R. The Biology of Moral Systems. New York: Aldine de Gruyter, 1987.

Barkow, J & Cosmides, L. & Tooby, J. The Adapted Mind: Evolutionary Psychology and the Generation of Culture. New York: Oxford University Press, 1992.

Boudon, R. & Bourricaud, F. Dicionário Crítico de Sociologia. São Paulo: Editora Ática, 1993.

Bryman, A. Social Research Methods. New York: Oxford University Press, 2016.

Buss, D.M. Evolutionary Psychology: the new science of the mind. Boston: Allyn and Bacon, 1999.

Casper, L.M. & Bianchi, S.M. Continuity & Change in the American Family. London: Sage Publications, 2002.

Craig, L. Contemporary Motherhood – The Impact of children on adult time. London and New York: Routledge, 2016.

Craig, L. & Mullan, K. How mothers and fathers share childcare: a cross-national time-use comparison. American Sociological Review, 76(6), 2011. p. 834-861.

Davis, K & Van Den Oever, P. Demographic foundations of new sex role. Population and Development Review, 8, N.3, September 1982.

Fundação Getúlio Vargas. Dicionário de Ciências Sociais, Instituto de Documentação; Benedito Silva, Coordenador Geral; Antônio Garcia de Miranda Netto et al, Rio de Janeiro: Editora da Fundação Getúlio Vargas, 1986.

D’onofrio, B.M. & Lahey, B.B. Biosocial influences on the family: A decade review. Journal of Marriage and Family, 72, June: 762-782, 2010.

Emlen, S. T. The Evolutionary study of human family systems. Social Science Information, 36, 563-589, 1997.

Emlen, S.T. Evolution and stepfamilies: An Interview with Dr. Stephen T. Emlen, by David M. Kaplan and Molly L. Van Duser. The Family Journal, 7, 408, 1999.

Giddens, A. Sociologia, Porto Alegre: Artmed, 2005.

Goode, W. J. Revolução Mundial e Padrões de Família, São Paulo: Editora Nacional e Editora da USP, 1969.

Goode, W. J. A Família, São Paulo: Livraria Pioneira Editora, 1970

Ibge. Estatísticas do Registro Civil, Rio de Janeiro: IBGE, 1986.

Ibge. Estatísticas do Registro Civil, Rio de Janeiro: IBGE, 1987.

Ibge. Estatísticas do Registro civil, Rio de Janeiro: IBGE, 1988.

Ibge. Estatísticas do Registro Civil, Rio de Janeiro: IBGE, 1989.

Ibge. Estatísticas do Registro Civil, Rio de Janeiro: IBGE, 1990.

Ibge. Estatísticas do Registro Civil, Rio de Janeiro: IBGE, 1991.

Ibge. Estatísticas do Registro Civil, Rio de Janeiro: IBGE, 1992.

Ibge. Estatísticas do Registro Civil, Rio de Janeiro: IBGE, 1993.

Ibge. Estatísticas do Registro Civil, Rio de Janeiro: IBGE, 1994.

Ibge. Estatísticas do Registro Civil, Rio de Janeiro: IBGE, 1995.

Ibge. Estatísticas do Registro Civil, Rio de Janeiro: IBGE, 1996.

Ibge. Estatísticas do Registro Civil, Rio de Janeiro: IBGE, 1997.

Ibge. Estatísticas do Registro Civil, Rio de Janeiro: IBGE, 1998.

Ibge. Estatísticas do Registro Civil, Rio de Janeiro: IBGE, 1999.

Ibge. Estatísticas do Registro Civil, Rio de Janeiro: IBGE, 2000.

Ibge. Estatísticas do Registro Civil, Rio de Janeiro: IBGE, 2001.

Ibge. Estatísticas do Registro Civil, Rio de Janeiro: IBGE, 2002

Ibge. Estatísticas do Registro Civil, Rio de Janeiro: IBGE, 2003.

Ibge. Estatísticas do Registro Civil, Rio de Janeiro: IBGE, 2004.

Ibge. Estatísticas do Registro Civil, Rio de Janeiro: IBGE, 2005.

Ibge. Estatísticas do Registro Civil, Rio de Janeiro: IBGE, 2006.

Ibge. Estatísticas do Registro Civil, Rio de Janeiro: IBGE, 2007.

Ibge. Estatísticas do Registro Civil, Rio de Janeiro: IBGE, 2008.

Ibge. Estatísticas do Registro Civil, Rio de Janeiro: IBGE, 2009.

Ibge. Estatísticas do Registro Civil, Rio de Janeiro: IBGE, 2010.

Ibge. Estatísticas do Registro Civil, Rio de Janeiro: IBGE, 2011.

Ibge. Estatísticas do Registro Civil, Rio de Janeiro: IBGE, 2012.

Ibge. Estatísticas do Registro Civil, Rio de Janeiro: IBGE, 2013.

Kerlinger, F. Metodologia da Pesquisa em Ciências Sociais, São Paulo: EPU, 1980.

Lopreato, J.& Yu, Mei-Yu Human Fertility and Fitness Optimization, Ethology and Sociobiology , 1988, 9:269-289.

Lopreato, J. & Crippen, T. Crisis in Sociology, New Brunswick (USA): Transaction Publishers, 1999.

Parsons, T. & Bales, R.F. Family: Socialization and Interaction Process, London: Routledge and Kegan Paul, 1956.

Pinker, S. Tábula Rasa, São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

Ramos, D.P. Pesquisas de uso do tempo: um instrumento para aferir desigualdades de gênero. Estudos Feministas. Florianópolis, 17(3): 32, setembro-dezembro de 2009.

Rosenberger, M. A Lógica da Análise e do Levantamento de Dados, São Paulo: Cultrix/Edusp, 1976.

Rossi, A. (1984). Gender and Parenthood, American Sociological Review, v.49 (February: 1-19).

Silva, N. V. (1990). Introdução à Análise de Dados Qualitativos, São Paulo: Revista dos Tribunais/Vértice Universitária.

Schoeber, P.S. (2014). – From Partners to Parents: the gender division of domestic work, parenthood and relationship quality of British Couples, A thesis submitted to the Department of Social Policy of The London School of Economics for The Degree of Doctor of Social Policy, London, April 2009. Published by ProQuest, LLC.

Symons, D. (1979). The Evolution of Human Sexuality, New York: Oxford University Press.

Therborn, G. (2006). Sexo e Poder – A Família no Mundo 1900-2000, São Paulo: Editora Contexto.

Turke, P. W. (1989). Evolution and the demand for children. Population and Development Review 15, N.1, March.

Turner, J. (2000). Sociologia – conceitos e aplicações. São Paulo: Makron Books.

Van Den Berghe, P.L. (1979). Human Family Systems – An Evolutionary View, New York: Elsevier North Holland.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n3-061

Refbacks

  • There are currently no refbacks.