Construção de um simulador solar/ Construction of a solar simulator

Paulo Roberto Innocente, Vinicius Boniatti

Abstract


Esse trabalho teve como objetivo a construção de um simulador solar, para testes de células solares e fotoeletroquímicas. A célula fotovoltaica utiliza a luz solar para gerar uma diferença de potencial elétrico em semicondutores afim de aplicar essa tensão em circuitos elétricos externos. As células fotoeletroquímicas utilizam a luz solar para transferir energia aos portadores de carga do semicondutor, com finalidade de que os portadores de carga negativa (elétrons) possam interagir com íons de hidrogênio (H+) contidos na água, gerando assim o gás hidrogênio (H2). O simulador foi construído com uma lâmpada de arco xenônio de descarga de alta pressão, por possuir um espectro eletromagnético semelhante a luz solar. O funcionamento da lâmpada é controlado por um kit de reatores, pois é necessário aplicar por um tempo muito curto uma tensão elétrica de aproximadamente 23 kV para a ionização do gás e em seguida a tensão precisa ser reduzida e a corrente elétrica estabilizada. Para formação de um feixe de luz intenso foi necessário o uso de um espelho parabólico e lentes convergentes. Também foi acrescentado um sistema modulação, para que o tempo de incidência da luz sobre a amostra seja controlada. Medições da intensidade do feixe e do efeito da luz sobre células fotoeletroquímicas foram medidos em um laboratório especializado e comparados com o simulador solar comercializado pela empresa americana ABET. As medidas mostraram que o simulador solar construído nesse trabalho tem um feixe luminoso com características próximas do espectro padrão definido pela Sociedade Americana de Ensaios e Materiais e usado como referência na grande maioria dos trabalhos científicos, chamado de AM1,5G. Assim, foi possível construir um simulador solar de baixo custo, para utilizar no laboratório em teste de células fotovoltaicas e fotoeletroquímicas.


Keywords


Simulador Solar, Xenônio.

References


International Energy Agency. Energy Technology Perspectives 2014.

Gur, T. M., Bent, S. F. & Prinz, F. B. Nanostructuring Materials for Solar-to-Hydrogen Conversion. J. Phys. Chem. 118, 21301–21315 (2014).

Yu, L., Xiong, L. & Yu, Y. Cu2O Homojunction Solar Cells : F-Doped N- type Thin Film and Highly Improved Efficiency Cu2O Homojunction Solar Cells : F Doped N type Thin Film and Highly Improved E ffi ciency. (2015). doi:10.1021/acs.jpcc.5b06736

Paracchino, A., Laporte, V., Sivula, K., Grätzel, M. & Thimsen, E. Highly active oxide photocathode for photoelectrochemical water reduction. Nat. Mater. 10, 456–61 (2011).

Murphy, A. B. et al. Efficiency of solar water splitting using semiconductor electrodes. Int. J. Hydrogen Energy 31, 1999–2017 (2006).

Green rhino energy. “Green rhino energy". http://www.greenrhinoenergy.com/solar/radiation/spectra.php (acesso em 2 -março-2017) (2017). Available at: http://www.greenrhinoenergy.com/solar/radiation/spectra.php. (Accessed: 2nd March 2017)

Innocente, P. R. Fotocatodos de Cu2O. (Tese de doutorado - departamento de Física da Universidade Federal de Santa Catarina, 2017).

Golden, T. D. et al. Electrochemical Deposition of Copper ( I ) Oxide Films. Chem. Mater. 4756, 2499–2504 (1996).

Brandt, I. S. et al. Structural and optical properties of Cu 2 O crystalline electrodeposited fi lms. Thin Solid Films 562, 144–151 (2014).

Wu, L., Tsui, L., Swami, N. & Zangari, G. Photoelectrochemical Stability of Electrodeposited Cu 2 O Films. J. Phys. Chem. 114, 11551–11556 (2010).

Morales-Guio, C. G., Tilley, S. D., Vrubel, H., Grätzel, M. & Hu, X. Hydrogen evolution from a copper(I) oxide photocathode coated with an amorphous molybdenum sulphide catalyst. Nat. Commun. 5, 3059 (2014).




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n2-138

Refbacks

  • There are currently no refbacks.