Teoria da contingência estrutural e alinhamento estratégico: discussão no campo teórico dos estudos organizacionais / Theory of structural contingency and strategic alignment: discussion in the theoretical field of organizational studies

Jocias Maier Zanatta

Abstract


O campo de estudos organizacionais é amplo e com infinitas possibilidades. A teoria da contingencia estrutural tem sido tema central de discussões no campo dos estudos organizacionais, e o alinhamento estratégico exige grande capacidade dos gestores em administrar recursos. Este ensaio teórico tem o objetivo de discorrer sobre a teoria da contingência estrutural e alinhamento estratégico no campo dos estudos organizacionais afim de contribuir nas discussões sobre possíveis similaridades e divergências. Foi apresentado os conceitos relacionados a teoria da contingência estrutural e alinhamento estratégico e suas possíveis similaridades e divergências. Conclui-se com o estudo que o alinhamento estratégico não se caracteriza como teoria da contingência estrutural pois tem ênfase na verificação de padrões, e a contingencia estrutural tem viés de convergência para estratégia e não alinhamento, apesar de ambos terem o foco na melhoria do desempenho organizacional.


Keywords


Teoria da contingência estrutural; Alinhamento estratégico; Estudos organizacionais.

References


AMBONI, N.; CAMINHA, D. O.; ANDRADE, R. O. B.; PEREIRA, M. F. Abordagem Multiparadigmática em Estudos Organizacionais: Avanços e Limitações. Revista de Administração da UFSM, v. 10, n. 5, p. 808-827, 2017.

BARROS, Luis Alberto Monteiro de. Alinhamento estratégico. 2007. 162f. Tese (Doutorado em Administração) – Programa de Pós-Graduação em Administração, Universidade de São Paulo, São Paulo.

BEUREN, Ilse Maria; FIORENTIN, Marlene. Influência de Fatores Contingenciais nos Atributos do Sistema de Contabilidade Gerencial: um estudo em empresas têxteis do Estado do Rio Grande do Sul. Revista de Ciências da Administração, v. 16, n. 38, p. 195-212, 2014.

BURNS, Tom; STALKER, George M. The management of Innovation. London: Tavistock, 1961.

CHANDLER, A. D. Strategy and structure. Cambridge, MA: MIT Press, 1962.

DONALDSON, Lex. Teoria da contingência estrutural. In: CLEGG, S.; HARDY, C.; NORD, W. (Orgs.). Handbook de estudos organizacionais: modelos de análises e novas questões em estudos organizacionais. São Paulo: Atlas, 2001.

HENDERSON, J. C., VENKATRAMAN, N. Strategic alignment: Leveraging information technology for transforming organizations. IBM System Journal, 32(1), p. 198-220, 1993.

KAPLAN, Robert. S.; NORTON, David P. The balanced scorecard: measures that drive performance. Harvard Business Review, v. 70, n. 1, p. 71-79, 1992.

___. Organização orientada para a estratégia: como as empresas que adotam o balanced scorecard prosperam no novo ambiente de negócios. 4. ed. Rio de Janeiro: Campus, 2000.

___. Alinhamento: utilizando o balanced scorecard para criar sinergias corporativas. 10. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2006.

KHANDWALLA, P. N. The effect of diferente types of competition on the use of management controls. Journal os Accouting Research, [S.I.], v. 10, n. 2, p. 275-285, 1972.

LABOVITZ, G.; ROSANSKY, V. The power of alignment: how great companies stay centered and accomplish extraordinary things. EUA: John Wiley e Sons, 242 p.,1997.

LAWRENCE, P. R.; LORSCH, J. W. Differentiation and integration in complex organizations. Administrative Science Quartely, [S.I.], v.12, n.1, p. 1-47, jun. 1967.

MERKLE, Judith. Management and Ideology. Berkeley: University os Califórnia Press, 1980.

MILES, R. E., SNOW, C. C. (1984). Fit, Failure and the hall of fame. California Management Review. XXVI(3), n/d.

MINTZBERG, Henry; LAMPEL, Joseph; QUINN, James Brian; GHOSHAL, Sumantra. O processo da estratégia: conceitos, contextos e casos selecionados. 4 ed. Porto Alegre: Bookman, 2006.

MORGAN, G. Imagens da organização. Tradução de Cecília Whitaker Bergamini e Roberto Coda. São Paulo: Atlas, 2008.

MOZZATO, Anelise Rebelato; GRZYBOVSKI, Denize. Abordagem Crítica nos Estudos Organizacionais: Concepção de indivíduo sob a perspectiva emancipatória. Cadernos EBAPE. BR, v. 11, n. 4, p. 520-542, 2013.

PERROW, C.A. A framework for the comparative analysis of organizations. American Sociological Review, [S.I.], v. 32, p. 194-208, 1967.

PORTER, Michael E. Vantagem competitiva: criando e sustentando um desempenho superior. Rio de Janeiro: Campus, 1992.

___. How competitive forces shape strategy. Harvard Business Review, p. 137-145, nov-dec 1979

___. Competição: estratégias competitivas essenciais. Rio de Janeiro: Campus, 1999.

PORTER, M. E.; MILLAR, V. E. How information gives you competitive advantage. Harvard Business Review, v. 63, p. 149-160, jul/ago, 1985.

REED, M.. Teorização Organizacional: Um campo historicamente contestado. In: CLEGG, S., HARDY, C. e NORD, W. Handbook de estudos organizacionais: modelos de análise e novas questões em estudos organizacionais. São Paulo: Atlas, v1, p. 61-97, 2014.

SENFF, C. O.; COMPAGNONI, U. M.; BENDLIN, L. Mensuração do grau de alinhamento estratégico: um estudo de caso. Revista Brasileira de Estratégia, v. 7, n. 2, p. 120-136, 2014.

SILVA, M. Z.; SCARPIN, J. E.; ROCHA, W.; DOMENICO, D. Fatores contingenciais que contribuem para a decisão de modificação do sistema de custeio. Revista de Administração, v. 49, n. 2, p. 267-279, 2014.

STEPANNOVICH, P. L.; MUELLER, J. D. Mapping Strategic Consensus. Journal of Business and Management, Fort Collins, v.8, p. 147-164, 2002.

THOMPSON, J. Organizations in action. New York: McGraw-Hill, 1967.

THIRY-CHERQUES, H. R. O modelo estruturalista. In: VIEIRA, M. M.F.; ZOUAIN, D. M. (Orgs.). Pesquisa qualitativa em administração: teoria e prática. Rio de Janeiro: Editora da FGV, 2005. p. 29-44.

WOODWARD, J. Industrial organization: theory and pratice. Londres: Oxford University Press, 1965.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.