Carbono orgânico e agregação do solo em áreas sob diferentes densidades de plantio da cultura da bananeira/ Organic carbon and soil aggregation in banana planting areas under different cropping densities

Luiz Alberto da Silva Rodrigues Pinto, Marcos Gervasio Pereira, Otávio Augusto Queiroz dos Santos, Renato Sinquini de Souza, Igor de Sousa Morais, Robert Ferreira, Wanderson Farias da Silva Junior, Luiz Aurélio Peres Martelleto

Abstract


 A banana é uma das frutas mais consumidas in natura no Brasil.  Apesar de vários estudos terem sido realizados avaliando as modificações nos atributos químicos do solo em áreas cultivadas com bananeira, poucos são aqueles em que atributos físicos do solo são mensurados, bem como as modificações no estoque de carbono orgânico. O objetivo deste estudo foi avaliar o efeito de diferentes densidades de plantio de banana da variedade tipo “RBS Princesa” no estoque de carbono no solo, na estabilidade e distribuição dos agregados do solo e na matéria orgânica do solo, obtida através dos fracionamentos granulométrico e químico. O estudo foi realizado em um Argissolo Amarelo, no qual foram dispostos 6 tratamentos, variando somente a densidade de plantio, com quatro repetições. Foram coletadas amostras deformadas para a determinação do carbono orgânico do solo e realização do fracionamento granulométrico. Para a avaliação da densidade do solo e da estabilidade dos agregados, foram coletadas amostras indeformadas. A estabilidade dos agregados foi determinada pelo tamisamento via úmida e via seca. Os tratamentos com maiores espaçamentos entre plantas, consequentemente menores densidades de plantio, contribuíram para um maior teor de carbono orgânico total, estabilidade dos agregados, carbono orgânico associado aos minerais e estoque de carbono orgânico associado aos minerais na camada superficial do solo. Quanto ao fracionamento químico para a classe dos macroagregados foram verificados os maiores teores de carbono na fração humina, já para as frações ácido fúlvico e ácido húmico os maiores teores foram verificados na classe dos microagregados.


Keywords


banana, diâmetro médio ponderado, estabilidade dos agregados

References


ASSIS, C. P., JUCKSCH I., MENDONÇA, E. S., NEVES, J. C. L. 2006. Carbono e nitrogênio em agregados de Latossolo submetido a diferentes sistemas de uso e manejo. Pesquisa Agropecuária Brasileira, 41: 1541-1550.

BAYER, C., MIELNICZUK, J., AMADO, T. J. C., MARTIN NETO, L., FERNANDES, S. A. 2000. Organic matter storage in a sandy loam Acrisol affected by tillage and cropping systems in Southern Brazil. Soil and Tillage Research, 54: 101-109.

BENITES, V. M., MADARI, B., MACHADO, P. L. O. A. 2003. Extração e fracionamento quantitativo de substâncias húmicas do solo: um procedimento simplificado de baixo custo. Rio de Janeiro: Embrapa Solos, (Circular técnica, n° 16).

BERTOL, I., ALBUQUERQUE, J. A., LEITE, D., AMARAL, A. J., ZOLDAN JUNIOR, W. A. 2004. Propriedades físicas do solo sob preparo convencional e semeadura direta em rotação e sucessão de culturas, comparadas às do campo nativo. Revista Brasileira de Ciência do Solo, 28: 155-163.

BORGES, C. S., RIBEIRO, B. T., WENDLING, B. 2015. Agregação do solo, carbono orgânico e emissão de CO2 em áreas sob diferentes usos no Cerrado, região do Triângulo Mineiro. Ambiente & Água - An Interdisciplinary Journal of Applied Science, 10: 660-675.

CAMBARDELLA, C. A.; ELLIOTT, E. T. 1992. Particulate soil organic-matter changes across a grassl and cultivation sequence. Soil Science Society of America Journal, 56: 777-783.

CARTER, R., STEWART, B. A. (Ed.) 1996. Structure and organic matter storage in agricultural soils. Boca Raton: CRC, 472p.

CHRISTENSEN, B. T. 1992. Physical fractionation of soil and organic matter in primary particle size and density separates. Advances in Soil Science, 20: 1-90.

CHRISTENSEN, B. T. 1996. Structure and organic matter storage in agricultural soils. In: CARTER, M. R., STEWART, B. A. (Ed.). Structure and organic matter storage in agricultural soils. Boca Raton: CRC, p. 97-165.

DENEF, K., ZOTARELLI, L., BODDEY, R. M., SIX, J. 2007. Microaggregate-associated carbon as a diagnostic fraction for management-induced changes in soil organic carbon in two Oxisols. Soil Biology and Biochemistry, 39: 1165-1172.

DICK, D. P.; NOVOTNY, E. H.; DIECKOW, J.; BAYER, C. 2009. Química da matéria orgânica do solo. In: MELO, V. F., ALLEONI. L. R. F., eds. Química e mineralogia do solo. Viçosa: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo, p. 1-67.

DUFRANC G., DECHEN, S. C. F., FREITAS, S. S., CAMARGO, A. O. 2004. Atributos físicos, químicos e biológicos relacionados com a estabilidade de agregados de dois Latossolos em plantio direto no estado de São Paulo. Revista Brasileira de Ciência do Solo, 28:505- 517.

DUFRANC G., DECHEN, S. C. F., FREITAS, S. S., CAMARGO, A. O. 2004. Atributos físicos, químicos e biológicos relacionados com a estabilidade de agregados de dois Latossolos em plantio direto no estado de São Paulo. Revista Brasileira de Ciência do Solo, 28: 505- 517.

FERNANDES J. C. F., PEREIRA, M. G., NETO, E. C. S., NETO, T. A. C. 2017. Caracterização de agregados biogênicos, intermediários e fisiogênicos em áreas sob domínio de mata atlântica. Revista Caatinga, 30: 59-67.

FONTANA, A., LOSS, A., SILVA, C. F., PEREIRA, M. G., BRITO, R. J., BENITES, V. 2011. Avaliação dos compartimentos da matéria orgânica em área de Mata Atlântica. Acta Scientiarum. Agronomy, 33: 545-550.

FONTANA, A., BRITO, R. J., PEREIRA, M. G., LOSS, A. 2010. Índices de agregação e a relação com as substâncias húmicas em Latossolos e Argissolos de tabuleiros costeiros, Campos dos Goytacazes, RJ. Revista Brasileira de Ciências Agrarias, 5: 291-297.

GOLCHIN, A., OADES, J. M., SKJEMSTAD, J. O., CLARKE, P. 1994. Study of free and occluded particulate organic matter in soils by solid state 13C CP/MAS NMR spectroscopy and scanning electron microscopy. Australian Journal of Soil Research, 32: 285-309.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Sistema de Recuperação Automática – SIDRA. (2014). Disponível em . Acesso em 29 de outubro de 2019.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Produção agrícola. 2018. Available at: https://sidra.ibge.gov.br/home/lspa/ brasil. Acceso em 29 de outubro de 2019.

ISRAELI, Y., LAHAV, E. 2017. Tropical agriculture: banana. In: THOMAS, B.; MURPHY, D.J.; MURRAY, B.G. (Eds.). 2017. Encyclopedia of Applied Plant Sciences. 2.ed. London: Academic Press, 3: 363-381.

KAMPF, N., CURI, N. 2012. Conceito de solo e sua evolução histórica. In: KER, J. C.; CURI, N.; SCHAEFER, C. E. G. R. & VIDAL-TORRADO, P. eds. Pedologia: fundamentos. Viçosa, MG. Sociedade Brasileira de Ciência do Solo, 343p.

LANZA, T. R. 2016. Efeito de Densidades de Plantio nas Variáveis Morfológicas e de Produção da Bananeira “BRS Princesa” e na Dinâmica de Plantas Daninhas. 83 p. (Dissertação) Programa de Pós-Graduação em Fitotecnia, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica, Brasil.

LANZA, T. R., MACHADO, A. F. L., MARTELLETO, L. A. P. 2017. Effect of planting densities of “BRS PRINCESS” banana tree in the suppression of weeds. Planta Daninha 35: e017162958.

LONGO, R. M., ESPÍNDOLA, C. R. 2000. C-orgânico, N-total e substâncias húmicas sob influência da introdução de pastagens (Brachiaria sp.) em áreas de Cerrado e Floresta Amazônica. Revista Brasileira de Ciência do Solo, Viçosa, 24: 723-729.

PEREIRA, M. C. T., SALOMÃO, L. C. C., SILVA, S. de O. e; SEDIYAMA, C. S., SILVA NETO, S. P., COUTO, F. A. D. A. 2000. Crescimento e produção de primeiro ciclo da bananeira (Musa spp.) “Prata Anã” (AAB) em sete espaçamentos, em Visconde do Rio Branco, MG. Revista Ceres, 46: 53-66.

PERUSI, M. C., CARVALHO, W. A. 2008. Comparação de Métodos para Determinação da Estabilidade de Agregados por Vias Seca e Úmida em Diferentes Sistemas de Uso e Manejo do Solo. UNESP, Geociências, 27: 197-206.

RANGEL, O. J. P., SILVA, C. A., GUIMARÃES, P. T. G., GUILHERME, L. R. G. 2008. Frações oxidáveis do carbono orgânico de latossolo cultivado com cafeeiro em diferentes espaçamentos de plantio. Ciência e agrotecnologia, 32: 429-437.

ROSADO, T. L., MONLÇÃO, O. P., GONTIJO, I., PIRES, F. R. 2012. Efeito da cobertura vegetal nos atributos físicos de um latossolo amarelo cultivado com banana. Enciclopédia Biosfera, 8: 721-728.

ROSCOE, R. & MACHADO, P.L.O.A. 2002. Fracionamento físico do solo em estudos da matéria orgânica. Rio de Janeiro, Embrapa Solos. 86p.

SALTON, J. C., TOMAZI, M. 2014. Sistema Radicular de Plantas e Qualidade do solo. Dourados: Embrapa (Circular técnico, nº 198).

SANTOS, H. G., JACOMINE, P. K. T, ANJOS, L. H. C., OLIVEIRA, V. A., LUMBRERAS, J. F., COELHO, M. R., ALMEIDA, J. A., ARAUJO FILHO, J. C., OLIVEIRA, J. B., CUNHA, T. J. F. 2018. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. 5 ed. Brasília: Embrapa. 356p.

SINGELS, A., SMIT, M. A., REDSHAW, K. A., DONALDSON, R. A. 2005. The effect of crop start date, crop class and cultivar on sugarcane canopy development and radiation interception. Field Crops Research, 92: 249-260.

SOARES, F. A. L., GHEYI, H. R., OLIVEIRA, F. H. T., FERNANDES, P. D., ALVES, A. N., SILVA, F. V. 2008. Acúmulo, exportação e restituição de nutrientes pelas bananeiras “Prata Anã” e “Grand Nain. Ciência Rural, 38, 2054-2058.

Soil Quality Institute, 1999. Soil Quality Test Kit Guide. United States Department of Agriculture, Washington: Natural Resources Conservation Service. 88p.

SOLUÇÕES TECNOLÓGICAS. Embrapa, 2010. Disponível em: < https://www.embrapa.br/busca-de-solucoes-tecnologicas/-/produto-servico/1759/banana-brs-princesa >. Acesso em: 29 de outubro de 2019.

TEIXEIRA, L. A. J., NATALE, W., RUGGIERO, C. 2001. Alterações em alguns atributos químicos do solo decorrentes da irrigação e adubação nitrogenada e potássica em bananeira após dois ciclos de cultivo. Revista Brasileira de Fruticultura, 23, 684-689.

TEIXEIRA, P. C., DONAGEMA, G. K., FONTANA, A., TEIXEIRA, W. G. 2017. Manual de métodos de análise de solos. 3.ed. Brasília: Embrapa. 573p.

TISDALL, J. M., OADES, J. M. 1982. Organic matter and water-stable aggregates in soils. Journal of Soil Science, 33(2), 141–163.

YEOMANS, J. C., BREMNER, J. M. 1988. A rapid and precise method for routine determination of organic carbon in soil. Communications Soil Science and Plant Analysis, 19: 1467-1476.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n3-053

Refbacks

  • There are currently no refbacks.