A humanização como estratégia de gestão de pessoas para os profissionais da enfermagem: ensaio teórico reflexivo/ Humanization as a people management strategy for nursing professionals: a reflective theoretical test

Natércia Taveira Carvalhaes Dias, Anelise de Melo Bernardes Costa, Maria Regina Martinez

Abstract


Quando se discute a Humanização na enfermagem é falar de seu instrumento de trabalho mais valioso: o cuidado, na qual se caracteriza entre paciente e profissional uma relação de ajuda que na sua essência, trata-se de atitudes humanizadas.Esta prática quando inserida como uma ferramenta de gestão de pessoas, tem sua visão e horizontes ampliados, não apenas no sentido do atendimento, mas caracteriza-se como uma forte aliada nos processos para desenvolvimento e satisfação de equipes de enfermagem.Este estudo trata-se de um ensaio teórico reflexivo e interpretativo tem como objetivo propor a aplicação de princípios e práticas humanizadas de gestão como uma estratégia efetiva para gerir pessoas em enfermagem.A Humanização quando implantada de forma eficiente, visa buscar todas as necessidades essenciais de todos os processos das equipes e da instituição, alcança maior efetividade nas relações entre profissionais e pacientes. Aumenta a satisfação da equipe de enfermagem, pois estes se sentem inseridos como parte importante da liderança das instituições. Quando inserida como ferramenta de gestão de pessoas em enfermagem a Humanização modifica o desempenho das equipes de forma produtiva e satisfatória, traz melhoria das condições de trabalho dos profissionais de saúde, gestores, dos pacientes, da comunidade atendida, dos fornecedores e das instituições como um todo, alcançando benefícios para a saúde, qualidade de vida e de trabalho, aumento da produtividade e lucro direto e indireto para as empresas.


Keywords


Enfermagem, Gestão, Humanização, Pessoas.

References


ABREU, Ludmila de Ornellas et al. O trabalho de equipe em enfermagem: revisão sistemática da literatura. Rev. bras. enferm., Brasília , v. 58, n. 2, Abr. 2005 .Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-71672005000200015&lng=en&nrm=iso acesso em 15-05-2019

ARTEIRO, Isabela Lemos. A Mulher e a Maternidade: um exercício de reinvenção. 2017. 264 f. Tese (doutorado) - Universidade Católica de Pernambuco, Recife, Ano 2017.

BACKES MTS, Erdmann AL, Büscher A, Backes DS. O cuidado intensivo oferecido ao paciente no ambiente de Unidade de Terapia Intensiva. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2012;16(4):689-96.

BECK CLC. O sofrimento do trabalhador: da banalização a ressignificação ética na organização do trabalho da enfermagem [tese]. Florianópolis (SC): UFSC/PEN; 2001.

BETTES, A.; Considerações Sobre o que é humano e o que é humanizar. Disponível em: http://www.portalhumaniza.org.br/ph/texto.asp?id=37>2005. Acesso em 15-05-2019

BOLSON,s.B.Carpe Diem: Revista Cultural e Cientifica do uinifacex.v.11,n.1,2013.ISSWN:15-18-5184

Brasil. Ministério da Saúde; Secretaria de Atenção à Saúde, Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. Acolhimento nas práticas de produção de saúde. 2ª ed. Brasília: MS; 2010.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 2488, de 21 de outubro de 2011. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica, para a Estratégia Saúde da Família (ESF) e o Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS). Diário Oficial da União. 21 out 2011; Seção 1:37.

BRASIL. Ministério da Saúde. Manual do Programa Nacional de Humanização da Assistência Hospitalar (PNHAH). Diário Oficial da União; 2001.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 2436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União. 21 set 2017; Seção 1:38.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria-Executiva. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. HumanizaSUS: Política Nacional de Humanização do Ministério da Saúde: a humanização como eixo norteador das práticas e gestão em todas as instâncias do SUS. Brasília: Ministério da Saúde; 2004. [Série B. Testos básicos de saúde].

ÉPOCA NEGÓCIOS. As 22 empresas mais humanizadas do Brasil, 2019. Disponível em: https://epocanegocios.globo.com/Empresa/noticia/2019/03/22-empresas-mais-humanizadas-do-brasil.html. Acesso em 14 de maio de 2019.

Falk MLR, Ramos MZ, Salgueiro JB. Contextualizando a Política Nacional de Humanização: a experiência de um hospital universitário. Botucatu: Interface. 2006; 20(2):135-44.

FORTES, P. A. C. Ética, direitos dos usuários e políticas de humanização da atenção à saúde. Saúde e Sociedade. Vol.13, n.3, set/dez, 2004.

LIMA MM, Kloh D, Canever BP, Reibnitz KS, Amestoy SC, Prado ML. Integralidade na formação do enfermeiro: possibilidades de aproximação com os pensamentos de Freire. Saúde Transform Soc. 2013;4(1):3-8.

MINISTÉRIO DA SAÚDE, HumanizaSUS- Documento base para gestores e trabalhadores do SUS, 2004. Disponível em:http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/humanizasus_documento_gestores_trabalhadore s_sus.pdf. Acesso em: 18 de agosto de 2011.

Mundo Moderno Corporativo – Gestão de Pessoas X Qualidade Disponível em: https://www.ibe.edu.br/qualidade-x-gestao-de-pessoas/ acesso em 19/04/2019

NEULLS, T.F. HUMANIZAÇÃO EM SAÚDE NO BRASIL: estudo dos Fundamentos Filosóficos da Política Nacional de Humanização.VI Jornada Internacional de Políticas Públicas,2013.

Pacheco JMC, Gomes R. Tomada de decisão e alta administração: a implantação de projetos de mudança de gestão da clínica em hospitais do SUS. Cienc. Saúde Col. 2016; 21(8):2485-95.

PERES, Aida Maris; CIAMPONE, Maria Helena Trench. Gerência e competências gerais do enfermeiro. Texto contexto – enferm. Florianópolis, v. 15, n. 3, Set. 2006.

PRADEBON, Vania Marta et al. A teoria da complexidade no cotidiano da chefia de enfermagem. Acta paul. Enferm., São Paulo, v. 24, n. 1, 2011.

RIBEIRO, Mirtes; SANTOS, Sheila Lopes dos; MEIRA, Tatiane Graciet Balieira Martins. Refletindo sobre liderança em Enfermagem. Esc. Anna Nery, Rio de Janeiro, v. 10, n. 1, 68 Abr. 2006 .

SIQUEIRA HCH, Medeiros AC, Zamberlan C. Configuração da gestão do cuidado de enfermagem na UTI. In: Sousa FGM; Dirce Stein Backes DS, organizadoras. Cuidado em enfermagem e saúde: diversidades e complexidades. Florianópolis: Papa Livro; 2015. p. 307-35.

ZAHER, V.L.; Administração Hospitalar: Instrumentos para a Gestão Profissional; Humanização Hospitalar. CUSC; Ed. Loyola, p.501-530, São Paulo, 2005.

ZAMBERLAN C, Calvetti A, Svaldi JSD, Siqueira HCH. Ambiente, saúde e enfermagem no contexto ecossistêmico. Rev Bras Enferm. 2013;66(4):603-6.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n2-180

Refbacks

  • There are currently no refbacks.