A demanda de etanol e o cultivo da cana-de-açúcar no Estado de Mato Grosso do Sul / The ethanol demand and the sugarcane crop in the State of Mato Grosso do Sul

Guilherme Willian de Carvalho Rabelo, Sílvia Leite Bucker, Madalena Maria Schilindwein

Abstract


A demanda interna do etanol no Brasil é impactada principalmente pelo Estado, quando define o percentual da mistura de etanol anidro na gasolina e também pelo consumidor final., quando escolhe o combustível com a melhor relação custo-benefício. A região Centro-Sul é responsável por 94,12% da produção de etanol no Brasil e o estado de Mato Grosso do Sul (MS) foi o terceiro maior produtor em 2016. O objetivo do estudo é analisar, segundo os princípios da Teoria do Custo de Transação, a correlação entre a expansão da cana-de-açúcar e o consumo de etanol no MS. Ao final, considera-se que o estado possui todos os requisitos para a expansão da cana-de-açúcar, atendendo uma demanda nacional, não local. Além disso as incertezas sobre o etanol recaem sobre os preços, que se encontra sob o controle do Estado. Para uma possível redução nos custos de transação, a adoção de mecanismos de governança mais robustos será mais eficiente que o mercado.


Keywords


Sucroenergético, agronegócios, bioenergia, bioeconomia, biocombustíveis

References


ALENCAR, K. Análise do balanço entre demanda por etanol e oferta de cana-de-açúcar no Brasil. 2012. Dissertação (MPAGRO) - Escola de Economia de São Paulo, São Paulo, 2017. Disponível em: Acesso em: 11 jul. 2017.

ALMEIDA, E.; OLIVEIRA, P.; LOSEKAN, L. Impactos da contenção dos preços de combustíveis no Brasil e opções de mecanismos de precificação. Revista de Economia Política v.35(3), p. 531–556, 2015

ALSTON, L.J.; GILLESPIE, W. Resource coordination and transaction costs: a framework for analyzing the firm market/boundary. Journal of Economic Behavior and Organization, v.11, n.2, p.191-212, 1989.

BRASIL. Ministério de Minas e Energia. Balanço energético nacional - BEN. Brasília: MME, 2017. Disponível em: Acesso em: 17 jul.2017.

CASTILHO, F. R. A expansão da agroindústria canavieira no Estado de Mato Grosso do Sul: características e crescimento. 2013. Dissertação (Mestrado em Agronegócios) Universidade Federal da Grande Dourados. Dourados-MS, 2013.

DENATRAN. Departamento Nacional de Transito. Frota de veículos, 2017. Disponível em: Acesso em: 07 jul. 2017.

EPE – Empresa de Pesquisa Energética - Análise de Conjuntura, 2016. Disponível em: Acesso em: 11 jul. 2017.

FARIA, A. C.; SOUZA, A. G.; SERIO, L.C.; PEREIRA, S. C. F. Ensaio sobre a Teoria dos Custos de Transação (TCT): Foco na Mensuração. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CUSTOS, XXI, 2014, Natal, Anais do XXI do Congresso Brasileiro de Custos. 2014.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

GILIO, L.; CASTRO, N. R. Avaliação de aspectos limitantes ao crescimento do etanol e o setor sucroenergético no Brasil. Revista Eletrônica de Energia, v. 6, n. 1, p. 58-74, jan./dez. 2016.

GOLDEMBERG,J ; COELHO; GUARDABASSI, P. The sustainability of ethanol production from sugarcane, Energy Policy v.36 p. 2086–2097, 2008 Disponível em : Acesso em: .11 jul.2017

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia Espacial. Disponível em: Acesso em: 10 jul. 2017.

ISABELLA, G., et al. Another driver of the Brazilian fuel etanol supply chain: the consumers preferences. Revista de Administração. 2017 . Disponível em: Acesso em:16 jul. 2017

LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Metodologia científica. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2007.

MIELNIK, O.; SERIGATI, F.; GINER, C.. What Prospects for the Brazilian Ethanol Sector? EUROCHOICES Vol.: 16 Ed.:1 Pág: 37-42 2017

MELLO, S. R. D.; MELO, A. C. Desafios e perspectivas do etanol brasileiro no cenário mundial. Caderno Científico Ceciesa-Gestão, 2015.

MORAES, M. L.; BACCHI, M. R. P. Etanol, do início às atuais fases de produção. Revista de Economia e Política Agrícola, v4, p. 5-22, 2014.

MORAES, M.; ZILBERMAN,D. Production of Ethanol from Sugarcane in Brazil: From State Intervention to a Free Market, 1st ed., Springer Science & Business Media, 2014. Disponível em: Acesso em: 05 jul. 2017.

NEVES, M. F.; TROMBIN, V. G.; CONSOLI, M. O mapa sucroenergético do Brasil. In: SOUSA, E. L. L. de; MACEDO, I. de C. (Coord.). Etanol e bioeletricidade: a cana-de-açúcar no futuro da matriz energética. São Paulo: Luc Projetos de Comunicação, p. 14-43. 2010 Disponível em: Acesso em: 07 jul. 2017.

OECD/FAO. Agricultural Outlook 2016-2025, OECD Publishing, Paris. Disponível em: Acesso em: 21 jul.2017.

PORTELA, R. Pass-through entre os preços do etanol e da gasolina: uma análise econométrica. Rio de Janeiro: UFRJ/Escola Politécnica, 2016 Disponível em: Acesso em:21 jul.2017.

PEREIRA, M.C. et al. A expansão da cadeia sucroenergética em Mato Grosso do Sul In: CONGRESSO DA SOBER, 45., 2007, Londrina. Anais... Londrina: 2007. SOBER

RFA, Renewable Fuels Association -. Industry Statistics. Disponível em: . Acesso em: 13 jul. 2017.

REN21. Renewables 2016 Global Status Report. (Paris: REN21 Secretariat). 2016. Disponível em: Acesso em:06 jul. 2017.

REN21. Renewables 2017 Global Status Report. (Paris: REN21 Secretariat). 2017. Disponível em: Acesso em:06 jul. 2017.

SHIKIDA, P.F.A. Evolução e fases da agroindústria canavieira no Brasil. Revista de Política Agrícola Vol 23, n.4, 2014 Disponível em: Acesso em: 19 jul. 2017.

SILVEIRA, S.; JOHNSON, F.X. Navigating the transition to sustainable bioenergy in Sweden and Brazil: lessons learned in a European and International context, Energy Res. Soc. Sci. v.13 p.180–193, 2016 Disponível em: Acesso em:17 jul.2017

VALIN, H.; PETERS, D.; van den BERG, M.; FRANK, S.; HAVLIK, P.; FORSELL, N., HAMELINCK, C.; PIRKER, J. et al. The land use change impact of biofuels consumed in the EU: Quantification of area and greenhouse gas impacts ECOFYS Netherlands BV: Utrecht, 2015

UNICA (União da Indústria de Cana-de-Açúcar). Coletiva de imprensa: Estimativa Safra 2016/2017 São Paulo, SP 2016. Disponível em: Acesso em: 06 jul.2017.

UNICADATA. Área cultivada com cana-de-açúcar por Estado, 2017. Disponível em:

UNICADATA. Histórico de produção e moagem por Estado. 2017 Disponível em: Acesso em: 06 jul. 2017.

UNICADATA. Consumo de combustíveis. 2017 Disponível em: Acesso: 06 jul. 2017.

WILLIAMSON, O. E. The economic institutions of capitalism – firms, markets, relational contracting. New York: The Free Press- a division of Mc Millan, 1985.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.