Dinâmica urbana e ambiental do parque “horto florestal” em Campo Grande - MS / Urban and environmental dynamics of the "horto florestal" park in Campo Grande - MS

Adriano Almeida, Amarildo Medeiros, Edson Pereira de Souza, Elaine Silvia da Cruz, Icléia Albuquerque de Vargas

Abstract


Os parques urbanos são áreas verdes com espaços públicos capazes de trazer qualidade de vida para a população, além de uma proximidade com a natureza, pelos diversos usos da paisagem nesses espaços. Ademais, este artigo, tem como objetivo geral compreender a dinâmica urbana e ambiental do Parque Horto Florestal em Campo Grande – MS. Metodologicamente, a pesquisa foi embasada no método científico, no enfoque pela pesquisa qualitativa; documental e exploratória, respaldada nas pesquisas bibliográfica e de campo, além do uso de fontes secundárias, sendo critérios de inclusão de produções e publicações na temporalidade de 1986 a 2017, em língua portuguesa. Todavia, os resultados apontam que a área verde onde o Parque Horto Florestal (PHF) está instalado, apresenta-se satisfatória para abrigar recreação e lazer. No entanto, existe a necessidade de desenvolver políticas públicas voltadas para a preservação do meio ambiente, além da promoção de asseio e conservação de toda a área do Parque.


Keywords


dinâmica espacial; parques urbanos; horto florestal; território e territorialidade.

References


ALBAGLI, S. Território e territorialidade. Territórios em movimento: cultura e identidade como estratégia de inserção competitiva. Rio de Janeiro: Relume Dumará, p. 23-69, 2004.

ALCÂNTARA, A. de P; PAIXÃO, R. O.; SILVA, W.G. da. A integração entre dois parques urbanos e escolas de educação básica de campo grande (MS). VI Seminário Internacional da América Platina (I Colóquio Unbral de Estudos Fronteiriços), Campo Grande- MS, 2016.

AU. ARQUITETURA E URBANISMO. Edição 75-São Paulo, Dezembro/1997.

BARTALINI, V. Áreas verdes e espaços livres urbanos. Paisagem e Ambiente: Ensaios, São Paulo, n. 1, p. 49-54, 1986.

BARTON, J.; PRETTY, J. What is the Best Dose of Natureand Green Exercise for Improving Mental Health? A Multi-Study Analysis. Environ. Sci. Technol, 44, 3947–3955, 2010.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Lisboa; DIFEL, Rio de Janeiro. Bertrand- Brasil, 1989.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Conselho Nacional de Meio Ambiente. CONAMA Resolução Nº 369, de 28 de março de 2006- In: Resoluções, 2006. Disponivel em : < http://www.m.ma.gov.br/cidades-sustentaveis/areas-verdes-urbanas/parques-e-%C3%A1reas-verdes>. Acesso em 20 jun. 2017.

CASSOU, A.C.N. Características ambientais, Frequência de utilização e nível de atividade física dos usuários de parques e praças de Curitiba-PR. Curitiba, 2009. 130 p. Dissertação (Mestrado em Educação Física) – Universidade Federal do Paraná.

CHATELlN, Y. "Avant-propos." In: BLANC-PAMARD et alii (eds.). Milieux et Paysages: essai sur diverses modalités de connaissance. Paris, Masson, p. 1-3. 1986.

GOOGLE. Google Earth.Pro.2017 (Localização do Parque Horto Florestal de Campo Grande-MS). Disponível em: https://www.google.com.br/earth/download/gep/agree.html.Acesso em 26/07/2017

HAESBAERT, C. R. O mito da desterritorialização: do "fim dos territórios" à multiterritorialidade. Bertrand Brasil, 2004.

HANSMANN, R., HUG, S. M., SEELAND, K. Restoration and stress relief through physical activities in forests and parks. Urban Forestry & Urban Greening 6 (213–225), 2007.

LAMAS, J. M. l R. G; UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA. Morfologia urbana e desenho da cidade. 1993.

LOBODA, C. R.; DE ANGELIS, B. L. D. Áreas verdes públicas urbanas: conceitos,

Usos e funções. Ambiência, v. 1, n. 1, p. 125-139, 2009.

MACEDO, S. S.; SAKATA, F. G. Parques urbanos no Brasil. São Paulo: Edusp/Imprensa Oficial de São Paulo, 2003.

MARTINS, S. R. O. Territorialidade e Cotidiano na Área Circunvizinha à Lagoa Comprida, em Aquidauana/MS. In: ENCONTRO SUL-MATO-GROSSENSE DE GEÓGRAFOS, Corumbá. Anais. Campo Grande: UFMS, 2007. V. 1. p. 874-888. 2007.

MARTINS, G. A.; THEÓPHILO, C. R. Produção Científica em Contabilidade no Brasil: Dez Pecados. In: LOPES, J.; RIBEIRO FILHO, J. F.; PEDERNEIRAS, M. (Orgs). Educação contábil: tópicos de ensino e pesquisa. São Paulo: Atlas, p. 1-14. 2008.

RAPOPORT, A. Aspectos Humanos de la Forma Urbana: hacia una confrontación de las ciencias sociales con el diseño de la forma urbana. Barcelona, Ed. Gustavo Gilli, 381 p. 1978.

ROCHA. A. O Horto. 2011. Disponível em https://www.campograndenews.com.br/artigos/o-horto-por-adriana-rocha. Acesso em 12 julho 2017.

SACK, R. Human Territoriality: its theory and history. Cambrige University Press. 1986.

SAQUET, M. A. Por uma Geografia das Territorialidades e das temporalidades. Uma concepção multidimensional voltada para a cooperação e para o desenvolvimento territorial. 2ª ed., revista e ampliada. Rio de Janeiro: Consequência, 2015.

SECTUR Secretaria Municipal de Cultura e Turismo. Horto Florestal. Monumentos e Locais. Disponível em http://www.capital.ms.gov.br/sectur/artigos/horto-florestal>. Acesso em 20 maio 2017.

SEMADUR Secretaria Municipal de meio Ambiente e Gestão Urbana. Disponível em http://www.campogrande.ms.gov.br/semadur/mapoteca/.

Acesso em 26/07/2017

SILVA, J. A. da. Curso de Direito Constitucional Positivo. 5ª ed. ver. amp., São Paulo: 1989.

SITTE, C. A Construção das Cidades segundo seus Princípios Artísticos Organização e Apresentação de Carlos Roberto Monteiro de Andrade, tradução de Ricardo Ferreira Henrique, editora Ática, São Paulo, 1992.

SOUZA, J. M. N. Atividade Física ao Ar Livre e Parques Urbanos. Porto, 2007. 52 p. Monografia em Educação Física – Faculdade de Desporto da Universidade do Porto. 2007.

TUAN, Yi-Fu. "Environment and World". In: Professional Geographer, 17 (5): 6-7. 1995.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.