Crescimento inicial de milho submetido a diferentes manejos de adubação/ Initial growth of corn under different fertilization management

Leandro Alves Macedo, Aroldo Caio Fernandes, Levy Tadin Sardinha, André Cabral França, Caroline Maira Miranda Machado, Brendo de Oliveira Ferreira, Fausto Henrique Vieira Araújo, Rafaele de Sousa Cruz

Abstract


Os fertilizantes organominerais peletizados tem se apresentado como uma nova alternativa em relação a adubação exclusivamente mineral, podendo trazer vantagens relacionadas ao meio ambiente e a produtividade das culturas, já que o fator fertilidade do solo tem contribuído para baixas produtividades em culturas importantes como a do milho. Diante disso, o presente trabalho teve como objetivo analisar o crescimento inicial do milho sob diferentes manejos de adubação. O experimento foi realizado em casa de vegetação no campus JK da UFVJM, Diamantina- MG, em delineamento de blocos casualizados com quatro repetições em esquema fatorial 3x5, sendo três cultivares (Impacto Viptera, Feroz Viptera e 2B587) e cinco manejos de adubação (ausência de adubação, 80,100 e 120 % da dose de P2O5 com organomineral e 100 % da dose de P2O5 com fertilizante mineral). Foram avaliados altura de plantas, número de folhas, SPAD, clorofila e massa seca da parte aérea aos 42 dias após a semeadura (DAS). Aos 57 DAS avaliou-se altura de plantas, número de folhas, SPAD, clorofila, massa seca da parte aérea e do sistema radicular e relação MSPA/MSSR. Os manejos organominerais propiciaram maior altura de planta e massa seca da parte aérea aos 42 e 57 DAS e de massa seca da raízes aos 57 DAS. O valor de clorofila não foi alterado em função dos manejos de adubação utilizados. Estes resultados demonstram o excelente desempenho proporcionado pelo fertilizante organomineral, proporcionando resultado similares e até melhores com redução da dose, quando se comparado ao fertilizante mineral.


Keywords


Fertilização; Resíduos de agroindústrias; Sustentabilidade; Peletizado.

References


ALVES, V. M. C.; CASCONCELLOS, C. A.; FREIRE, C. A.; PITTA, G.V.; FRANÇA, G. E.; FILHO, A. R.; ARAÚJO, J. M.; VIEIRA, J. R.; LOUREIRO, J. E. Milho. In: RIBEIRO, A. C.; GUIMARÃES, P. T. G.; ALVAREZ V., V. H. (Eds.). Recomendação para o uso de corretivos e fertilizantes em Minas Gerais - 5. Aproximação. Viçosa: Comissão de Fertilidade do Solo do Estado de Minas Gerais, p. 381-383, 1999.

BONIFAS, K. D.; LINDQUIST, J. L. Predicting biomass partitioning to root versus shoot in corn and velvetleaf. Weed Science, v. 54, p. 133-137, 2006.

COELHO, A. M.; CRUZ, J. C.; PEREIRA FILHO, I. A. Rendimento do milho no Brasil: chegamos ao máximo? Informações Agronômicas, Piracicaba, n.101, mar. 2003. Encarte técnico.

COELHO, A. M. Exigências nutricionais e adubação do milho safrinha. Sete Lagoas: Embrapa Milho e Sorgo, 2008. 10 p (Embrapa Milho e Sorgo, Circular técnica, 78). Disponível em: . Acesso em: 03 de jan. 2020.

COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO. Levantamento da safra de grãos. 2017. Disponível em: Acesso em: 30 de dez. 2019.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA - EMBRAPA. Centro Nacional de Pesquisa em Solos. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. Brasília, 2013. 353p.

GIANOTTI, A. R. C.; SOUZA, M. J. H.; MACHADO, E. L. M.; PEREIRA, I. M.; MAGALHAES, M. R.; VIEIRA, A. D. Análise microclimática em duas fitofisionomias do cerrado no Alto do Vale Jequitinhonha – Minas Gerais. Revista Brasileira de Meteorologia, São José dos Campos, v. 28, n. 3, p. 246-256, 2013.

INMET. Normais Climatológicas do Brasil 1991 – 1990. Brasília, DF: Instituto Nacional de Meteorologia, 2009. 465p.

MAGELA, M. L. M. Fontes de matéria orgânica na composição de fertilizantes organominerais peletizados na cultura do milho. 2017. 70 p. Dissertação (Mestrado em Agronomia) - Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2017.

OLIVEIRA. D. P. Fontes de matéria orgânica para a formulação de fertilizantes organominerais peletizados no desenvolvimento da cultura do sorgo. 2016, 46 p. Dissertação (Mestrado em Agronomia). Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia. 2016.

PAULETTI, V.; LIMA, M. R.; BARCIK, C.; BITTENCOURT, A. Rendimento de grãos de milho e soja em uma sucessão cultural de oito anos sob diferentes sistemas de manejo de solo e de culturas. Ciência Rural, Santa Maria, v. 33, n. 3, p. 491 495, 2003.

SEVERINO, L. S.; COSTA, F. X.; BELTRÃO, N. E. M.; LUCENA, M. A.; GUIMARÃES, M. M. B. Mineralização da torta de mamona, esterco bovino e bagaço de cana estimada pela respiração microbiana. Revista Biológica e Ciências da Terra, Campina Grande. v. 5, n. 1, p. 1-5, 2004.

SOUSA, R. T. X. Fertilizante organomineral para a produção de cana-de açúcar. 2014, 71 p. Tese (Doutorado). Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2014.

TEIXEIRA, W. G. Biodisponibilidade de fósforo e potássio provenientes de fertilizantes mineral e organomineral. 2013. 115 p. Dissertação (Mestrado em Agronomia). Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2013

TIRITAN, C. S.; SANTOS, D. H.; FOLONI, J. S. S.; JÚNIOR, R. A. Adubação fosfatada mineral e organomineral no desenvolvimento do milho. Colloquium Agrariae, Presidente Prudente, v. 6, n. 1, p. 08-14, 2010.

VIEIRA, J. P. G.; SOUZA, M. J. H.; TEIXEIRA, J. M.; CARVALHO, F. P. Estudo da precipitação mensal durante a estação chuvosa em Diamantina, Minas Gerais. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v. 14, n. 7, p. 762-767, 2010.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n2-044

Refbacks

  • There are currently no refbacks.