Aprendendo matemática através de um jogo digital / Learning math through a digital game

Álisson de Oliveira Alves, Edgard Morya, Alberto Signoretti, Felipe Denis Mendonça de Oliveira, Raul Benites Paradeda

Abstract


Neste estudo, um jogo foi desenvolvido com o intuito de auxiliar o aprendizado de conceitos elementares de matemática em estudantes com deficiência intelectual.  Este trabalho é  um estudo experimental que contou com uma amostra de 10 estudantes de uma escola pública com diagnóstico clínico de deficiência intelectual. O grupo experimental utilizou o jogo educacional baseado em modelo cliente servidor da Web utilizando um tablet em três ta- refas (reconhecimento de forma geométrica, contagem de forma geométrica e aritmética). O grupo controle realizou as mesmas tarefas de forma tradicional utilizando lápis e papel. Com base nas tarefas propostas em duas condições experimentais (jogo educacional e atividades escrita) os resultados das respectivas  análises  estatísticas  sugerem  que  o  jogo  educativo  é  tarefas de identificação de formas geométricas e aritmética.


Keywords


Deficiência Intelectual;Jogo Educativo; Ensino-aprendizado; Matemática, Experimento.

References


An, D. Y., Fávero, R., et al. (2013). Digita-um jogo educativo de apoio ao processo de alfabetização infantil. In Brazilian Symposium on Computers in Education, volume 24, page 154.

Bispo, D. M., Borges, M. A., et al. (2012). Desenvolvimento de jogo educacional so- bre ecotoxicologia utilizando html5.Revista Brasileira de Informa´tica na Educação, 20(1):121.

Brazil, A. and Baruque, L. (2015). Gamificaçaõ aplicada na graduação em jogos digitais.In Brazilian Symposium on Computers in Education (Simpósio Brasileiro de Informática na Educação-SBIE), volume 26, page 677.

Cabral, P. F. O., Queiroz, S. L., et al. (2017). Aprendizagem colaborativa apoiada por computador em disciplina de comunicação científica. Revista Brasileira de Informática na Educação, 25(2).

da Silva, T. S. C., de Melo, J. C. B., and Tedesco, P. C. d. A. R. (2018). A model to promote student engagement in programming learning using gamification. Brazilian Journal of Computers in Education, 26(03):120.

Deterding, S., Dixon, D., Khaled, R., and Nacke, L. (2011). From game design ele- ments to gamefulness: defining gamification. In Proceedings of the 15th international academic MindTrek conference: Envisioning future media environments, pages 9–15. ACM.

Dias, G. A. and Cavalcante, R. A. (2017). As tecnologias da informação e suas implicações para a educação escolar: Uma conexão em sala de aula. Revista de Pes- quisa Interdisciplinar, 1(Esp).

Dutra, P., C., Barbosa, M., A. K., et al. (2008). PolíItica nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva.

Egido, S. V., Santos, L. M., et al. (2018). Tecnologia educacional na sala de aula de matemática em uma turma com um aluno com tea. Colóquio Luso-Brasileiro de Educação-COLBEDUCA, 3.

Ferreira, G. M. S. and Carvalho, J. S. (2018). Recursos educacionais abertos como tecnologias educacionais: considerações críticas. EDUCAÇÃO & SOCIEDADE, 1(1).

Freitas, S. (2018). Are games effective learning tools? a review of educational games.

Journal of Educational Technology & Society, 21(2):74–84.

Hack, C. A. et al. (2004). Ergonomia em software educacional: a possível integração entre usabilidade e aprendizagem. In Atas Workshop sobre fatores humanos em sistemas computacionais: rompendo barreiras entre pessoas e computadores. Campinas, São Paulo: UNICAMP/SEEC.

Igisck, N. P., Rodrigues, A. X., et al. (2018). O uso de tecnologias de informação e comunicação (tics) na educação especial.Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, 9(7).

Malaquias, F. F. O., Santos, C. A. O., et al. (2012). Virtualmat: um ambiente virtual de apoio ao ensino de matemática para alunos com deficiência intelectual. Revista Brasileira de Informática na Educação, 20(2).

Neri, M. et al. (2015). Motivos da evasão escolar.

OMS (1994). CID-10: Classificação Estatística Internacional de Doenças com disquete Vol. 1. Edusp.

Peixoto, M., Silva, C., Vilela, J., and Gonc¸alves, E. (2015). Um mapeamento sistemático de gamificação em software educativo no contexto da comunidade brasileira de informática na educação. In Anais do Workshop de Informática na Escola, volume 21, page 584.

Rossini, C. (2010). Aprendizagem digital, recursos educacionais abertos e cidadania.

Cidadania e redes digitais, 1:209–233.

Sacchetto, K. K., Silva, J. R. S., et al. (2018). O ambiente lúdico como fator motivacional na aprendizagem escolar.Cadernos de Pós-Graduação em Distúrbios do Desenvolvimento, 11(1).

Santana, K., Macedo, R., et al. (2017). Blinds, basic education: jogo digital inclusivo para auxiliar o processo de ensino-aprendizagem das pessoas com deficiência visual.In Brazilian Symposium on Computers in Education (Simpósio Brasileiro de Informática na Educação-SBIE), volume 28, page 877.

Santos, A. S., Diniz, J. R. B., et al. (2015). Mobilizando conhecimentos matemáticos através dos jogos digitais. Anais do Computer on the Beach, pages 269–278.

Santos, J. B. P. and Tolentino-Neto, L. C. B. (2015). O que os dados do saeb nos dizem sobre o desempenho dos estudantes em matemática?-what saeb data tell us about student performance in mathematics? Educação Matemática Pesquisa, 17(2).

Silva, R. A., Sarlas, L. M., et al. (2011). Utilização de jogos para pessoas com necessidades educativas especiais: uma análise experimental.In Brazilian Symposium on Computers in Education, volume 1.

Sugden, R. et al. (2013). Space in an inferno? the organization of modern universities and the role of academics. Leadership and Cooperation in Academia: Reflecting on the Roles and Responsibilities of University Faculty and Management, page 43.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n3-020

Refbacks

  • There are currently no refbacks.