Infâncias desvalidas no Piauí: Percursos de pesquisa/ Disabled children in Piauí: Research pathways

Thatianny Jasmine Castro Martins de Carvalho, Maria Juraci Maia Cavalcante

Abstract


Este artigo trata do encaminhamento metodológico do meu projeto de tese sobre a Infância Desvalida no Piauí, em perspectiva comparada Brasil-Portugal-Angola, que se encontra em fase de delineamento para qualificação. A abordagem teórico-metodológica utilizada envolve o campo da História Social, cujo referencial tem em Philipe Ariès (1986) um ponto de ancoragem, associado a algumas pesquisas encontradas no Brasil sobre essa temática, a exemplo de Mary Del Priori (1996),  Maria Luiza Marcílio (1998) e Laura Alves (2014). Essas leituras permitem auferir que a variedade de sociabilidades e as transformações sociais, políticas e econômicas que atingem cada grupo social constroem uma ideia de infância, estando a noção dessa fase da vida  presente com algumas variações em diferentes países. Discute o papel das fontes documentais, a partir de um Inventário Analítico para a definição de percursos e possibilidades da pesquisa posta em movimento. Aponta como resultados, que: 1) sob critério de pertencer à classificação de “Infância Desvalida”, do século XIX aos dias atuais, está a presença ou ausência de direitos e/ou cuidados especiais; 2)  o termo “crianças desvalidas” se refere à existência ou inexistência de políticas públicas de assistência, educação e saúde; 3) há a necessidade de contextualização histórica das evidências encontradas nos documentos consultados.


Keywords


Infância Desvalida – Fontes Documentais – História Social

References


ALVES, Laura. A Infância em Construção: as fontes de investigação. In: ARAÚJO, Sônia, ALVES, Laura, BERTOLO, Sonia. Pesquisa e Educação na Amazônia. Belém, EDUEPA, 2014. pp. 35 – 52.

ARAÚJO, Maria N. de. A miséria e os dias: história social da mendicância no Ceará. São Paulo: Hucitec, 2000.

ARDUINI, Juvenal. Antropologia: ousar para reinventar a humanidade. São Paulo: Paulus, 2002.

ÀRIES, Philippe. História Social da Criança e da Família. 2 ed. Rio de Janeiro: Guanabara, 1986.

BONZATTO, Eduardo Antonio. Aspectos da História da África, da Diáspora Africana e da Escravidão sob a perspectiva do Poder Eurocêntrico. São Paulo: Ícone, 2011.

CAVALCANTE, Maria Juraci Maia. História da Educação de Portugal: discurso, cronologia e comparação. Um ensaio de crítica histórica. Fortaleza, Edições UFC, 2008.

COMENIUS, Jan Amos. A escola da infância. São Paulo: Unesp, 2011.

FARIA, Ana Lúcia Goulart de; FINCO, Daniela (Org.). Sociologia da Infância no Brasil. Campinas, SP: Autores Associados, 2011.

DEL PRIORE, M. (Org). História da Criança no Brasil. São Paulo: Contexto, 1991.

GALVÃO, Izabel. Henri Wallon: uma concepção dialética do desenvolvimento infantil. 23 ed. Petrópolis: Vozes, 2014.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 1989.

MARCÍLIO, Maria Luiza. História social da criança abandonada. São Paulo: Editora Martins Fontes, 1998.

PIAGET, J. A formação do símbolo na criança: imitação, jogo e sonho, imagem e representação. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.

RIZZINI, Irene. O século perdido: raízes históricas das políticas públicas para a infância no Brasil. Rio de Janeiro: Editora AMAIS, 1997.

SANTOS, Maria Walburga dos. Crianças no tempo presente: a sociologia da infância no Brasil. Revista Pro-Posições. V.23.N.2. Campinas, 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-73072012000200017 . Acesso em 02/04/2019.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. O espetáculo das raças. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

SILVÉRIO, Valter Roberto. História Geral da África: Pré-história ao Século XVI. Brasília: UNESCO, MEC, UFSCar, 2013.

SILVÉRIO, Valter Roberto. História Geral da África: Século XVI ao Século XX. Brasília: UNESCO, MEC, UFSCar, 2013.

UNESCO. Brasil-África: herança cultural e interculturalidade. Brasília: MEC, 2012.

VYGOTSKY, L. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1998.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n2-089

Refbacks

  • There are currently no refbacks.