Aspectos higienico-sanitários e químicos do Sururu (Mytella falcata) desconchado comercializado em feiras e mercados públicos de São Luis – MA / Hygienic-health and chemical aspects of Sururu (Mytella Falcata) discharge marked in fairs and public markets in São Luís - MA

Gabriel Gomes Leôncio, Elka Machado Ferreira, Ilderlane da Silva Lopes, Leyde Emanuelle Pereira Costa, Amauri Ernani Torres Areco, Kamilla Fagundes Duarte Barbosa, Lúcia Maria Coêlho Alves

Abstract


O sururu (Mytella falcata) é um molusco encontrado em manguezais, enterrado preferencialmente nos sedimentos argilosos de costas marítimas. Por serem organismos filtradores e concentrarem em seus tecidos poluentes presentes na água onde vivem, são utilizados como bioindicadores de poluição por micro-organismos patogênicos. Apesar de ser bastante consumido em São Luís, há poucas informações sobre sua qualidade em feiras e mercados. Diante disto, objetivou-se avaliar o status sanitário do sururu comercializado em feiras e mercados de São Luís - MA. Foram analisadas amostras de sururu desconchado provenientes de sete pontos de comercialização, quanto à determinação de coliformes a 35 e a 45°C, pesquisa de E. coli, Salmonella spp. e Aeromonas spp. e quantificação de Staphylococcus spp. coagulase positiva, além de análises químicas de bases voláteis totais (BVT) totais e trimetilamina (TMT). Todas as amostras apresentaram contaminação por coliformes a 35°C, a 45°C, em 50% identificou-se Escherichia coli e em 75% Aeromonas spp. Não houve contaminação por Staphylococcus spp. coagulase positiva e por Salmonella spp. Três feiras apresentaram valores médios de BVT acima do padrão estabelecido em Legislação. O sururu desconchado comercializado em feiras e mercados de São Luís – MA apresenta baixa qualidade higiênico-sanitária, além de representa um risco à saúde dos consumidores pela possibilidade de veiculação de micro-organimos patogênicos, bem como baixa qualidade de frescor.


Keywords


BVT, Aeromonas spp., Escherichia coli, bivalves

References


Souza MMM, Furtunato DMN, Cardosa RCV, Argôlo SV, Silva IRC, Santos LFP. Avaliação do frescor do pescado congelado comercializado no mercado municipal de São Francisco do Conde – BA. Boletim do Instituto de Pesca. 2013; 39(4):359-368.

Gil GM, Trancoso JS, Thomé JW. Manual para Manejo e Otimização da Exploração Comercial de Moluscos Bivalves. 1 ed. Porto Alegre: edição do autor; 2007. 48 p. Espanha.

Higino PAS, Jesus TB, Carvalho CEV, Tonial LSS, Calado TCS. Rev Virtual Quim [Internet]. 2012; 4 (4): 393-404. http://rvq-sub.sbq.org.br/index.php/rvq/article/view/218/231

Yuan W, Walters LJ, Schneider KR, Hoffman EA. Explorando o limiar de sobrevivência: um estudo da tolerância à salinidade do mexilhão não nativo Mytella charruana . J Res. 2010; 29: 415-422.

Amaral GVieira, Freitas DGC. Método do índice de qualidade na determinação do frescor de peixes. Ciência Rural. 2013; 43(11) : 2093-2100.

Brasil. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução da Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Regulamento Técnico sobre os Padrões Microbiológicos para Alimentos. Resolução Nº 12, de 2 de janeiro de 2001. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. 2001. Poder Executivo, Brasília, DF.

Prata LF. Higiene e Inspeção de Carnes, Pescado e Derivados. Jaboticabal: Funep; 1999. 217 p. Português.

Contreras-Gusmán E. Bioquímica de pescados e derivados. Jaboticabal: Funep; 1994. 409p. Português.

Brasil. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação. Resolução nº 216, de 15 de setembro de 2004. Diário Oficial da União. Poder Executivo, de 16 de setembro de 2004.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria n° 451, de 19 de setembro de 2003. Aprova o regulamento técnico e princípios gerais para o estabelecimento de critérios e padrões microbiológicos para alimentos e seus anexos, I, II, III. Diário Oficial da União. n.124-E, 02 de jul.1998; Seção 1, p.6. Portugues.

Vanderzant C, Splittstoesser DF, Compedium for the microbiological examination of foods. 3 Edi. Washington: American Public Health Association; 1992. 1219p.

ICMSF. Microrganismos de los Alimentos. Acribi Zaragoza; 2002.

Majeed KN, Egan AF, MacRAE IC. Enterotoxigenic aeromonads on retail lamb meat and offal. Journal of Applied bacteriology. 1990; 67:165-170.

Palumbo SA, Williams AC, Buchanan RL, Phillps JG. Model for anaerobic growth of Aeromonas hydrophila K144. Journal of Food Protection. Amsterdam, 55(4): 260-265, 1991

Havellar AH, Vonk M. The preparation of ampicilin dextrin agar for the enumeration of Aeromonas in water. Letters Applied Microbiology, 1988, 7:169-171.

Saad SMI, Iaria ST, Furlanetto SMP. Motile Aeromonas spp in retail vegetables from São Paulo, Brazil. Revista de Microbiologia, São Paulo, v. 26, n. 1, p. 22-27, 1995.

Brasil. Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento. Secretaria Nacional de Defesa Agropecuária. Laboratório Nacional de Referência Animal. Métodos Analíticos para oficiais de controle de produtos de origem animal e seus ingredientes: II – Métodos físicos e químicos. Brasília, 1981, cap. 11, p. 5-6.

Germano PML, Germano MIS. 1ª ed . Sistema de gestão: qualidade e segurança de alimentos. Barueri: Manole; 2013.578p.

Silva AAV, Costa AFM, Freitas RMS, Santos MBSV, Lourenço ALN, Malta AS, Fireman AL; FERREIR DS, Rohrig L, Santos SC, Noé PVR, Silva CHB, Souza EC, Rocha TJM. Qualidade parasitológica e condições higiênico-sanitárias de sururu (Mytella charruana) e alface (Lactuca sativa) comercializados em um mercado público de Maceió-AL. Revista Ciências Farmacêuticas Básica e Aplicada. 2015; 34 (4):525-529.

Franco BDGM, Landgraf M. Microbiologia dos Alimentos. São Paulo: Ateneu;2008.

Mafra JF, Marques VF, Carneiro CS, Oliveira TAS, Evangelista-Barreto NS. Avaliação da qualidade microbiológica de moluscos bivalves processados e comercializados em Maragogipe, Estado da Bahia, Brasil. Acta of Fisheries and Aquatic Resources. 2016; 4 (2): 39-43.

Santos EJR, Galeno LS, Bastos LD, Costa TF, Carvalho IA, Costa FN. Qualidade higiênico-sanitária de tambaqui (Colossoma macropomum) comercializado na cidade de São Luís – MA. Ciência Animal Brasileira. 2019; 20:1-12.

Jafari A, Aslani MM, Bouzari S. Escherichia coli: a brief review of diarrheagenic pathotypes and their role in diarrheal diseases in Iran. Iranian Journal Microbiology.2012; 4(3): 102-117.

Barbosa CA.; Conceição TA, Baliza MD, CAmilo VMA, Juiz PJL, Silva IMM. Virulence genes in Escherichia coli isolates from commercialized saltwater mussels Mytella guyanensis (Lamarck, 1819). Brazilian Journal of Biology. 2019; 79(4): 625-628.

Pereira ML, Carmo LS, Pereira JL. Comportamento de estafilococos coagulase negativos pauciprodutores de enterotoxinas, em alimentos experimentalmente inoculados. Ciência e Tecnologia de Alimentos. 2001; 21(2): 171-175.

Lamaita, H.C. et al. Contagem de Staphylococcus sp. e detecção de enterotoxinas estafilocócicas e toxina da síndrome do choque tóxico em amostras de leite cru refrigerado. Arq. Bras. Med. Vet. Zootec.2005; 57 (5):702-709.

Pereira CS, Possas CA, Viana CM, Rodrigues DP. Aeromonas spp. e Plesiomonas shigelloides isoladas a partir de mexilhões (Perna perna) in natura e pré-cozidos no Rio de Janeiro, RJ. Ciênc. Tecnol. Aliment.2004; 24 (4): 562-566.

BRASIL. Ministério da Agricultura e Abastecimento. Secretaria Nacional de Defesa Agropecuária. Portaria nº 185 de 13 de maio de 1997. Regulamento técnico de identidade e qualidade de peixe fresco (inteiro e eviscerado). Brasília – DF, 1997.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Decreto-lei n.30.691, de 29 de março de 1957. Regulamento de Inspeção industrial e sanitário de produtos de origem animal. Diário oficial da Republica Federativa. Brasil, DF, 1952.

Moura AFP, Mayer MDB, Landgraf M, Tenuta Filho A. Qualidade química e microbiológica de camarão-rosa comercializado em São Paulo. Revista Brasileira de Ciências Farmacêuticas.2003; 39 (2):203-208.

Furlan EF, Galvão JÁ, Salan EO, Yokoyama VA, Oetterer M. Estabilidade físico-química e mercado do mexilhão (Perna perna) cultivado em Ubatuba - SP. Ciência e Tecnologia de Alimentos.2007; 27(3): 516-523.

Ruiz-Capillas C, Moral A. Correlation between biochemical and sensory quality indices in hake stored in ice. Food Research International.2001; 34 (5):441-447.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n2-041

Refbacks

  • There are currently no refbacks.