Avaliação das notificações de lesões de pele de um hospital de ensino / Evaluation of skin injury notifications of a teaching hospital

Simone Viana da Silva, Danielle Bordin, Clóris Regina Blanski Grden, Melina Lopes Lima, Guilherme Arcaro, Luciane Patrícia Andreani Cabral

Abstract


Introdução:as lesões de pele estão presentes na rotina hospitalar, sendo que por vezes estão classificadas como eventos adversos por relação com a assistência prestada. A notificação voluntária desses eventos é uma importante ferramenta de gestão para aprimoramento da assistência. Objetivo: analisar as notificações voluntárias de lesões de pele e avaliação das informações nelas contidas realizadas em um hospital de ensino. Metodologia: trata-se de um estudo transversal, retrospectivo e descritivo, de abordagem quantitativa, que analisou registros eletrônicos das notificações voluntárias de lesões de pele, notificadas no período de 2018 em um Hospital Universitário. Resultados: do total de notificações, 20,3% estiveram relacionados a lesões de pele, as lesões por pressão correspondendo a 73%, hematomas/soromas 7% e flebite 6%. Quanto ao local, a região mais frequente do aparecimento das lesões foi a sacral (37%), seguida dos membros inferiores (32,4%). O setor com maior número de notificações foi a UTI adulto (62,9%). Relativo à qualidade das informações, observou-se que os registros, principalmente quanto as características das lesões, mostraram-se incompletos. A respeito das informações contidas nas notificações, o local da lesão estava descrito em 98,7% delas, contudo, a origem da lesão apenas em 21,4%, quantidade de lesões 16%, estágio 63%, tamanho da lesão 7,2%, aspecto da pele perilesional11,6%, presença de exsudato 2,8%, tipo de tecido encontrado no leito 4,1% e presença de infecção 0,3%. Conclusão:a inclusão de campos obrigatórios, opções de múltipla escolha e a sensibilização dos profissionais são estratégias que podem otimizar as notificações e fidedignidade dos dados.


Keywords


Ferimentos e Lesões, Pele, Enfermagem, Notificação de Evento Adverso.

References


ANVISA. Relatório nacional de incidentes relacionados à assistência à saúde Boletim Segurança do Paciente e Qualidade em Serviços de Saúde. 2017. Disponível em: https://www20.anvisa.gov.br/segurancadopaciente/index.php/publicacoes/category/relatorios-dos-estados. Acesso em 11 out. 2019.

AGRA, G.et al. Conhecimento e prática de enfermeiros no cuidado a pacientes com feridas tumorais malignas. Revista Cuidarte, v. 8, n. 3, p. 1849-62, 2017.

ALVES, M.F.T; CARVALHO, D.S; ALBUQUERQUE, G.S.C. Motivos para a não notificação de incidentes de segurança do paciente por profissionais de saúde: revisão integrativa. Ciência Saúde Coletiva, v. 24, p. 2895-2908, 2019.

ARAUJO, J.S. et al. Conhecimento dos enfermeiros sobre evento adverso e os desafios para a sua notificação. Cogitare Enfermagem, v. 21, n. 4, 2016.

BITENCOURT, E.S.et al. Prevalência de flebite relacionada ao uso de dispositivos intravenosos periféricos em crianças. CogitareEnferm, v. 23, n. 1, p. e49361, 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Anvisa. Fiocruz. Protocolo de prevenção para úlcera por pressão. Brasília: MS, 2013.

BRASIL. Ministério da Saúde. Documento de referência para o Programa Nacional de Segurança do Paciente.Brasília: Ministério da Saúde, 2014.

BULECHEK, G.M. et al. Classificação das intervenções de enfermagem – NIC. 5ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier; 2016.

CAMPANILI, T.C.G.F. et al. La incidencia de las úlceras por presión en los pacientes de unidad de cuidados intensivos cardiopneumológica. Rev. esc. enferm. USP, v. 49, n. spe, p. 7-14, 2015.

COSTA, S.G.R.F. et al. Caracterização das quedas do leito sofridas por pacientes internados em um hospital universitário. Revista gaúcha de enfermagem. vol.32, n.4, p. 676-681, 2011.

DANSKI, M.T.R. et al. Complicações relacionadas ao uso do cateter venoso periférico: ensaio clínico randomizado. Acta paul. enferm. v.29, n.1, p.84-92, 2016.

FURINI, A.C.A; NUNES, A.A; DALLORA, M.E.L.V. Notificação de eventos adversos: caracterização dos eventos ocorridos em um complexo hospitalar. Revista Gaúcha de Enfermagem, v. 40, e20180317, p. 1-9, 2019.

LANZILLOTT, L.S. et al. Eventos adversos e incidentes sem dano em recém-nascidos notificados no Brasil, nos anos 2007 a 2013. Cadernos de Saúde Pública, v. 32, p. e0010041F.Sp. 1-13, 2016.

MAIA, C.S. et al. Notificações de eventos adversos relacionados com a assistência à saúde que levaram a óbitos no Brasil, 2014-2016. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 27, n.2, p. 1-10, 2018.

MATOZINHOS, F.P. et al.Fatores associados à incidência de úlcera por pressão durante a internação hospitalar. RevEscEnfermUSP, v. 51, e03223,p. 1-7, 2017.

MELLEIRO, M.M. et al. Indicadores de prevalência de úlcera por pressão e incidência de queda de paciente em hospitais de ensino do município de São Paulo. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v. 49, n. spe2, p. 55-59, 2015.

MIRA, J.J. et al.Elementos clave en la implantación de sistemas de notificación de eventos adversos hospitalarios enAmérica Latina. RevPanam Salud Publica, v. 33, n. 1, p. 1-7, 2013.

MITTAG, B.F. et al. Cuidados com Lesão de Pele: ações da Enfermagem. Estima, v. 15, n. 1, p. 19-25, 2017.

MOREIRA, I. A. Notificação de eventos adversos: o saber e o fazer de enfermeiros. 2018. Dissertação (Mestrado em Saúde Coletiva) - Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2018.

NASCIMENTO, D.C. et al. Registro de lesão por pressão: O que é abordado?.Revista Hospital Universitário Pedro Ernesto, v. 15, n. 4, p. 343-348, 2016.

PARANAGUÁ, T.T.B. et al.Prevalência de incidentes sem dano e eventos adversos em uma clínica cirúrgica. Acta Paul Enferm, v. 26, n. 3, p. 256-62, 2013.

PAIVA, M.C.M.S. et al. Motivos da equipe de enfermagem para a notificação de eventos adversos. Revista Latino-Americana de Enfermagem, v. 22, n. 5, p. 747-754, 2014.

PRADO, A.R.A. et al. O saber do enfermeiro na indicação de coberturas no cuidado ao cliente com feridas. Estima–BrazilianJournalofEnterostomalTherapy, v. 14, n. 4, p. 175-182, 2016.

ROGENSKI, N.M.B; KURCGANT, P. Incidência de úlceras por pressão após a implementação de um protocolo de prevenção. Revista Latino-Americana de Enfermagem, v. 20, n. 2, p. 1-6, 2012.

ROJAS-SÁNCHEZ, L.Z; PARRA, D.I; CAMARGO-FIGUERA, F.A. Incidencia y factoresasociados al desarrollo de flebitis: resultados delestudio piloto de una cohorte/Incidência e fatores associados com o desenvolvimento de flebite: resultados do estudo piloto de uma coorte. Revista de Enfermagem Referência, v. 4, n. 4, p. 61, 2015.

SANTOS, C.T. et al. Indicador de qualidade assistencial úlcera por pressão: análise de prontuário e de notificação de incidente. Rev. Gaúcha Enferm, v. 34, n. 1, p. 111-118, 2013.

SIQUEIRA, C.L. et al. Gerenciamento de risco: percepção de enfermeiros em dois hospitais do sul de Minas Gerais. REME rev. min. Enferm, v. 19, n. 4, p. 919-926, 2015.

STELLUTE, G. et al. Conhecimento de enfermeiros de Unidades de Terapia Intensiva acerca da notificação de eventos adversos. Arquivos Médicos dos Hospitais e da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, v. 63, n. 2, p. 77-84, 2018.

TEIXEIRA, A.K.S. et al. Incidência de lesões por pressão em Unidade de Terapia Intensiva em hospital com acreditação. ESTIMA, v. 15, n. 3, 152-160, 2017.

WHO. World Alliance for Patient Safety: forward programme. Geneva: WHO, 2005.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n2-112

Refbacks

  • There are currently no refbacks.