O currículo e as diferenças de gênero e sexualidade na EJA/ Curriculum and gender and sexuality differences in EJA

José Clebson dos Santos, Jenaice Israel Ferro

Abstract


A contemporaneidade nos apresenta uma vasta discussão sobre vários temas que fazem parte do contexto social, e necessariamente são discutidos em sala de aula. A sociedade como um todo, através dos veículos de comunicação tem-se falado muito em gênero e sexualidade, e trabalhar essas questões na modalidade de educação de jovens, adultos e idosos se apresenta como uma alternativa favorável para estabelecer reflexões que tentem evitar certas atitudes/ações preconceituosas e normatizadoras, pré-estabelecidas pelas relações poder na sociedade, já que o público da EJA é caracterizado por abranger alunos que por motivos de origem social, econômica ou de adequação, não tiveram acesso ao ensino regular e a oportunidade de concluir a educação básica em idade certa. Assim, as discussões de gênero e sexualidade podem contribuir para intervir em um contexto que já apresenta por si só problemas com preconceitos e rótulos (ARROYO, 2001; LOPES; SOUSA, 2005).Entretanto, para discutir essas questões em qualquer modalidade de ensino, uma analise sobre os fatores que influenciam as concepções de gênero e sexualidade em nossa sociedade deve nos remeter a observação do contexto cultural (HALL, 2001). Este trabalho remete-se a uma pesquisa qualitativa exploratória no Referencial Curricular e na rede pública estadual de Alagoas, objetivando analisar as temáticas de gênero e sexualidade no currículo da EJA, já que foi questionado o seu currículo, suas propostas, medidas pedagógicas e se essas são viáveis à discussão de gênero e sexualidade no ambiente escolar dessa modalidade de ensino, às identidades desses sujeitos, à diversidade cultural que a caracteriza e a discussão de um currículo que se tem na prática. Para viabilizar uma prática pedagógica voltada para o diálogo com essas várias identidades, foram analisados alguns documentos oficiais como: Os Parâmetros Curriculares Nacionais, Temas Transversais (BRASIL, 1998), Parecer nº 11/2000- CNE/CEB, Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação de Jovens e Adultos (BRASIL, 2000), Lei de Diretrizes e Bases da Educação (BRASIL, 2010), além de outros referenciais que fundamentaram essa análise (MOURA 2014, FERRO 2016), os quais permitiram à escola a construção do seu currículo para atender às especificidades de seus sujeitos e promoção da multiculturalidade.


Keywords


Currículo. Diversidade. EJA. Gênero. Sexualidade.

References


ARILHA M, CALAZANS G. Sexualidade na adolescência: o que há de novo? In: Comissão Nacional de População e Desenvolvimento - CNPD. Jovens acontecendo na trilha das políticas públicas. Brasília: CNPD, 1998. Vol. II 1998. Vol. II

ANDRÉ, M.E.D.A.de. Etnografia da prática escolar. Campinas, SP: Papirus, 13ªed.2007 (Série Pedagógica).

BRASIL, Ministério da Educação e cultura, MEC, SEF- Parâmetros Curriculares Nacionais. Temas Transversais. 3 ed. Brasília, 1998 (volume 1).

BRASIL, Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Pluralidade Cultural, orientação sexual. / Secretaria de Educação Funfamental. Brasília: MEC / SEF, 1997.

CANDAU, V. M. (2009b) Educação Escolar e Cultura(s): multiculturalismo, universalismo e currículo; In: CANDAU. V. M. (org) Didática: questões contemporâneas. Rio de Janeiro: Ed. Forma & Ação.

FOUCAULT, M.. História da sexualidade. volume 1. 21ª reimpressão. Rio de Janeiro: Graal, 2011.

FREITAS, J.G.O.. No quadro: o tema diversidade sexual na escola, com foco na homossexualidade. Nas carteiras escolares: os professores. 2010. 254p. Tese (Doutorado). Faculdade de Educação, UFRJ, Rio de Janeiro, 2010.

GIL, Antonio C. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2002.

GOLDENBERG, M. A arte de pesquisar: como fazer pesquisa qualitativa em Ciências Sociais. 7.ed. Rio de Janeiro: Record, 2003

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. 9. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2004.

LOURO, G. L.. Gênero, História e Educação: construção e desconstrução. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 20, n.2, p. 101-132, 1995.

______________. Currículo, gênero e sexualidade. Porto: Editora Porto, 2000.

LUDKE, M. & ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: Editora Pedagógica e Universitária, 1986.

MEYER, Dagmar E. Estermann (organizadora). Saúde e Sexualidade na Escola. Porto Alegre: Mediação, 1998.

MOREIRA, Antônio Flávio, CANDAU, V. M. Multiculturalismo: diferenças culturais e práticas pedagógicas. 2. ed. - Petrópolis, RJ : Vozes, 2008.

S.C.M. (Orgs). Inclusão em Educação: diferentes interfaces. Curitiba: Editora CRV, 2009, p. 145-172.

SANTOS, M. P..; SOUSA, L. P. F.. Inclusão: Respeito às Diferenças. Cadernos Pestalozzi, Rio de Janeiro, v. II, n.3, p. 155-163, 2000.

SANTOS, M. P.; PAULINO, M.M.. Inclusão em Educação: uma visão geral. In: SANTOS, M. P.; PAULINO, M.M. (Org.). Inclusão em Educação: culturas, políticas e práticas. São Paulo: Cortez, 2006, p. 11-15.

SILVA, Tomas Tadeu da. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. 2° edição. Belo Horizonte: Autentica, 2005

SAWAIA, B. (Org.). As Artimanhas da exclusão: análise psicossocial e ética da desigualdade social. Petrópolis, RJ: Vozes, 2001.

SCOTT, J.. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 20, n. 2, p. 71-99, julho/dezembro, 1995.

TRIVINOS, Augusto Nibaldo Silva. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

YIN, R.K. Estudo de Caso: Planejamento e Métodos. Trd. Daniel Grassi. 3ª ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n2-111

Refbacks

  • There are currently no refbacks.