Avaliação do perfil epidemiológico das neoplasias onco-hematológicas de pacientes atendidos pelo instituto de câncer de três lagoas, no período de 2014 a 2018 / Evaluation of the epidemiological profile of oncohematological neoplasms of patients carried out by neoplasm institute of três lagoas, 2014-2018

Mirian Daiane de Oliveira, Rachid Figueirôa Souza, Dábada Karina Silva Canuto, Alex Martins Machado, Aline Rafaela da Silva Rodrigues Machado

Abstract


As neoplasias hematológicas fazem parte de um grupo heterogêneo de doenças malignas que afetam os precursores hematopoiéticos sendo responsáveis por significativas taxas de mortalidade. O objetivo desse trabalho foi identificar a incidência dessas doenças na região de Três Lagoas, MS no período de janeiro de 2014 a julho de 2018. Foi baseado na análise de prontuários de pacientes com diagnóstico confirmado de leucemias, linfomas e mieloma múltiplo do Serviço de Oncologia do município de Três Lagoas, sendo os dados categorizados por: sexo, residência, faixa etária, raça, CID-10, ano de ingresso, diagnóstico, tratamento e evolução. Foram identificados 133 casos, com predomínio em indivíduos pardos (62,40%), do sexo masculino (60,9%) e idade de 70 a 79 anos (25,56%), procedentes do município (65,41%). O linfoma não-Hodgkin (LNH) foi o mais prevalente, correspondendo ao total de 45,11%, mais especificamente, o linfoma não-Hodgkin difuso de grandes células B (56,87%) e o linfoma folicular (13,73%). Foram identificados 9,77% de linfoma de Hodgkin, 18,4% de mieloma múltiplo e, dentre as leucemias crônicas, 5,26% foram as leucemias linfoides crônicas e 4,51% de leucemias mieloides crônicas. Dentre os tratamentos, a quimioterapia (68%) foi a mais utilizada e a biópsia foi método de diagnóstico mais solicitado. Os linfomas não-Hodgkin se consolidaram como maior taxa de óbitos (45%) reflexos da busca do serviço com doença em estadio e idade avançados. A pesquisa revela o retrato indireto de uma região, demonstrando a importância em ampliar o acesso à informação, minimizando o risco de aumento substancial no número de mortes por doenças onco-hematológicas.


Keywords


Doença onco-hematológica; Incidência; Hematologia

References


ABREU, E. S. et al. Doença de Hodgkin infanto-juvenil no estado do Ceará e sua relação com o vírus Epstein-Barr: parâmetros clínicos e análises morfológicas, inumoistoquímica e por hibridização in situ. J. Bras Pat, v. 33, n. 4, p. 178-84, 1997.

BONASSA, E.M.A. Enfermagem Terapêutica Oncológica. 3ª ed. São Paulo: Atheneu, 2005. P. 538.40.

BRASIL. Ministério da Saúde; Instituto Nacional de Câncer. Tipos de Câncer [Internet]. Rio de Janeiro; 2010. Disponível em: . Acesso em: 01 abr 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Departamento de Informática do SUS. Sistema de informações sobre mortalidade. Brasília, DF, 2017. Disponível em: . Acesso em: 13 fev. 2018.

BURIGO, T. et al. Efeito bifidogênico do frutooligossacarídeo na microbiota intestinal de pacientes com neoplasia hematológica. Rev Nutr.,v.20, n.5, p. 491-97, 2007.

CENTERS FOR DISEASE CONTROL AND PREVENTION (Estados Unidos da América).Lymphoma Atlanta, 2017. Disponível em: . Acesso em: 13 ago 2018.

COORY, M.; GILL, D. Decreasing mortality from non-Hodgkin lymphoma in Australia. Internal Medicine Journal, Carlton, v. 38, n. 12, p. 921-924, 2008.

GUIMARÃES, J. L. M.; ROSA, D. D. Rotinas em Oncologia. Porto Alegre: Artmed, 2008. 942 p.

HOWLADER, N. et al. (Ed.). SEER Cancer Statistics Review, 1975-2014. Bethesda: National Cancer Institute, 2017. Disponível em: .Acesso em: 1 ago. 2018.

HUSSEIN, M. A.; JUTURI, J. V.; LIEBERMAN, I. Multiple myeloma: present and future. Curr Opin Oncol. v.14, n.1, p.31-35, 2002.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Pesquisa Nacional de Saúde: 2013: acesso e utilização dos serviços de saúde, acidentes e violências. Brasil, grandes regiões e unidades da federação/IBGE, Coordenação de Trabalho e Rendimento- Rio de Janeiro: IBGE, 2015.

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER JOSÉ ALENCAR GOMES DA SILVA (INCA). Coordenação de Prevenção e Vigilância. Estimativa 2018: incidência de câncer no Brasil. Rio de Janeiro: INCA, 2017.

MACHADO, M. et al. Linfoma de Hodgkin: conceitos actuais Hodgkin’s lymphoma: anupdate. Medicina Interna, Lisboa, v. 11, n. 4: 207-215, 2004.

MACHADO NETO, J. A. Investigação funcional de ANKHD1 e proteínas relacionadas em neoplasias hematológicas. Tese (doutorado)- Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Ciências Médicas. Campinas, SP: [s.n], 2015.

MANGAN P. Recognizing multiple myeloma. Nurse Pract., v. 30, n. 3, p. 14-27, 2005.

REYA T. et al. Stem cells, cancer, and cancer stem cells. Nature, v. 414, p. 105-11, 2001.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde: CID-10 Décima revisão. Trad de Centro Colaborador da OMS para a Classificação de Doenças em Português. v. 2, 3 ed. São Paulo: EDUSP, 1996.

SHIELS, M. S. et al. The Epidemic of Non-Hodgkin Lymphoma in the United States: Disentangling the Effect of HIV, 1992–2009. Cancer Epidemiology, Biomarkers and Prevention, Philadelphia, v. 22, n. 6, p. 1069-1078, 2013.

STEWART, B. W.; WILD, C. P. (Ed.). World Cancer Report: 2014. Lyon: IARC, 2014.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n2-144

Refbacks

  • There are currently no refbacks.