Maus-tratos animal e as cinco liberdades: percepção e conhecimento da população de Pelotas/RS/ Animal maltreatment and the five freedoms: perception and knowledge of the population of Pelotas/RS

Karen Cristine de Albuquerque Ferreira Pereira, Fernanda Rodrigues Mendonça, Tamires Silva dos Santos, Clederson Idenio Schmitt, Juliana Ribeiro Pegoraro, Etiane Avila Zimermann, Carine Dahl Corcini

Abstract


A relação dos seres humanos com os animais se dá tanto por interações positivas quanto negativas, sendo que o bem-estar e os maus-tratos estão diretamente conectados. Maus-tratos, crueldade e abuso animal podem ser relacionados com aspectos da nossa sociedade que contribuam para a perpetuação desses atos. Com isso, o objetivo do estudo foi analisar o índice de participantes que já presenciaram atos de maus-tratos contra animais, e avaliar a percepção dos mesmos sobre aspectos que contribuem para esses atos. Além do conhecimento sobre um conceito importante de bem-estar animal. O tema foi escolhido devido a importância do assunto para a saúde e bem-estar dos animais com o intuito de entender a visão da população sobre maus-tratos e buscar maneiras de conscientizá-los. O trabalho constou com a aplicação de um questionário presencial e via online destinado ao público residente da cidade de Pelotas. O questionário foi aplicado a 278 participantes, cujo a maioria eram mulheres. 72,3% dos entrevistados já presenciaram maus-tratos contra os animais. Quanto a cultura e educação, 62,2% e 88,5% respectivamente, responderam que as mesmas são importantes em relação aos maus-tratos, enquanto que a economia e a pobreza foram em sua maioria menosprezadas. E 80,6% não conheciam o conceito das cinco liberdades. Isso ressalta a importância da disseminação de informações para toda a população, sendo necessária a realização de ações frente as comunidades.


Keywords


maus-tratos, educação, economia, bem-estar, animal.

References


ARAÚJO, L. O; CURCIO, B. R.; OLIVEIRA, D. P., et. al. Atenção integral a carroceiros e catadores de lixo de Pelotas, RS. Expressa Extensão. Pelotas, v.20, n.1, p. 113-123, 2015.

BRANDÃO, I. M. Crimes ambientais: uma visão sobre as práticas do rodeio e da vaquejada. Revista Ibero-Americana de Ciências Ambientais, Aquidabã. v.5, n.1, Dez 2013, Jan, Fev, Mar, Abr, Mai 2014.

BRASIL. Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998. Dispõe sobre as sanções penais e administrativas derivadas de condutas e atividades lesivas ao meio ambiente, e dá outras providências. Diário Oficial da União. 13 fev. 1998. Seção 1, p. 1.

BRASIL. Lei nº 12.131, de 22 de julho de 2004. Acrescenta parágrafo único ao artigo 2º da Lei nº 11.915, de 21 de maio de 2003, que institui o Código Estadual de Proteção aos Animais, no âmbito do Estado do Rio Grande do Sul. Diário Oficial da União. 23 jul. 2004.

BRASIL. Lei nº 13.873, de 17 de setembro de 2019. Altera a Lei nº 13.364, de 29 de novembro de 2016, para incluir o laço, bem como as respectivas expressões artísticas e esportivas, como manifestação cultural nacional, elevar essas atividades à condição de bem de natureza imaterial integrante do patrimônio cultural brasileiro e dispor sobre as modalidades esportivas equestres tradicionais e sobre a proteção ao bem-estar animal. Diário Oficial da União. 18 set. 2019. Seção 1, p. 3.

BRASIL. Projeto de lei nº 3.984 de 2015. Dispões sobre a proibição da comercialização em pet shops e dá outras providências. Câmara dos Deputados. 2015.

BRASIL. Projeto de lei nº 6.445 de 2005. Proíbe a utilização de animais em espetáculos circenses ou de qualquer natureza, bem como a entrada no Brasil de companhia circense ou similar estrangeira, caso tenha animais incluídos em suas apresentações. Câmara dos Deputados. 2005.

BROOM, D.M. Indicators of poor welfare. British Veterinary Journal, London:

v.142,p.524-526, 1986.

BROOM, D. M.; MOLENTO, C. F. M. Bem-estar animal: conceito e questões relacionadas – revisão. Archives of Veterinary Science. v.9. n.2, p. 1-11, 2004.

CFMV. Resolução nº 1.236, de 26 de outubro de 2018. Define e caracteriza crueldade, abuso e maus-tratos contra animais vertebrados, dispõe sobre a conduta de médicos veterinários e zootecnistas e dá outras providências. Diário Oficial da União. 29 out. 2018. Seção 1, p. 133 e 134.

DELABARY, B. F. Aspectos que influenciam os maus tratos contra animais no meio urbano. Revista eletrônica em gestão, educação e tecnologia ambiental. v.5, n.5, p. 835-840, 2012.

DIAS, G. F. Educação ambiental: princípios e práticas. Gaia. 8ª Ed. São Paulo, 2003.

FARM ANIMAL WELFARE COUNCIL (FAWC). Report on priorities for animal welfare and development. Tolworth Tower, Surbiton, Surrey KT6 7DX, 1993.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Pelotas, Rio Grande do Sul, 2019. Disponível em: . Acesso em: 06 nov. 2019.

MERCK, M. D. Veterinary forensics: animal cruelty investigations. 2nd ed. Iowa: Blackwell Publishing, 2013. 402 p.

MOLENTO, C. F. M.; HAMMERSCHMIDT, J. Crueldade, maus-tratos e compaixão. Revista do Conselho Federal de Medicina Veterinária, Brasília, DF, n. 66, 2015.

NEVES, I. F. Da inconstitucionalidade da prática de rodeios. Juspendia. v.1, n.1, p.1-10, 2008.

PAULA, L. I. A crueldade na produção de alimentos de origem animal. MPMG Jurídico. p.68-75. 2015.

RENCTAS. 1º Relatório nacional sobre o tráfico de fauna silvestre. 2001. Disponível em: < http://www.renctas.org.br/trafico-de-animais/>. Acesso em: 06 nov. 2019.

SILVA, T. C. Vaquejadas: manifestações das culturas populares ou crime de crueldade e maus-tratos contra os animais?. Monografia (Graduação em Direito) – Centro de Ciências Jurídicas da Universidade de Fortaleza, Fortaleza. 2007.

SOUZA, G. C. Os rodeios e a Lei 10519/02: retrocesso social e desconformidade com a Constituição Federal de 1988. In: CONGRESSO MUNDIAL DE BIOÉTICA E DIREITO ANIMAL, Anais. Salvador: 2008.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n2-161

Refbacks

  • There are currently no refbacks.