Racismo no Brasil- um fenômeno que perpassa as relações sociais/ Racism in Brazil- a phenomenon that waste social relations

Soenil Clatinda de Sakes, Ronaldo Eustáquio Feitoza Senra, Letícia Gisele Pinto de Moraes Queiroz, Maria Geni Pereira Bilio, Maria do Espírito Santo C. Kaefer, Ricardo de Assis, Marilene Luzia Pinto de Carvalho

Abstract


Ao longo do tempo, é possível perceber que as a escravidão no Brasil deixou marcas que continuam visíveis e que perpassam as relações entre negros e brancos na atualidade. As muitas formas de opressão, a negação identitária, cultural, de direitos e a exclusão social, cuja gênese localiza-se no período colonial reverbera nos dias atuais não apagaram o desejo de homens e mulheres negras de lutarem pela sua liberdade e garantia de direitos. Neste artigo abordaremos a questão do racismo, que da mesma forma que grande parte dos fenômenos que assolam a população negra no Brasil, o racismo tem como consequência o preconceito, a discriminação racial e a vulnerabilidade social e ambiental, na perspectiva de uma construção social, que marca de forma negativa a vida das pessoas negras brasileiras. Trata-se de uma pesquisa qualitativa bibliográfica relativa a uma questão social que está arraigada na vida de homens e mulheres marcados pelas muitas formas de adversidades impostas pelo preconceito.


Keywords


Racismo, preconceito, consequências e relações sociais.

References


BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Básica. Brasília, 2010.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Social, 2009.

BUTLER, Judith. Corpos que pesam: sobre os limites discursivos do “sexo”. In: LOURO, Guacira Lopes (org.). O corpo educado: pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

BRAH, Avtar. Diferença, diversidade e diferenciação. Cadernos Pagu, n. 26, jun. 2006.

DUSSEL, Enrique. Ética da libertação na idade da globalização e da exclusão. Petrópolis: Vozes, 2000.

FANON, Frantz. Pele negra, máscaras brancas. Trad. Renato Silveira. Salvador: Edufba, 2008.

FREYRE, Gilberto. Casa-Grande e Senzala. Rio de Janeiro: Editora Record, 1992.

GUIMARÃES, Antônio Sergio Alfredo. Como trabalhar com “raça” em Sociologia. Educação e Pesquisa, vol. 29, n. 1, p. 93-107, 2003.

HALL, Stuart. Identidade cultural e diáspora. In: Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Rio de Janeiro: Iphan, 1996.

_____. The Work of Representation. In: ______. (Org.). Representation, Cultural Representations and Signifying Practices. Londres/Nova Deli: Thousands Oaks/Sage, 1997. Disponível em: . Acesso em: 10 fev. 2016.

_____. Quem precisa de identidade?. In: SILVA, Tomaz Tadeu (org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos Estudos Culturais. Petrópolis: Vozes, 2000

_____. Da diáspora: identidade e mediações culturais. Trad. Adelaine La Guardiã Resende. Belo Horizonte/ Brasília: Editora UFMG/Representação da UNESCO no Brasil, 2003.

_____. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

LIMA, I. C.; ROMÃO, J; SILVEIRA. S. M. (Org.) Os negros e a escola brasileira. Florianópolis: Núcleo de Estudos Negros, 1999.

MEMMI, Albert. Retrato do colonizador precedido pelo retrato do colonizado. Trad. Ronald Corbisier e Mariza Pinto Coelho. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977.

MOSCOVICI, Serge. A representação social da psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.

MUNANGA, Kabengele. Psicologia e Racismo. Uma autocrítica necessária. In SILVA, M. V. O. (Org). Psicologia e Direitos Humanos: Subjetividade e Exclusão. São Paulo. Conselho Federal de Psicologia. Casa do Psicólogo, 2004.

___________. Negritude e identidade negra ou afrodescendente: um racismo ao avesso?. Revista da ABPN, vol. 4, n. 8, 2012. Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 2019.

NASCIMENTO, Elisa Larkin. O sortilégio da cor: identidade, raça e gênero no Brasil.

NASCIMENTO, Elisa Larkin. O sortilégio da cor: identidade, raça e gênero no Brasil. São Paulo: Summus, 2003.

O’DWYER, Eliane Catarino. (Org) Quilombos. Identidade étnica e territorialidade. Rio de Janeiro. Editora FGV.2002

OLIVEIRA, I; SILVA, P. B. G.; PINTO, R. P. Negro e educação: escola, identidade, cultura e políticas públicas. São Paulo: Ação Educativa, ANPED, 1999.

THIN, Daniel. Para uma análise das relações entre famílias populares e escola: confrontação entre lógicas socializadoras.RevistaBrasileira de Educação, São Paulo, v. 11, n. 32, p. 211-370, maio/ago. 2006.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n2-156

Refbacks

  • There are currently no refbacks.