A Importância da Biossegurança na Produção e Utilização de Produtos Naturais e Fitoterápicos/ The Importance of Biosafety in the Production and Use of Natural and Herbal Products

Danielle Feijó de Moura, Marcela de Albuquerque Melo, Dayane de Melo Barros, Tamiris Alves Rocha, Francyelle Amorim Silva, Gabriela Maria da Silva, Gerliny Bezerra de Oliveira, Sandrelli Meridiana de Fátima Ramos dos Santos Medeiros, Iago Dillion Lima Cavalcanti, Daniel Charles dos Santos Macêdo, José Cleberson Santos Soares, Jaqueline Siqueira Nunes, Tâmara Thaiane Almeida Siqueira, Andreza Roberta de França Leite, Maurilia Palmeira da Costa, Marcelino Alberto Diniz, Maurianny Palmeira da Costa, Jaciane Maria Soares dos Santos, Roberta de Albuquerque Bento da Fonte

Abstract


As plantas medicinais vêm sendo utilizadas desde os tempos mais remotos e tem um papel relevante na terapêutica de diversas doenças, no entanto, o uso indiscriminado oferece riscos à saúde humana, uma vez que, essas plantas podem ser consideradas tóxicas. Dessa forma, é importante que tanto os profissionais quanto os consumidores conheçam os riscos relacionados à exposição a agentes potencialmente nocivos. Por isso, a manipulação, produção e utilização desses fitoterápicos devem estar de acordo com as boas práticas, levando em consideração a biossegurança. O objetivo do presente estudo foi descrever a importância da biossegurança na utilização de produtos naturais e fitoterápicos, ressaltando os riscos da falta de conhecimento das normas de biossegurança. O estudo consistiu em uma revisão narrativa realizada por meio de consultas nas bases dados, Biblioteca Virtual em Saúde (BVS), SciELO e Periódicos CAPES sobre a biossegurança na utilização de produtos naturais e fitoterápicos. O levantamento bibliográfico baseou-se em artigos científicos completos publicados nos idiomas, português, inglês e espanhol, com dimensão temporal entre 2010 e 2019. A utilização de produtos naturais fabricados a partir de plantas é de relevante importância para assegurar o uso adequado dos mesmos, sendo necessária a implantação de práticas comunicativas que visem informar a população sobre o uso de plantas medicinais e fitoterápicos de modo apropriado bem como estabelecer métodos de fiscalização e biossegurança.

 


Keywords


Biossegurança. Fitoterápicos. Plantas medicinais. Revisão.

References


ALECRIM, J. S. et al. Riscos da não Observação dos Critérios de Biossegurança na Produção e Utilização de Fitoterápicos: Uma Revisão de Literatura. Brazilian Journal of Surgery and Clinical Research, v. 18, n.2, p.118-122, 2017.

BALBINO, E. E., DIAS, M. F. Farmacovigilância: um passo em direção ao uso racional de plantas medicinais e fitoterápicos. Revista Brasileira de Farmacognosia, v. 20, n. 6, p. 992-1000, 2010.

Brasil. Ministério da Saúde. Resolução RDC nº 14, de 31 de março de 2010. Dispõe sobre o registro de medicamentos fitoterápicos. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 5 abr 2010. Seção 1, nº 63, p. 85.

BRUNING, M. C. R.; MOSEGUI, G. B. G.; VIANNA, C. M. M. A utilização da fitoterapia e de plantas medicinais em unidades básicas de saúde nos municípios de Cascavel e Foz do Iguaçu-Paraná: a visão dos profissionais de saúde. Ciência & saúde coletiva, v. 17, p. 2675-2685, 2012.

CONCEIÇÃO, G. M. et al. Plantas do cerrado: comercialização, uso e indicação terapêutica fornecida pelos raizeiros e vendedores, Teresina, Piauí. Scientia Plena, v. 7, n. 12, 2012.

EKOR, Martins. O crescente uso de fitoterápicos: questões relacionadas a reações adversas e desafios no monitoramento da segurança. Fronteiras em farmacologia, v. 4, p. 177, 2014.

GRIBNER, C.; RATTMANN, Y. D.; GOMES, E. C. Fitoterápicos na Atenção Básica à Saúde: uma Experiência na Região Sul do Brasil. Visão Acadêmica, v. 20, n. 2, 2019.

KUNLE, O. F. et al. Standardization of herbal medicines-A review. International Journal of Biodiversity and Conservation, v. 4, n. 3, p. 101-112, 2012.

OLIVEIRA, F. G. S., LEHN, C. R.. Riscos e perspectivas na utilização de fitoterápicos no Brasil. Opará: Etnicidades, Movimentos Sociais e Educação, v. 3, n. 4, p. 35-44, 2015.

PIRIZ, M. A. et al. Uso de plantas medicinais: impactos e perspectivas. Revista Eletrônica de Enfermagem, v. 15, n. 4, p. 992-999, 2013.

SANTOS, L. et al. Análise sobre a fitoterapia como prática integrativa no Sistema Único de Saúde. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, v. 13, n. 4, p. 486-91, 2011.

SOUSA, A.; SANTOS, A.; ROCHA, R. Plantas Medicinais em Enfermagem: Os Saberes Populares e o Conhecimento Científico. Revista Eletrônica Extensão em Debate, v. 6, n. 1, p. 48-67, 2019.

SANTANA, M. D. O et al. O Poder das Plantas Medicinais: uma Análise Histórica e Contemporânea sobre a Fitoterapia na visão de Idosas. Multidebates, v. 2, n. 2, p. 10-27, 2018.

SANTANA, L.L.; SILVA, A. C. A. Os Riscos do Uso de Plantas Medicinais Durante o Período Gestacional. Acta Toxicológica Argentina, v. 26, n. 3, 2019.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n2-125

Refbacks

  • There are currently no refbacks.