Características microbiológicas, celulares, físicas e químicas de leite cru refrigerado em Aparecida do Taboado-MS/ Microbiological, cellular, physical and chemical characteristics of refrigerated raw milk in Apareceda Do Taboado-MS

Rafael Borges de Oliveira Gonçalves, Kamilla Fagundes Duarte Barbosa, Amauri Ernani Torres Areco, Elka Machado Ferreira, Leyde Emanuelle Pereira Costa, Lucélia da Cunha Rodrigues Guimarães, Ana Lúcia Borges de Souza Faria

Abstract


 Este trabalho objetivou verificar as características físico-químicas, microbiológicas e celulares do leite cru refrigerado, obtidos em tanques de expansão individuais em propriedades na região Centro Oeste, em Aparecida do Taboado no Estado de Mato Grosso do Sul, usando como referência os parâmetros da Instrução Normativa 62 do MAPA. O experimento foi conduzido a partir da análise do leite cru refrigerado de 25 propriedades rurais, onde foram coletadas no mês de julho de 2015, totalizando 25 amostras que foram encaminhadas ao laboratório da clínica do leite, para análises de proteína, gordura, lactose, extrato seco desengordurado, sólios totais, contagem de células somáticas e contagem bacteriana total. Considerando a análise dos resultados, observou que a médias para CCS foi de 571x10³ cél.mL; CBT de 5153x10³ UFC.mL; gordura de 3,56%; proteína 3,31%; lactose 4,48%; sólidos totais 12,33% e extrato seco desengordurado 8,77%, foram satisfatórias para os parâmetros físicos e químicos onde não houve muita variação e estão de acordo com a IN 62. Porém os indicadores de qualidade CCS (contagem de células somáticas) e CBT (contagem bacteriana total), na sua média estavam acima do que é previsto pela IN 62 para a região Centro Oeste, refletindo as más condições de higiene empregadas durante o processo de ordenha, o estado sanitário do rebanho e as condições de armazenamento do leite.


Keywords


CBT, CCS, Instrução Normativa 62.

References


ANDRADE, K. D.; RANGEL, A. H. N.; ARAUJO, V. M.; et al. Qualidade do leite bovino em diferentes estações do ano no estado do Rio Grande do Norte. Revista Brasileira de Ciência Veterinária, v. 21, n. 3, p. 213-216, jul./set. 2014

ARCURI, E. F; BRITO, M. A. V. P; BRITO, J. R. F.et al. Qualidade microbiológica do leite refrigerado nas fazendas. Arq. Bras. Med. Vet. Zootec., v.58, n.3, p.440-446, 2006.

BARBOSA, G. J.; NETO, S. G.; QUEIROGA, R. C. R. E; et al. Características físico-químicas e sensoriais de vacas Sindi suplementadas em pastagem. Rev. Bras. Saúde Prod. João Pessoa –PB. n. v.11, n.2, p. 362-370, abril/junho 2010.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instrução Normativa 51, de 18 de setembro de 2002. Regulamento Técnico de Produção, Identidade e Qualidade do Leite Tipo A, tipo B, Tipo C e Cru refrigerado. Diário Oficial da União, Brasília, Seção 1, p.13, 29 set. 2002.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instrução Normativa 62 de 29 de dezembro de 2011. Dispõe sobre regulamentos técnicos de produção, identidade, qualidade, coleta e transporte do leite. Diário Oficial da União, Brasília, Seção 1, 30 dez. 2011.

DESMASURES, N.; GUEGUEN, M., Monitoring the microbiology of high quality milk by monthly sampling over 2 years. Journal of Dairy Research, v. 64, p. 271-280, 1997.

DÜRR, J. W. Como produzir leite de qualidade. 4. ed. Brasília: SENAR, 2012. 44p. Disponível em:

GALVÃO, C.E. Qualidade do leite de vaca: microbiologia, resíduos químicos e aspectos de saúde pública. Campo Grande, 2009. Trabalho de conclusão de especialização – Universidade Castelo Branco- Instituto Qualittas.

GUERREIRO, P. K.; MACHADO, M. R. F.; BRAGA, G. C.; et al. Qualidade microbiológica de leite em função de técnicas profiláticas no manejo de produção. Ciência e Agrotecnologia, Lavras / MG, v.29, n.1, p. 216-222, 2005.

KITCHEN, B. J. Review of the progress of dairy science: bovine mastitis: milk compositional changes and related diagnostic tests. Journal of Dairy Research, London, v.48, n.1, p.167-188, 1981.

LACERDA, L. M.; MOTA, R. A.; SENA, M. J. et al. Contagem de células somáticas, composição e contagem de bacteriana total do leite de propriedades leiteiras nos municípios de Miranda do Norte, Itapecurú-Mirim e Santa Rita, Maranhão. Arquivo do Instituto Biológico. São Paulo. v. 77, n. 2, p. 209-215, abr./jun. 2010. Disponível em: Acesso em: 10 de Out. 2015.

LEITE JR, A. F. S.; TORRANO, A. D. M.; GELLI, D. S. Qualidade microbiológica do leite tipo C pasteurizado, comercializado em João Pessoa, Paraíba. Revista Higiene Alimentar, São Paulo, v. 14, n. 74, p. 45-49, 2000.

PEREDA, J. A. O.; RODRÍGUEZ, M. I. C.; ÁLVAREZ, L. F.; et al. Tecnologia de alimentos. v. 2- Alimentos de Origem Animal. Porto Alegre: Artmed, 2005. 279p.

PERES, J. R. O leite como ferramenta do monitoramento nutricional. In: FÉLIX, H.D. (Ed.). Uso do leite para monitorar a nutrição e o metabolismo de vacas leiteiras. Porto Alegre: Gráfica da UFRGS, 2001. p.30-45.

PINTO. M. S. Legislação sobre qualidade do leite no Brasil. Desafio de cumprimento dos índices de qualidade do leite impostos pela instrução normativa n° 62/2011. Rio de Janeiro: Superintendência Federal da Agricultura, 2012. Disponível em:< http://www.inmetro.gov.br/painelsetorial/palestras/legislacao-sobre-qualidade-do-leite-no-brasil-mayara-souza-pinto.pdf>. Acesso em: 10 de Nov. 2015.

PRATA, Luiz Francisco de. Fundamentos de ciência do leite. FUNEP/UNESP, 2001.

RIBEIRO NETO, A.C.; BARBOSA, S. B. P.; JATOBÁ, R. B. et al. Presença de Células Somáticas em Leite de Tanques no Estado de Pernambuco. In: 47a Reunião Anual da Sociedade Brasileira de Zootecnia, Salvador, 47., 2010, Salvador. Anais Cd... Salvador: UFBA, 2010, 3p.

TIMM, C. D. GONZALEZ, H. L.; OLIVEIRA, D. S. et al. Avaliação da qualidade microbiológica do leite pasteurizado integral, produzido em micro-usinas da região sul do Rio Grande do Sul. Revista Higiene Alimentar, São Paulo, v. 17, n. 106, p. 100-104, 2003.

TRONCO, V. M. Manual para inspeção da qualidade do leite. 2. ed. UFSM, 2003.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n2-143

Refbacks

  • There are currently no refbacks.