Organização e práticas de economia solidária com agricultores familiares: o caso do instituto chão / Instituto chão: solidary economy organization and practices with family farmers: the case of the chão institute

Eduardo Figueiredo, Adriana Estela Sanjuan Montebello, Luiz Antônio Cabello Norder

Abstract


O presente trabalho tem como objetivo discutir aspectos da economia solidária, desenvolvimento rural, comércio justo e canais de comercialização por meio de um de caso: o Instituto Chão, sediado em São Paulo. Trata-se de uma feira livre que organiza modelos de geração de renda e distribuição de alimento para consumo mais consciente. A pesquisa considera a pergunta de que o Instituto Chão e agricultores familiares promovem uma diversificação produtiva e uma melhoria de renda no processo de compra e venda de produtos agrícolas com a definição do valor pelo próprio agricultor. Foi realizada uma revisão de literatura, aplicação de dois questionários semiestruturados e elaboração de um grafo. Os resultados destacam a importância da criação de uma rede comercial, além da compra de determinado produto (arroz) do MST, que sustenta toda uma cadeia produtiva, o fortalecimento de relações de trabalho mais justas e a operacionalização dos sistemas de comercialização solidária. Esse processo maximiza a formação da rede produtiva que remunera os agricultores familiares permitindo sua sustentabilidade produtiva e econômica. Verificou-se um incentivo à diversificação produtiva, melhores condições de trabalho, ampliação do equilíbrio ambiental e maior autonomia econômica do produtor rural.


Keywords


Desenvolvimento Rural; Agroecologia; Economia Solidária; Comércio Justo e Solidário; Canais de Comercialização.

References


ALTIERI, M. A agroecologia, agricultura camponesa e soberania alimentar. Revista Nera.(16): 22-32, 2010.

ALTIERI, M. A. Agroecologia: a dinâmica produtiva da agricultura sustentável. 3a ed. Porto Alegre: Ed. UFRGS; 2001.

ABRAMOVAY, R. Paradigmas do capitalismo agrário em questão. São Paulo: Hucitec, 1992.

ABRAMOVAY, Ricardo. Do setor ao território: funções e medidas da ruralidade no desenvolvimento contemporâneo. Rio de Janeiro. Texto para Discussão do IPEA, n°702, 2000

ABRAMOVAY, R. O futuro das regiões rurais. 2. ed. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009.

ALVES, M, O. Instituto Chão: Modelo de Negócio Sustentável e Percepção do Consumidor. 16º Congresso Nacional de Iniciação Científica. ConicSemesp, 2016.

ASSOCIADO. Entrevista 1 [maio.2019]. Entrevistador: Eduardo Figueiredo. São Paulo, 2019. 1 arquivo. Mp3 (60 minutos)

BAGNASCO, Arnaldo. A teoria do desenvolvimento e o caso italiano. In ARBIX, Glauco; ZILBOVICIUS, Mauro e ABRAMOVAY, Ricardo (Orgs.). Razões e ficções do desenvolvimento. São Paulo: Editora UNESP; Edusp, 2001. 374 p.

BERDEGUÉ, J. A., FUENTEALBA, R. Latin America: The state of smallholders in agriculture.Paper presented at the IFAD Conference on New Directions for Smallholder Agriculture. Roma-Itália. 24-25 de janeiro, 2011.

BRUNORI, G; ROSSI, A; MALANDRIN, V. Co-producing Transition: Innovation Processes in Farms Adhering to Solidarity-base Purchase Groups (GAS) in Toscana, Italy. International Journal of Sociology of Agriculture and Food, Cardiff, p.28-53, 2010.

CHAYANOV, A. A teoria das cooperativas camponesas. Revisão e Tradução de Regina Vargas. – Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2017.

CAPORAL, F. R; COSTABEBER, J. A. Segurança alimentar e agricultura sustentável: uma perspectiva agroecológica. Revista Brasileira de Agroecologia, v.1, n.1, p.87-90, 2009.

CARPENTER, O. RIECHMANN, J. Pensar latransición: enseñanzas y estratégias econômico-ecológicas. SEMIMONOGRAFICO. PENSAR LA TRANSICIÓN(I), 2013

CAUMO, A. J.; STADUTO, J. A. R. Produção orgânica: uma alternativa na agricultura familiar. Revista Capital Científico – Eletrônica (RCCe),v. 12, n. 2, abr./jun. 2014. Disponível em: . Acesso em: 1222019

CAVALCANTE, Fabiana Nascimento Santos; SILVA, Domingos Severino. Grafos e suas Aplicações. TCC apresentado ao Centro Universitário Adventista de São Paulo, campus São Paulo, 2009.

COELHO, Sandra Lima (2011), “O Comércio Justo como forma de consumo responsável”,in Hernâni Veloso e Sandra Lima Coelho (org.), Novas dimensões do consumo na sociedade contemporânea, Porto, Instituto de Sociologia da Universidade do Porto, pp. 99-111.

COELHO, Sandra Lima. Justice in business and the moral choices of consumption: the case of Fair Trade consumers. Sociologia, Porto , n. tematico5, p. 15-40, Dec. 2015 . Available from . access on 18 Dec. 2019.

FRANÇA, Cassio Luiz de. (Org.). Comércio ético e solidário no Brasil. São Paulo: Fundação Friedrich Ebert / ILDES, 2007. 144 p.

GAIGER, L. A racionalidade dos formatos produtivos autogestionários. Revista Sociedade e Estado. 21(2) 513-544, 2006.

GAIGER, L. I. A economia solidária na contramarcha da pobreza. Revista Sociologia Problemas e Práticas. N. 79, PP. 43-63, Lisboa, 2015

GLIESSMAN, S.R. Agroecologia: processos ecológicos em agricultura sustentável. Porto Alegre: Editora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 653 p. 2007.

LUNEDO, Andrea Carla Bordignon, Piccini, Ruberlan Bilha Alex de Souza, Alexandre Carvalho, Carlos Eduardo Santos Junior, Silvio, A Rede de Formação como um para Alternative o Desenvolvimento Regional. Desenvolvimento em Questão [online] 2018, 16 (Outubro-Dezembro): [Acessado em: 28 de fevereiro de 2019]

MANCE, E. A. Redes de colaboração solidária: aspectos econômicos- -filosóficos (complexidade e libertação). Petrópolis, RJ: Vozes, 2005.

MIDORI, C. Compras coletivas e a Construção de Novas Relações entre Consumidores e Produtores: a Experiência do Grupo Trocas Verdes, Campinas-SP. Revista Brasileira de Agroecologia. V.4, nº2, 2009.

MIOR, L. C. Agricultura familiar, agroindústria e desenvolvimento territorial. In: COLÓQUIO INTERNACIONAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL, Florianópolis, 2007. anais. Disponível em: http://www.cidts.ufsc.br/articles/Artrigo_Coloquio_%20-_Mior.pdf>. Acessoem: 12 dez. 2008.

MIRA, P. M.; IUNES, C. S.; RAMOS FILHO, L. O.; NEVES, M. C.; QUEIROGA, J. L. de. Consumo responsável e economia solidária como estratégia de comercialização para agricultura familiar. Cadernos de Agroecologia, v. 13, n. 2, dez. 2018. Edição dos Anais do 3º Seminário de Agroecologia da América do Sul

NAVARRO, Zander. Desenvolvimento rural no Brasil: os limites do passado e os caminhos do futuro. Estud. av., São Paulo , v. 15, n. 43, p. 83-100, Dec. 2001 . Availablefrom. accesson 09 Aug. 2019.

NIEDERLE, P. A.; WESZ JUNIOR, V. J. A agroindústria familiar na região das Missões: construção de autonomia e diversificação dos meios de vida. In: CONGRESSO DA SOBER, 47., 2009, Porto Alegre. Anais do 47° Congresso da SOBER. Porto Alegre: SOBER, 2009. Disponível em: . Acesso em: 28 fevereiro de 2019

NICHOLLS, Alex; OPAL, Charlotte, Fair Trade: Market-Driven Ethical Consumption, London, Sage Publications.2005

OLIVEIRA, L. P. de; NEVES, M. C.; RAMOS FILHO, L. O.; ROQUE, A. de A.; RAMOS, M. S. T. A. S.; QUEIROGA, J. L. de. Canais de comercialização da produção de um assentamento rural em transição agroecológica. In: JORNADA DE ESTUDOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS, 8., 2017, Campinas. Anais... Campinas: FEAGRI/Unicamp, 2017.

PETERSEN, P. Editorial. Revista Agriculturas, v.10, p.1, 2013.

PINHEIRO, D. C.; PAES DE PAULA, A. P. Autogestão e práticas organizacionais transformadoras: contribuições a partir de um caso empírico. Desenvolvimento em Questão, v. 14, n. 33, p. 233-266, 2016.

PLOEG, J. D. El proceso de trabajo agrícola y lamercantilización.In: GUZMAN, E. S. (Ed.). Ecologia, campesinato y historia. Madrid: LasEdiciones de La Piqueta, 1992.

PLOEG, Jan Van Der. Trajetórias do desenvolvimento rural: pesquisa comparativa internacional. Sociologias, Porto Alegre, ano 13, no 27, mai./ago. 2011, p. 114-140.

THIES, V., & CONTERATO, M. Agricultura familiar e autonomia: a construção social e política de mercados no noroeste gaúcho. DRd - Desenvolvimento Regional Em Debate, 7(1), 51-74, 2017.

TROCAS VERDES. Grupos de Consumo Organizado de Barão Geraldo, Campinas- SP, c2019. Pagína inicial. Disponível em: www.trocasverdes.org/blog/. Acesso em: 20 de novembro de 2019.

PUTNAM, Robert. Comunidade e democracia: a experiência da Itália moderna. 5 ed. São Paulo: FGV Editora, 2002. 260 p

RAMOS, Pedro. Propriedade, estrutura fundiária e desenvolvimento (rural). V.15, N.43, São Paulo. 2001.

RETING, H; MARSDEN, T. K; BANKS, J. Understanding alternative food networks: exploring the role of short food supply chains in rural development.In: Environment And Planning. Londres, 2003. p. 393-411.

RODRIGUES, D, A. Osnovos investimentos no Brasil- Aspectos setoriais e regionais.- Revista do BNDES, nº9, 2004.

ROSEMEYER, M. The conversion to sustainable agriculture: principles, processes, and practices.Boca Raton: CRC; London: Taylor & Francis, 310 p, 2010.

SACHS, Ignacy. Desenvolvimento Includente, Sustentável Sustentado. Rio de Janeiro. Garamond. 2008.

SABORIN, E. Camponeses do Brasil: entre a troca mercantil e a reciprocidade. Rio de Janeiro: Garamond, 2009.

SANTOS, F, P, MARTINS, L, C. Agroecologia, consumo sustentável e aprendizado coletivo no Brasil. Educação e Pesquisa, São Paulo, v.38, n.2, p. 469-483, abril-jun, 2012.

SCHEJTMAN, Alexander y BERDEGUÉ, Julio A. Desarrollo territorial rural. Centro Latino Americano para o Desarrollo Rural, 2004, 54 p. (Caderno Debates y Temas Rurales n. 1).

SCHNEIDER, S.;FERRARI, D. L. Cadeias curtas, cooperação e produtos de qualidade na agricultura familiar: o processo de relocalização da produção agroalimentar em Santa Catarina.Organizações Rurais & Agroindustriais, v. 17, n. 1, p. 56-71, 2015.

SINGER, P. Introdução a economia solidária. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2002.

SINGER, P. Introdução á Economia Solidária. 5 ed. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2012

SOUZA, P. F. Economia solidária: outro caminho é possível? Revista de Desenvolvimento Regional – Faccat –TaquaraRS, v.15, n.1, janjunh. 2018

SOUZA, M. S. Desafios Da Construção De Mercados De Orgânicos Frente Às Transformações Do Varejo Alimentar: Reflexões A Partir Da Sociologia Econômica. Em. 46th Congress, July 20-23, 2008, Rio Branco, Acre, Brasil. Sociedade Brasileira de Economia, Administração e Sociologia Rural (SOBER), 2008.

STAR, A. Local Food: A Social Movement?Cultural Studies Critical Methodologies, v.10, n.6, p.479-490, 2010.

URANI, André. Construção de mercados e combate à desigualdade. In Reformas no Brasil: balanço e agenda. GIAMBIAGI, Fabio; REIS, José G.; URANI, André (Orgs.) Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2004. p. 505-526.

VERONESE, M. V. Subjetividade, Trabalho e Economia Solidária. Revista Crítica de Ciências Sociais, 84, 153-167. 2009.

VEIGA, José Eli. Desenvolvimento Sustentável. O Desafio do Século XXI. Rio de Janeiro: Garamond. 2010.

VIEIRA, F. M. Coerência e Aderência da Economia Solidária. Tese (Doutorado), Universidade de São Paulo, Departamento de Economia, São Paulo, 2005

WANDERLEY, Fernanda. Avanços e desafios da Nova Sociologia Econômica: notas sobre os estudos sociológicos do mercado. Sociedade e Estado, Brasília (DF), v. 17, n. 1, p. 15-38, 2002.

WILKINSON, John. Mercados, redes e valores: o novo mundo da agricultura familiar. Porto Alegre, RS: Editora da UFRGS, 2008. 213 p.

WILKINSON, J. Sociologia econômica, a teoria das convenções e o fortalecimento dos mercados.Ensaios FEE, Porto Alegre, v.23, n.2, 2002. Disponível em: http://revistas.fee.tche.br/index.php/ensaios/article/viewFile/2042/2424.Acesso em: 10 dez. 2018.

WILKINSON, J. Mercados, redes e valores: o novo mundo da agricultura familiar. Porto Alegre: UFRGS, 2010.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos/ Robert K. Yin; trad. Daniel Grassi – 2.ed. – Porto Alegre: Bookman, 2001.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n3-059

Refbacks

  • There are currently no refbacks.