Educação em saúde: uma troca de saberes no combate ao estigma da hanseníase / Health education: exchange of knowledge in combat the stigma of leprosy

Eli Fernanda Brandão Lopes, Leticia Szulczewski Antunes da Silva, Carolina de Sousa Rotta, Joelson Henrique Martins De Oliveira, Izabela Rodrigues de Menezes, Letícia Nakamura, Giovana Ayumi Aoyagi, Clesmânya Silva Pereira, Rafael Alves Mata de Oliveira, Lena Lansttai Bevilaqua Menezes, Letícia Ribeiro Moreira, Maria de Fátima Bregolato Rubira de Assis, Edivania Anacleto Pinheiro Simões

Abstract


A Hanseníase é uma doença causada pela bactéria Mycobacterium Leprae ou bacilo de Hansen, sendo ainda muito estigmatizada, causando preconceito e discriminação da pessoa enferma, levando-as ao isolamento e segregação social Objetivo:Descrever a atividade de educação em saúde realizada através de uma roda de conversa sobre o tema hanseníase, com os cuidadores da Unidade em  Cuidados Continuados Integrados-UCCI. Metodologia: Trata-se de um estudo descritivo, em formato de relato de experiência, vivenciado durante a Residência Multiprofissional em Saúde, em um hospital de ensino da região Centro Oeste do Brasil. Resultados:A atividade de educação em saúde, executada pelo profissional assistente social possibilitou o aprimoramento dos conhecimentosdos cuidadores em relação hanseníase, seus sintomas e causas, formas de tratamento e prevenção, proporcionando a construção mútua do conhecimento, através do compartilhamento de experiência entre profissionais e os cuidadores, tendo uma contribuição significativa no combate ao preconceito, estigma, segregação social e exclusão social causado pela hanseníase. Conclusão: A educação em saúde é uma ferramenta para a construção do saber compartilhado e de grande valia para o combate ao estigma da hanseníase.


Keywords


Educação em Saúde, Hanseníase, Estigma.

References


ANDRADE, P. T. A. N.; SCANDOLA, E. M. R.; ASSIS, M. F. B. R. O princípio do diálogo nas atividades educativas no programa de residência multiprofissional em saúde. Serviço Social e Saúde, v. 16, n. 2, p. 279-300, 17 jan. 2018. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/sss/article/view/8651467. Acessoem: 19ago. 2019.

ARAUJO, J. S. et. al. Profile of Caregivers and Difficulties in Elderly Care in the City of Ananindeua, State of Para, Brazil. RevBrasGeriat. Gerontol, v.16, n. 1, p. 149-158, mar. 2013. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1809-98232013000100015. Acesso em: 30 dez. 2019

ARAUJO, M. G. Hanseníase no Brasil. Rev. Soc. Bras. Med. Trop., Uberaba , v. 36, n. 3, p. 373-382, jun. 2003 . Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0037-86822003000300010&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 07 jan. 2020.

ASSIS, M. F. B. R. (org.). Associação de Auxílio e Recuperação de Hansenianos – AARH. Hospital São Julião. Manual de Normas e Procedimentos em Cuidados Continuados Integrados, Campo Grande, 2018. Não publicado.

BONA, S.H.E. et. al .Recidivas de hanseníase em Centros de Referência de Teresina, Piauí, 2001-2008. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília, v. 24, n. 4, p. 731-738, dez. 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2237-96222015000400731&lng=en&nrm=iso. Acesso em 08 jan. 2020

BRASIL. Lei nº 9.010, de 29 de março de 1995.

Dispõe sobre a terminologia oficial relativa à hanseníase e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9010.htm. Acesso em: 29 dez. 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Estratégia nacional para o enfrentamento da hanseníase – 2019-2022. Brasília; 2019. Disponível em: http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2019/marco/27/Estrategia-Nacional-CGHDE-Consulta-Publica-27mar.pdf. Acesso em: 30 dez. 2019

BRASIL. Ministério da Saúde. Política Nacional de Educação Popular em Saúde. Comitê Nacional de Educação Popular em Saúde – CNEPS. Brasília: MS, 2012.

BRASIL. Ministério da Saúde.Portaria nº 2.761, de 19 de novembro de 2013. Institui a Política Nacional de Educação Popular em Saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde (PNEPS-SUS). Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2013/prt2761_19_11_2013.html. Acesso em: 29 dez. 2019

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Departamento de Atenção Básica. Guia para o Controle da hanseníase. Brasília: Ministério da Saúde, 2002

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Guia prático sobre a hanseníase. Brasília: Ministério da Saúde, 2017.

FAGUNDES, P. F.; SCANDOL, E. M. R. Alta hospitalar responsável sob a ótica do cuidado em rede. Serviço Social e Saúde, v. 17, n. 1, p. 181-204, 30 jun. 2018. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/sss/article/view/8655207. Acessoem: 19 ago. 2019.

FALKENBERG, M. B. et. al. Educação em saúde e educação na saúde: conceitos e implicações para a saúde coletiva. Ciência & Saúde Coletiva [online], v. 19, n. 03, p. 847-852, 2014. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1413-81232014193.01572013 . Acessoem: 30 dez. 2019

GARBIN, A. D. S. et al. The stigma and prejudice of leprosy: influence on the human condition. Rev. Soc. Bras. Med. Trop., Uberaba, v. 48, n. 2, p. 194-201, apr. 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0037-86822015000200194&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 29 dez. 2019.

GOMES, T. C. F. Impacto na vida social do portador de hanseníase com reações hansênicas atendidos em um ambulatório de referência em São Luis-MA. 2018. 78 f. Monografia (Curso de Enfermagem Universidade Federal do Maranhão)-Universidade Federal do Maranhão, Centro de Ciências biológicas e da Súde, São Luis, 2018. Disponível em:https://monografias.ufma.br/jspui/bitstream/123456789/2530/1/ThassiaGomes.pdf. Acesso em: 29 dez. 2019

LAMOUNIER, J. A.; MOULIN, Z. S.; XAVIER, C. C. Recomendações quanto à amamentação na vigência de infecção materna. J. Pediatr. (Rio J.), Porto Alegre, v. 80, n. 5, supl. p. s181-s188, Nov. 2004. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0021-75572004000700010&lng=en&nrm=iso . Acesso 08 Jan. 2020.

LIMA, E. O. "Podem até Dizer que Cura Pele, mas Hanseníase não Cura": Itinerários Terapêuticos de Pessoas com Hanseníase Multibacilar. 2018. 87 f. Dissertação (Mestrado em Saúde Coletiva) - Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza, 2018.

MALLMANN, D. G. et. al .Health education as the main alternative to promote the health of the elderly. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 20, n. 6, p. 1763-1772, Jun. 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232015000601763&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 29 dez. 2019

MEDEIROS, H. T. Espaços de Memória em Lugares Esquecidos: O Patrimônio como Ressignificação de Antigos Leprosários. Revista Eletrônica Ventilando Acervos, Florianópolis, v. 6, n. 1, p. 8-20, dez. 2018. Disponível em:http://ventilandoacervos.museus.gov.br/wp-content/uploads/2018/12/Completa2018.pdf. Acesso em: 29 dez. 2019

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Departamento de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Doenças negligenciadas: estratégias do Ministério da Saúde. Rev. Saúde Pública, São Paulo, v. 44, n. 1, p. 200-202, fev. 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89102010000100023&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 29 dez. 2019.

MONTEIRO, B. R. et al. Educação em saúde para a hanseníase: experiência da enfermagem. Saúde (Santa Maria), [S.l.], v. 44, n.1, p. 1-5, abr. 2018. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/revistasaude/article/view/24084. Acesso em: 29 dez. 2019

MOREIRA, A. J. et. al. Ação educativa sobre hanseníase na população usuária das unidades básicas de saúde de Uberaba-MG. Saúde em Debate [online], v. 38, n. 101, p. 234-243, 2014. Disponível em: https://doi.org/10.5935/0103-1104.20140021. Acesso em: 30 dez. 2019

OLIVEIRA, S.G. et. al. Gestação e hanseníase: uma associação de risco nos serviços de saúde. Hansen Int.; n.36, vol.1, p. 31-38, 2011.

PINHEIRO, E. A. A prática de cuidados continuados integrados ao idoso no Sistema Único de Saúde e nos territórios de reintegração familiar em Campo Grande/MS. 2017.162 f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Local) - Universidade Católica Dom Bosco, Campo Grande, 2017.

PINHEIRO, M. C.; SIMPSON, C. A. Preconceito, estigma e exclusão social: trajetória de familiares influenciada pelo tratamento asilar da hanseníase. Revista de Enfermagem UERJ, v. 25, e13332, p. 1-6, 2017. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/enfermagemuerj/article/view/13332. Acesso em: 02 fev. 2019.

SANTOS, A.S. ; CASTRO, D. S.; FALQUETO, A. Fatores de risco para transmissão da Hanseníase. Rev. bras. enferm., Brasília , v. 61, n. spe, p. 738-743, nov. 2008 . Disponível em:http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-71672008000700014&lng=en&nrm=iso. Acesso em 07 jan. 2020.

SARNO, E. N. Hansen's disease in the laboratory. Hist. cienc. saude-Manguinhos, Rio de Janeiro , v. 10, supl. 1, p. 277-290, 2003. Disponível em:http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-59702003000400013&lng=en&nrm=iso.. Acesso em: 08 Jan. 2020

SILVA, M. C. D.; PAZ, E. P. A. Educação em saúde no programa de controle da hanseníase: a vivência da equipe multiprofissional. Esc. Anna Nery, Rio de Janeiro, v. 14, n. 2, p. 223-229, Jun. 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-81452010000200003&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 30 dez. 2019.

SILVEIRA, M. G. B. et. al. Portador de hanseníase: impacto psicológico no diagnóstico. Psicologia e sociedade, v. 26, n. 2, p. 517-527, 2014.

SOUZA, E. A.; FERREIRA, A. F.; BOIGNY, R.N. Leprosy and gender in Brazil: trends in an endemic area of the Northeast region, 2001–2014. Rev. Saúde Pública, v. 52, n.20, p. 1-12, 2018. Disponível em:http://www.scielo.br/pdf/rsp/v52/pt_0034-8910-rsp-S1518-87872018052000335.pdf. Acesso em: 30 dez. 2019




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n2-001

Refbacks

  • There are currently no refbacks.