Parque Nacional do Iguaçu como fonte de inimigos naturais de pragas da soja / Iguaçu National Park as a fountain of natural predators of soy pragas

Leandro Finger, Poliana Paula Quitaiski, Denise Lange, Carla Daniela Câmara

Abstract


Este trabalho teve como objetivo verificar se o Parque Nacional do Iguaçu (PNI) é fonte de inimigos naturais de pragas da cultura de soja (Glycine max (L.) Merrill). Foram realizadas coletas ativas e passivas em uma área de plantio de soja em transectos paralelos, distantes à 5, 50, 300 e 600 metros da borda do PNI. Os organismos encontrados foram identificados ao nível de família para o reconhecimento do hábito alimentar. No total, foram coletados 1867 artrópodes, sendo 158 predadores pertencentes ao filo Arthropoda. Reduviidae e Melyridae foram as famílias mais abundantes encontradas no método ativo. Outras famílias, como Coccinelidae e Spongiphoridae, estiveram presentes, porém em menor quantidade. Os resultados sugerem que o PNI é fonte de inimigos naturais de pragas da soja.


Keywords


Agroecossistemas. Glycine max. Manejo de Pragas. Parque Nacional do Iguaçu. Predadores Naturais.

References


BUENO, V. H. P. Desenvolvimento e criação massal de percevejo predadores Orius. In: BUENO, V. H. P. (Ed.). Controle biológico de pragas: produção massal e controle de qualidade. Lavras: Editora UFLA, p.33-76, 2009.

BRASIL. Lei nº 9.985, de 18 de julho de 2000. Institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília - DF, 18 de jul. 2000.

BRENNAN, E. B, GILL, R. J, HRUSA, G. F & WEINBAUM, S. A. First record of Glycaspis brimblecombei (Moore) (Homoptera : Psyllidae) in North America: Initial observations and predator associations of a potentially serious new pest of eucalyptus in California. Pan-Pacific Entomologist, San Francisco v. 75, 55-57, 1999.

BRESCOVIT, A. D.; RHEIMS, C. A; BONALDO, A. B (Org.). Chave de identificação para famílias de aranhas brasileiras. Instituto Butantan, 2007

CARVALHO, E. S. M. Dichelops melacanthus (Dallas, 1851) (Heteroptera: Pentatomidae) no sistema plantio direto no Sul de Mato Grosso do Sul: flutuação populacional, hospedeiros e parasitismo. 2007. 41 f. Dissertação (Mestrado em Entomologia e Conservação da Biodiversidade) - Faculdade de Ciências Biológicas e Ambientais, Universidade Federal da Grande Dourados, Dourados, 2007.

CONAB - Companhia Nacional de Abastecimento. Acompanhamento da safra brasileira de grãos. Brasília: CONAB, v. 3, n.4, 2016.

COSTA, V. A.; BERTI, E. F.; SATO, M. E. Parasitóides e predadores no controle de pragas. In: PINTO, A. S.; NAVA, D. E.; ROSSI, M. M. MALERBOSOUZA, D. T. Controle biológico de pragas na prática. Piracicaba (SP): CP2, p. 25-34, 2006.

DAHLSTEN, D.L.; ROWNEY, D. L. The red gum lerp psyllid, a new pest of Eucalyptus species in California. University of California at Berkeley, College of Natural Resources Center of Biological Control. The regents of the University Of California, Oakland. 2000.

DERAL – Departamento de Economia Rural. Soja – Análise da conjuntura Agropecuária. Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento. 2015. Disponível em: .

DIAS, T. K. R.; SOLIMAN, E. P.; PEREIRA, J.M. WILCKEN, C. F. Criação e manutenção do predador Atopozelus opsimus (Hemiptera: Reduviidae) alimentados com Glycaspis brimblecombei (Hemiptera: Psyllidae) em condições de laboratório. In: II SIMPROT (Simpósio em Proteção de Plantas), Botucatu. Anais do II SIMPROT. FEPAF, Botucatu, v. 1., 2011.

EMER, I. O.; Desenvolvimento Histórico do Oeste do Paraná e a Construção da Escola. 1991. 339p. Dissertação (Mestrado em Educação). Departamento de Administração de sistemas Educacionais, Fundação Getúlio Vargas. Rio de Janeiro, 1991.

FREITAS, R. E.; MENDINÇA, M. A. A. Expansão Agrícola no Brasil e a Participação da Soja: 20 anos. Revista de Economia e Sociologia Rural. V. 54, n°3. 2016.

FUJIHARA, R. T. et al. Insetos de Importância Econômica: Guia Ilustrado para Identificação de Famílias. Botucatu: Fundação de Estudos e pesquisas agrícolas e florestais – UNESP. 391p. 2011.

GALLO, D. et al. Entomologia Agrícola. Piracicaba: FEALQ, 920p., 2002.

GARBELOTTO, T. A.; CAMPOS, L. A. Metodologias de coleta e conservação. In: Pentatominae do Sul de Santa Catarina (online). Curitiba: Sociedade Brasileira de Zoologia, p. 77-78. 2014.

GAZZONI, D.L.; et al. Manejo de pragas da soja. EMBRAPA - CNPSo, Londrina, Paraná. 44p. 1988.

GOBETTI, A. P. B. Estudo do agronegócio no estado do Paraná na última década. UNESPAR. 2014. Disponível em: .

HOFFMANN-CAMPO, C. B.; et al. Pragas da soja no Brasil e seu manejo integrado. Londrina: Embrapa Soja. 70p. Circular Técnica/Embrapa Soja. 2000.

ICMBio – Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. Plano de Manejo do Parque Nacional do Iguaçu. Ministério do Meio Ambiente. FUPEF - Fundação de pesquisas florestais do Paraná. Brasil. 1999.

IPARDES - Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social.

Leituras regionais: Mesorregião Geográfica Oeste Paranaense / Instituto

Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social. – Curitiba: IPARDES : BRDE, 2004.

DOS SANTOS, Claudio Soares; JOHN, Natacha Souza. O desenvolvimento rural e a agroecologia: uma alternativa para sustentabilidade ambiental. Brazilian Journal of Development, v. 4, n. 6, p. 3053-3063, 2018.

LANGE, C. E. Soja: uma história de sucesso. In: BARBIERI, R. L.; & STUNPF, E. R. (eds.) Origem e Evolução das Plantas Cultivadas. Brasília, DF: Embrapa Informação tecnológica. 2008. p. 253-265. 2008.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. O Sistema Nacional de Unidades de

Conservação da Natureza.16 p. 2010.

MOSCARDI, F.; FERREIRA, B. S. C.; PARRA, J. R. P. O controle biológico das pragas da soja. Visão Agrícola, V. 5, 2006. Disponível em: .

OLIVEIRA, H. N.; ÁVILA, C. J. Controle biológico de pragas no Centro-Oeste brasileiro. G.Bio: Revista de Controle Biológico, p. 11-13, abr. 2010.

PAULL, C. The ecology of key arthropods for the management of Epiphyas postvittana (Walker) (Lepidoptera: Tortricidae) in Coonawarra vineyards, South Australia. School of Earth and Environmental Sciences, The University of Adelaide, Adelaide, v. 130, 2007.

PIERUCCINI, M. A.; TSCHÁ, O. C. P; IWAKE S. Criação dos Municípios e Processos Emancipatórios. Estratégias de Desenvolvimento Regional. Região Oeste do Paraná. 2003. 536p. Universidade Estadual do Oeste do Paraná - UNIOESTE – Editora Universitária. Cascavel. 2003.

PINHEIRO, J. B.; VENDRAMIN, J. D.; LOURENÇÃO, A. L. Programas geram cultivares de soja resistentes a insetos. Visão Agricola, v. 5, 2006. Disponível em: . Acesso em: 10 out. 2017.

RAFAEL, J. A. et al. Insetos do Brasil: Diversidade e Taxonomia. Ribeirão Preto: Holos, 810p, 2012.

RODRIGUEZ-SAONA, C.; KAPLAN, I.; BRAASCH, J.; CHINNASAMY, D.; WILLIAMS, L. Field responses of predaceous arthropods to methyl salicylate: a meta-analysis and case study in cranberries. Biological Control, Orlando, v.59, p.294-303, 2011.

SILVA, A. C. Guia para o reconhecimento de inimigos naturais de pragas agrícolas. Brasília, DF: Embrapa, 47p, 2013.

THOMAZINI, M. J. Insetos associados à cultura da soja no Estado do Acre. Anais do Congresso Brasileiro de Soja, Embrapa Soja, Londrina, Paraná, 1999.

TRIPLEHORN, C. A.; JOHNSON, N. F. Estudo dos insetos. São Paulo: Cengage Learning, 888p. 2011.

WAICHERT, C.; RODRIGUEZ, J; VON DOHLEN, C. D.; PITTS, J. P. Spider wasps (Hymenoptera: Pompilidae) of the Dominican Republic. Zootaxa, n. 3353, p. 1–47, 2012.

ZORZI, J. S.; Processos de inovação no arranjo produtivo local de máquinas e equipamentos agrícolas do oeste do Paraná. 2011. 113p. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Econômico). Universidade Federal do Paraná. Curitiba – PR. 2011.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.