Quintais produtivos: contribuição à segurança alimentar e ao desenvolvimento sustentável das mulheres rurais no RS – Brasil / Productive quintais: contribution to food safety and sustainable development of rural women in RS – Brazil

Mirian Fabiane Strate, Sonia Maria da Costa

Abstract


Os quintais são uma das formas mais antigas de manejo da terra, consistem em uma combinação de espécies florestais, agrícolas, medicinais e ornamentais, ao redor da residência. Tradicionalmente, o manejo e cuidado destes quintais é atribuído a mulher, bem como o processamento dos alimentos consumidos pela família. A modernização conservadora da agricultura, transforma as práticas agrícolas mais tradicionais que garantem a manutenção dos integrantes da família incorporando os pacotes tecnológicos próprios da Revolução Verde. Conforme as novas tecnologias adentravam às lavouras e aos espaços rurais, as mulheres foram relegadas à esfera doméstica, reforçando sua exclusão dos sistemas produtivos (lavoura e mercados).  Neste contexto, este artigo dialoga com mulheres rurais, para avaliar os quintais produtivos e sua contribuição para a segurança alimentar e nutricional, evidenciando a importância da mulher para o desenvolvimento sustentável, em dois municípios (Constantina e Teutônia) localizados em regiões geográficas diferentes do RS, Brasil. Constatou-se a enorme diversidade biológica dos quintais, que só é possível graças ao refinado trabalho de manejo realizado pelas mulheres. No entanto, de modo geral, as mulheres ainda não dominam a relação com o mercado, o que se expressa na baixa diversidade dos canais de comercialização acessados (feiras, pontos de venda, mercados institucionais).Com os dados obtidos, espera-se subsidiar debates sobre políticas públicas voltadas especificamente às mulheres rurais, a exemplo de serviços de Assistência Técnica e Extensão Rural, crédito rural e incentivos para o acesso aos mercados institucionais, como forma de prover a geração de renda, autonomia, empoderamento social e preservação da agrobiodiversidade


Keywords


Quintais produtivos; mulheres; autoconsumo; segurança alimentar

References


ABRAMOVAY, Ricardo. Paradigmas do Capitalismo Agrário em Questão. São Paulo: Hucitec /ANPOCSD/ UNICAMP, 1992. 275p.

ABRAMOVAY, Ricardo. Anais do seminário nacional de assistência técnica e extensão Rural.Uma nova extensão para a agricultura familiar. 1997.

ANVISA, Programa De Análise De Resíduos De Agrotóxicos Em Alimentos- Relatório de atividades de 2013 a2015; disponível em http://portal.anvisa.gov.br/documents/219201/2782895/Relat%C3%B3rio+PARA+Vers%C3%A3o+Final/1230de7d-306d-4249-a62c-a68708fab153, acessado em 13/10/2017

GAZOLLA, Marcio; SCHNEIDER, Sergio. A produção da autonomia: os “papéis” do autoconsumo na reprodução social dos agricultores familiares. Estud. Soc. Agric. Rio de Janeiro, Vol. 15, nº 1, 2007

GRISA, Catia; SCNEIDER, Sergio. “Plantar pro gasto”: a importância do autoconsumo entre famílias de agricultores do Rio Grande do Sul. PiracicabaSP, Vol.46, nº 02; 2008.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA –IBGE, Censo agropecuário 2006; disponível em:https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/periodicos/51/agro_2006.pdf>. Acesso em: 28 out. 2017

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA -IBGE. Índice de produção Agropecuária Municipal. 2015. Disponível em: . Acesso em: 28 out. 2017.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA IBGE CIDADES Censo demográfico 2010, disponível emhttps://cidades.ibge.gov.br/brasil/rs/teutonia/panorama, acessado em 13/10/2017

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA IBGE CIDADES Censo demográfico 2010, disponível emhttps://cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?codmun=430580, acessado em 13/10/2017

MENASCHE, Renata (Org.). A Agricultura Familiar à Mesa: Saberes e Prática da Alimentação no Vale do Taquari. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2007.

SILIPRANDI, E. Um olhar ecofeminista sobre as lutas por sustentabilidade no mundo rural. In: PETERSEN, P. (Org.) Agricultura familiar camponesa na construção do futuro. Rio de Janeiro: AS-PTA, 2009, p. 139-151.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.