Arquétipos e Jung: a importância dos contos de fadas para a contextualização do jovem e a prevenção de drogas/ Archetypes and Jung: the importance of fairy tales for the contextualization of youth and drug prevention

Luíza de Cássia Batista, Fernanda Pimentel Santos

Abstract


Há muitos séculos se contam histórias, mas, a literatura dirigida à criança em formato de livro é bem mais recente. O surgimento da literatura infantil se deu em meados do século XVIII durante a reorganização do ensino burguês. Até esse período, não havia infância no sentido em que hoje é conceituada e, consequentemente, não havia literatura infantil. Tendo em vista o quanto a literatura infantil auxilia o crescimento intelectual de crianças e jovens, assim como exterioriza medos e aflições, esse projeto tem como seu objetivo elucidar a importância dos contos de fadas para a exteriorização dos medos reais dos jovens, auxiliando a prevenção de drogas. Através de uma análise bibliográfica, discute-se a formação dos primeiros contos, a história da psicanálise de Jung e seus principais conceitos. Após tal apresentação, discute-se, ainda, o consumo de drogas ilícitas no mundo dos jovens e suas consequências. Ao final, como os contos podem auxiliar na prevenção de drogas. Busca-se, com essa pesquisa, apontar o quanto os contos de fadas podem ser úteis, não apenas para o universo literário e para o auxilio de leitura e escrita, mas, quando abordados de forma correta, os contos podem mostrar um mondo fantasioso que pode fazer referência com a realidade.


Keywords


Jovens; Prevenção de drogas; Psicanálise.

References


ABRAMOVICH, Fanny. Literatura Infantil: gostosuras e bobices. 5ª ed. São Paulo: Scipione. 2008.

ALBINO, Lia Cupertino Duarte. A literatura infantil no Brasil: origem, tendências e ensino. Disponível em: < https://docplayer.com.br/8682229-A-literatura-infantil-no-brasil-origem-tendencias-e-ensino.html > Acesso em: 20 dez. 2019.

ALMEIDA, Marilene Tavares. O conto de fada numa abordagem Junguiana. São Paulo. 2007. Disponível em:

de-fada-numa-abordagem-junguiana/> Acesso em: 20 dez. 2019.

ARAÚJO, F. M. S. C.; AMARI, F. N.; OLIVEIRA, A. M. M. A Função Dos Contos De Fadas Na Constituição Do Sujeito Psicanalítico: Uma Análise A Partir Do Conto De Chapeuzinho Vermelho. Akrópolis Umuarama, v. 19, n. 3, p. 187-202, jul./set. 2011.

AZEVEDO, R. Literatura infantil: origens, visões da infância e certos traços populares. Publicado in Presença Pedagógica - Belo Horizonte - Editora Dimensão - Nº 27 - mai/ jun 1999. http://www.ricardoazevedo.com.br/wp/wp-content/uploads/Literatura-infantil.pdf Acesso em: 28/12/2019

BETTELHEIM, B. A psicanálise dos contos de fadas. 37. ed. Tradução Arlene Caetano. São Paulo: Paz e Terra, 2019.

CARRANZA, Doris Violeta Velásquez; PEDRAO, Luiz Jorge. Satisfação pessoal do adolescente adido às drogas no ambiente familiar durante a fase de tratamento em um instituto de saúde mental. Rev. Latino-Am. Enfermagem [online]. 2005, vol.13.< http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-11692005000700011&script=sci_abstract&tlng=pt> Acesso em: 28/12/2019

CORSO, D. L.; CORSO, M. Fadas no divã: psicanálise nas histórias infantis. Porto Alegre: Artmed, 2006.

- ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA E ADMINISTRAÇÃO PENITENCIARIA COORDENADORIA DE ANÁLISE E PLANEJAMENTO, Relatório Estatistico Criminal Quantitativo de drogas aprendidas no estado do Paraná segundo município e tipo de droga 2017. Disponível em: http://www.seguranca.pr.gov.br/arquivos/File/Relatorio_Drogas_Parana_Municipios_4Trimestre_2017.pdf>. Acesso em 17/03/2019

MARQUÊS, A; CRUZ, M. O adolescente e o uso de drogas. Rev. Bras. Psiquiatr. vol.22 s.2 São Paulo Dec. 2000. Disponível em: Acesso em: 15/11/2019.

JUNG, Os arquétipos e o inconsciente coletivo. 5.ed. [tradução Maria Luiza Appy, Dora Mariana R. Ferreira da Silva]. Petrópolis, Rj: Vozes, 2007.

PIAGET, J. n. Seis estudos de Psicologia. 21ª ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995.

PRATTA; BRANCO; SANTOS, O Processo Saúde-Doença e a Dependência Química: Interfaces e Evolução. Universidade de São Paulo, SP. 2009.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n2-084

Refbacks

  • There are currently no refbacks.