Analise das áreas externas de dois Campi da Unirio considerando o bem-estar/ Analysis of the external areas of two Unirio Campi considering welfare

Genes de Lima Martins Neto, Rodrigo Ribeiro Tarjano Leo

Abstract


A falta de condições básicas de moradia e laser nas grandes cidades afeta a população de uma maneira geral, levando a processos de insatisfações diversas. O paisagismo em áreas urbanas apresenta-se como expressão artística e que pode mitigar estresses. Essas áreas são projetadas com o intuito de seus elementos dialogarem para estimular os sentidos de seus visitantes. Áreas verdes em Universidades são vistas somente como elemento paisagístico. Porém, além da questão estética e recreativa, também poderiam ser utilizadas para atividades didáticas com aulas presenciais ou de extensão. Dois Campi da Unirio foram avaliados para determinar quantitativamente as composições paisagísticas dos espaços externos e potenciais usos didáticos e recreativos. A área estudada se localiza na Av. Pasteur n° 458 e 436 no Bairro da Urca, Cidade do Rio de Janeiro – RJ. Nos dois Campi as áreas foram sistematizadas como área de translado e áreas recreativas/contemplativas. Foram definidas 17 áreas externas aos Centros Acadêmicos. Para cada área externa foram feitos levantamentos de todas as espécies vegetais encontradas, assim como dos demais componentes paisagísticos presentes. Foi constatado neste trabalho que 71% dos espaços externos são áreas de translado e apenas 29% destinam-se a áreas de contemplação. Algumas áreas aparecem ressignificadas, com grafites e uso de cores nos elementos destinados a permanência. As espécies mais prevalentes foram Polyscias guilfoylei (W. Bull.) LH Bailey, a árvore da felicidade, Alpinia purpurata (Vieill.) K. Schum, popularmente chamada de Alpinia e Cordyline fruticosa (L.) A. Chev. a Dracena Vermelha. A carência de áreas de contemplação destinadas ao convívio e lazer pode ter influenciado o processo de ressignificação encontrado neste trabalho. Grafites em vias de acesso e em áreas de contemplação, cores vivas em elementos de permanência e vegetação colorida ajudam a aliviar estados de estresses e interrompem a monotonia.


Keywords


UNIRIO, paisagismo, ornamentação.

References


ABBUD, BENEDITO. Criando paisagens: guia de trabalho em arquitetura paisagística. 4ª edição, editora Senac, São Paulo, 2010, 207p.

ANGELIS, B. L. D., et al. Metodologia para levantamento, cadastramento, diagnóstico e avaliação de praças no Brasil. Engenharia Civil, v. 4, n. 1, p. 57-70, 2004.

ANGEOLETTO, F., SANTOS, J.W.M.C. Los biólogos brasileños no habitan en el planeta ciudad:

por qué es urgente formar ecólogos urbanos. Revista Espaço Acadêmico, n° 165, 2015.

ANTUNES, S. B. et al. Ensino da Botânica na prática: visitas guiadas ao Jardim Didático da Unirio. Revista Raízes e Rumos, Revista da Pró-Reitoria de Extensão e Cultura – UNIRIO, v. 1, n. 1, 2013.

APG III THE ANGIOSPERM PHYLOGENY GROUP (2009). An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG III. Botanical Journal of the Linnean Society, 161, 105–121, 2009.

ARAGÃO, S. A casa, o jardim e a rua no Brasil do século XIX. Em Tempo de Histórias - Publicação do Programa de Pós-Graduação em História,PPG-HIS/UnB, n.12, Brasília, 2008

BARBIERE, L. R. et al. Influência da vegetação no conforto térmico da UTFPR Campus – Campo Mourão – PR. Rev. GEOMAE Campo Mourão, PR v.8n.Especial SIAUT p. 40 – 49, 2017

BARGOS, D. C. Cartografia das áreas verdes urbanas: efetividade e representação da influência no espaço urbano em Paulínia (SP). Tese de doutorado, Universidade Estadual de Campinas, 2015.

CARIUS, D. N. A Importância do Uso da Cor dos Sentimentos dos Enfermeiros a Nível Hospitalar. Dissertação de Mestrado. Instituto de Ciências Biomédicas de Abel Salazar da Universidade do Porto, 2011.

CARVALHO, G. M., ROQUE, N., GUEDES, M. L. S. Levantamento das espécies arbóreas da Universidade Federal da Bahia, Salvador, Bahia. SITIENTIBUS SÉRIE CIÊNCIAS BIOLOGICAS 7 (4): 377-387, 2007.

CARVALHO, I. B.; GOSLING, M. S. Parques verdes na cidade de Belo Horizonte: atributos e pesos na perspectiva da ambiência. Podium, v. 8, n°. 1, p. 115-127, 2019.

CHAMAS, C. C., MATTHES, L. A. F. Método para levantamento de espécies nativas com potencial ornamental. Revista Brasileira de Horticultura Ornamental, Campinas. v. 6, n. 1/2, p. 53-63, 2000.

COSTA, L. B. D. S., PIRES, C. D. S., ANJOS, J. S. D., CORREIA, B. E. F., ALMEIDA JR, E. B. D. Floristic survey of ornamental plants used in Dom Delgado University City at the Universidade Federal do Maranhão, São Luís, Maranhão State, Brazil. Ornamental Horticulture, 23(4), 451-459, 2017.

CUPERTINO, M. A., EISENLOHR, P. V. Análise florística comparativa da arborização urbana nos campi universitários do Brasil. Bioscience Journal, v. 29, n. 3, 2013.

DUARTE, T. E. P. N. et al. Reflexões sobre arborização urbana: desafios a serem superados para o incremento da arborização urbana no Brasil. Rev. Agro. Amb., v. 11, n. 1, p. 327-341, jan./mar. 2018.

EISENLOHR, P. V., OKANO, R. M. D. C., VIEIRA, M. F., LEONE, F. R., STRINGHETA, Â. C. O. Flora fanerogâmica do campus da Universidade Federal de Viçosa,Viçosa, Minas Gerais. Revista Ceres, v. 55, n°4, p. 317-326, 2008.

FREIRE, M. G. M., MUSSI-DIAS, V. Ornamental use of plants from the Restinga. Ornamental Horticulture, v. 25, n. 1, p. 55-64, 2019.

GÂNDARA, J. M. G., SILVA, E. K. L., VIANA, M. D. S., CARVALHO, R. C. O. Sementes da Mata Atlântica: conformação do produto cultural para o destino Itacaré–Bahia. CULTUR-Revista de Cultura e Turismo, v. 5, n.1, p. 03-18, 2011.

INTERNATIONAL PLANT NAMES INDEX. Royal Botanic Gardens, Kew Disponível em: https://www.ipni.org/, 2019.

LIMA, V., AMORIM, M. C. C. T. A importância das áreas verdes para a qualidade ambiental das cidades. Revista Formação, v. 1, n. 13, 2006.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. 5ª edição. Nova Odessa, SP: Editora Plantarum, 2008, 384p.

LORENZI, H. Plantas para jardim no Brasil: herbáceas, arbustivas e trepadeiras. Instituto Plantarum de Estudos da Flora Ltda, 2015,1120p.

MADUREIRA, H., ANDRESEN, T. Planejamento de infraestruturas verdes urbanas multifuncionais: promessas e desafios. Urban Design International, v. 19, n. 1, p.38-49, 2014.

MARTINELLI, G., MORAES, M. A. Livro vermelho da flora do Brasil. 2013. 1100p.

MARTINEZ, L; BASTOS FILHO, S. R.; VENIER, T. Estatuto da cidade; o jogo tem novas regras. – Belo Horizonte: CREA-MG, 64p, 2006.

MATINI, A., BIONDI, D., BATISTA, A. C. A influência das diferentes tipologias de floresta urbana no microclima do entorno imediato. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 28, n. 3, p. 997-1007, jul.- set., 2018.

MORO, S. Una metodología sistemática para el análisis de los espacios públicos. Questión, v. 1, 2011.

NUCCI, J. C. Qualidade ambiental e adensamento urbano: um estudo de ecologia e planejamento da paisagem aplicado ao distrito de Santa Cecília (MSP). Edição do autor, 2008.

PARELMAN, P. E., MARCONI, P. L. Percepción del verde urbano en parques de la ciudad de Buenos Aires. Multequina v. 25, p. 1-10, 2016

PARK, B. J., TSUNETSUGU, Y., KASETANI, T., KAGAWA, T., MIYAZAKI, Y.. The physiological effects of Shinrin-yoku (taking in the forest atmosphere or forest bathing): evidence from field experiments in 24 forests across Japan. Environmental health and preventive medicine, 15(1), 18, 2010.

RADFORD, A. E., DICKISON, W. E., MASSEY, J. R., BELL, C. R. Vascular Plant Systematics. Editora Harper Collins, 891 p. 1998.

REFLORA. Flora do Brasil 2020 – Algas, Fungos e Plantas. Administrado pelo Instituto de Pesquisa Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em: < http://floradobrasil.jbrj.gov.br/

ROCHA, Y. T.; BARBEDO, A. S. C. Pau-brasil (Caesalpinia echinata LAM., LEGUMINOSAE) na arborização urbana de São Paulo (SP), Rio de Janeiro (RJ) e Recife (PE). Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana, v. 3, n. 2, p. 58-77, 2008.

SAPCI, O., SHOGREN, J. F. Environmental quality, human capital and growth. Journal of Environmental Economics and Policy, At:19:12, 2017; acesso em: http://dx.doi.org/10.1080/21606544.2017.1384403

SILVA, J. P. Direito Urbanístico Brasileiro. Malheiros Editores LTDA. 3ª. Edição, 28 p. 2006.

SILVA, J. G., PERELLÓ, L. F. C. Conservação de espécies ameaçadas do Rio Grande do Sul através de seu uso no paisagismo. REVSBAU, Piracicaba – SP, v.5, n.4, p.01-21, 2010.

SOLLITTO, A. A música que vem das árvores. Por que a madeira do pau-brasil ainda é a mais cobiçada para fabricação de arcos de violino. Plant Project. Acesso em: http://plantproject.com.br/novo/2019/05/arte-14-pau-brasil-a-musica-das-arvores/, acessado em 21 de janeiro de 2020.

TROPICOS. ORG. Missouri Botanical Garden. Acesso em http://www.tropicos.org/

ULMER, J. M. et al. Multiple health benefits of urban tree canopy: The mounting evidence for a green prescription. Health & Place, v. 42, p. 54-62, 2016.

ULRICH, R. S. View through a window may influence recovery from surgery. Science, New Series v. 224, issue 4647, p. 420-421, 1984.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n2-074

Refbacks

  • There are currently no refbacks.