A influência do caixa e dos accruals na predição de caixa: uma investigação com dados em painel das companhias Brasileiras de capital aberto / The influence of cash and accruals in cash prediction: a research with panel data of Brazilian companies of open capital

Wagner de Paulo Santiago, Hudson Fernandes Amaral, Robert Aldo Iquiapaza Coaquila, Izael Oliveira Santos

Abstract


Apoiado pela Teoria Positiva em Contabilidade, na Teoria Institucional, na Teoria Informacional e em trabalhos empíricos relacionados ao estudo do caixa, do lucro e dos accruals, este trabalho objetivou verificar a influência do Fluxo de Caixa Operacional, do Lucro Líquido e dos accruals em predizer Fluxos de Caixa Operacional das firmas brasileiras de capital aberto. Foi utilizado o modelo desenvolvido por Dechow, Kothari e Watts (1998) e expandido por Barth, Cram e Nelson (2001). A pesquisa caracterizou-se como de natureza explicativa, bibliográfica e documental e é predonominante quantitativa, mediante a utilização de métodos econométricos. Para a coleta dos dados secundários foi  utilizado o banco de dados ECONOMÁTICA®. A amostra foi composta pelas companhias abertas não financeiras com atuação na Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros de São Paulo (BM&FBovespa – atual B3) no período de 2007 a 2012. São 326 empresas em 24 trimestres, totalizando 4.217 demonstrações. Para análise dos dados foi utilizado o Stata 11.0 e o R. Verificou-se que o Fluxo de Caixa Operacional no tempo t impacta positivamente o Fluxo de Caixa Operacional futuro (t+1). Enquanto que os componentes de accruals, Duplicatas a Receber, Estoques, Outros Ativos, Fornecedores, Impostos, Outros Passivos e Depreciação no tempo (t) impactam negativamente no caixa operacional futuro (t+1).Verificou-se, também, que o Fluxo de Caixa Operacional no tempo (t-7) impacta positivamente no caixa operacional futuro (t+1). Já as componentes da accruals “Outros Ativos” e “Outros Passivos” impactam negativamente no Fluxo de Caixa Operacional futuro (t+1). No que se refere ao setor, verificou-se a existência de alterações significativas. Por fim, verificou-se que a  Demonstração do Fluxo de Caixa tem importante papel na redução dos nivéis de assimetria informacional, fazendo com que a contabilidade cumpra o seu objetivo de prover os usuários com informações utéis e confiáveis, auxiliando-os no processo de tomada de decisão.


Keywords


Fluxo de caixa; Mercado de capitais; Lucros; Accruals

References


AFONSO, R. A. E. Análise da capacidade informativa da demonstração de origens e aplicações de recursos (DOAR) e da demonstração de fluxos de caixa (DFC): um estudo de caso. 1998. 212 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Contábeis) - Faculdade de Administração e Finanças, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 1998.

AFONSO, R. A. E. A capacidade informativa da demonstração de origens e aplicações de recursos (DOAR) e da demonstração de fluxos de caixa (DFC). Revista Brasileira de Contabilidade, Brasília, v. 28, n. 117, p.20-32, maio/jun. 1999.

ALI, A. Incremental information content of earnings, working capital from operations, and cash flows.JournalofAccountingResearch, Chicago, v. 32, n. 1, p. 61-74, Spring 1994.

ANDRADE, M. M. Como preparar trabalhos para cursos de pós-graduação: noções práticas. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

ANDREWS, DWK. Heteroskedasticity and autocorrelation consistent covariance matrix estimation.Econometrica, Chicago, v. 59, n. 3, p. 817–858, May 1991.

ARELLANO, M.; BOND, S. Some tests of specification for panel data: Monte Carlo evidence and and application to employment equations. Review of Economic Studies, Bristol, v. 58, n. 2, p. 277-297, Apr. 1991.

ARTHUR, N.; CHENG, M.; CZERNKOWSKI, R. Cash flow disaggregation and the prediction of future earnings. AccountingandFinance, Austrália, v. 50, n. 1, p. 1-30, Mar. 2010.

ASSAF NETO, A. Finanças corporativas e valor. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2007.

ASSAF NETO, A. Mercado financeiro 8. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

BAESSO, R. S. et al. Teste da eficiência do mercado no Brasil: uma aplicação de filtros ótimos. In: ENCONTRO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, 32., 2008, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: ANPAD, 2008. 1 CD-ROM.

BALL, R.; KOTHARI, S. P.; ROBIN, A. The effect of international institutional factors on properties of accounting earnings. Journal of Accounting and Economics. Amsterdam, v. 29, n.1, p. 1-51, Feb. 2000.

BARBIERI, G. Fluxo de caixa: modelo para bancos múltiplos. 1995. 262 f. Tese (Doutorado) - Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo 1995.

BARTH, M. E.et al. Accruals, cash flows and equity values. Review of Accounting Studies, Boston, v. 4, n. 3-4, p. 205-229, Dec. 1999.

BARTH, M. E.; CRAM, D. P.; NELSON, K. K.; Accruals and prediction of future cash flows. The Accounting Review, Sarasota, v. 76, n. 1, p. 27-58, Jan. 2001.

BARTOV, E.; GOLDBERG, S.R.; KIM, M. The valuation-relevance of earnings and cash flows: an international perspective. Journal of International Financial Management and Accounting, Oxford, v. 12, n. 2, p. 103-132, Summer 2001.

BEUREN, I. M. Gerenciamento da informação: um recurso estratégico no processo de gestão empresarial. São Paulo: Atlas, 1998.

BIDDLE, G. et. al. Does EVA beat earnings? Evidence on associations with stock returns and firms values. Journal of Accounting and Economics, Amsterdam, v. 24, n. 3, p. 301-336, Dec. 1997.

BOWEN, R. M.; BURGSTAHLER, D.; DALEY, L. A. Evidence on the relationships between earnings and various measures of cash flow. The Accounting Review, Sarasota, v. 61, n. 4, p. 713-725, Oct. 1986.

BOWEN, R. M.; BURGSTAHLER, D.; DALEY, L. A. The incremental information contento f accrual versus cash flow. The AccountingReview,Sarasota, v. 62, n. 4, p. 723-747, Oct. 1987.

BRAGA, R.; MARQUES, J. A. V. C. Fundamentos conceituais da demonstração dos fluxos de caixa: significado, vantagem e limitações. Algumas evidências. Caderno de Estudos, São Paulo, v. 8, n. 14, p. 30-43. jul./dez. 1996.

BRASIL. Lei n. 6 404, de 15 dezembro de 1976. Dispõe sobre as sociedades por ações. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 17 dez. 1976. p. 1. Suplemento.

BRASIL. Lei n. 11.638 de 28 de dezembro de 2007. Altera e revoga dispositivos da Lei no 6.404, de 15 de dezembro de 1976, e da Lei no 6.385, de 7 de dezembro de 1976, e estende às sociedades de grande porte disposições relativas à elaboração e divulgação de demonstrações financeiras. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 28 de dezembro de 2007.

BREUSCH, T. Testing for autocorrelation in dynamic linear models. Australian Economic Papers, Adelaide, v. 17, n. 31, p. 334–355, Dec. 1978.

BREUSCH, T.S.; PAGAN, A. R. A simple test for heteroscedasticity and random coefficient variation. Econometrica, Chicago, v. 47, n. 5, 1287–1294, Sept. 1979.

BROOKS, Chris. Introductory econometrics for finance. Cambridge: Cambridge University Press, 2002.

BURRELL, G.; MORGAN, G. Sociological paradigms and organizational analysis. London: Heinemann, 1979.

CAMARGOS, Marcos Antônio; BARBOSA, Francisco Vidal. Teoria e evidência da eficiência informacional do mercado de capitais brasileiro. Caderno de Pesquisas em Administração, São Paulo v. 10, n. 1, p. 41-55, jan./mar. 2003.

CAMPOS FILHO, A. Fluxo de caixa em moeda forte, análise, decisão e controle.

ed. São Paulo: Atlas, 1993.

CAMPOS FILHO, A. Demonstração dos fluxos de caixa: uma ferramenta indispensável para administrar sua empresa. São Paulo: Atlas, 1999.

CASELA, G.; BERGER, R. StatisticalInference.Australia : Duxbury, Thomson Learning, c2002.

CASTELLS, M. A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

CHENG, C. S. A.; HOLLIE, D. The usefulness of core and non-core cash flows in predicting future cah flows. 2005. (WorkingPaper). Disponível em . Acesso em: 10 jan. 2010.

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPÉIAS. Regulamento (CE) nº 1126/2008 da comissão, de 3 de novembro de 2008. Jornal Oficial da União Européia, Série L, Regulamentos, 29 nov. 2008. Disponível em: . Acesso em: 6 dez. 2012.

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS. Pronunciamento conceitual básico: estrutura conceitual para a elaboração e apresentação das demonstrações contábeis. Brasília, 2008a.

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS. Pronunciamento técnico CPC 03: demonstração de fluxos de caixa. Brasília, 2008b.

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE. Resolução CFC n. 1.282/10. Atualiza e consolida dispositivos da Resolução CFC Nº. 750/93, que dispõe sobre os Princípios Fundamentais de Contabilidade. Brasília, 2010a. Disponível em: . Acesso em: 4 mar. 2013.

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE. Resolução CFC n. 1.296/10. Aprova a NBC TG 03 – Demonstração dos Fluxos de Caixa. Brasília, 2010b. Disponível em: . Acesso em: 4 mar. 2013.

COSTA, F. M.; LOPES, A. B.; COSTA, A. C. O. Conservadorismo em cinco países da América do Sul. Revista Contabilidade e Finanças, São Paulo, v. 17, n. 41, p. 7-20, maio/ago. 2006.

CRAINICEANU, C.; RUPPERT, D. Likelihood ratio tests in linear mixed models with one variance component. Journal of the Royal Statistical Society: series B, statistical methodology, London, v. 66, n. 1, p. 165–185, Feb. 2004.

CUNHA, M. F. Conteúdo relativo e incremental do lucro e do fluxo de caixa das operações no mercado de capitais brasileiro. 2006. 153 f. Dissertação (Mestrado) - Programa MultiinstitucionalInter-Regional de Pós -Graduação em Ciências Contábeis, Universidade de Brasília, Universidade Federal da Paraíba, Universidade Federal de Pernambuco, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Brasília, 2006.

DAFT, Richard L. Teoria e projeto das organizações. 6. ed. Rio de Janeiro: LTC, 1999.

DECHOW, P. M. Accounting earnings and cash flows as measures of firm performance: the role of accounting accruals. Journal of Accounting and Economics, Amsterdam, v. 18, n. 1, July, p. 3-43, 1994.

DECHOW, P. M.; DICHEV, I. D. The quality of accruals and earnings: the role of accrual estimation errors. 2001. (WorkingPapers Series). Disponível em Acesso em: 25 jun.2010.

DECHOW, P. M.; KOTHARI, S.P.; WATTS, R. L. The relation between earnings and cash flows. Journal of Accounting and Economics, Amsterdam, v. 25, n. 2, p. 133-168, May 1998.

DIAS FILHO, J. M.; MACHADO, L. H. B. Abordagens da pesquisa em contabilidade. In: IUDÍCIBUS, S.; LOPES, A. B. (Coord.). Teoria Avançada da Contabilidade. São Paulo: Atlas, 2004.

DIMAGGIO, P.J.; POWELL, W.W. A gaiola de ferro revisitada: isomorfismo institucional e racionalidade coletiva nos campos organizacionais. Revista de Administração de Empresas, Rio de Janeiro, v. 45, n. 2, p. 74-89, jun. 2005.

DUARTE, P. C.; LAMOUNIER, W. M. ; COLAUTO, R. D. . Modelos econométricos para dados em painel: aspectos teóricos e exemplos de aplicação à pesquisa em contabilidade e finanças. In: LOPES, Jorge; RIBEIRO FILHO, José Francisco; PEDERNEIRAS, Marcleide (Org.). Educação contábil: tópicos de ensino e pesquisa. São Paulo: Atlas, 2008. v. 1.

EFROYMSON, M.A. Multiple regression analysis. In: RALSTON, A.; WILF, H. S. (Ed.). Mathematical methods for digital computers. New York: Wiley, 1960.

FAMA, E. F. Efficient capital markets: a review of theory and empirical work. The Journal of Finance, Cambridge, v. 25, n. 2, p. 383-417, May 1970.

FAMA, E. F. Efficient capital markets: II. The Journal of Finance, Cambridge, v. 46, n. 5, p.1575-1618, Dec. 1991.

FINANCIAL ACCOUNTING STANDARDS BOARD. Statement of Cash Flows. Norwalk, 1987. (Statement of Financial Accounting Standards, 95 ). Disponível em: . Acesso em: 6 dez. 2012.

EVIDENCIAR. In: FERREIRA, A. B. H. Dicionário da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Nova Pesquisa, 2010. p. 736.

FINGER, C. A. The ability of earnings to predict future earnings and cah flow.JournalofAccountingResearch, Chicago, v. 32, n. 2, p. 210-223, Autumn 1994.

FORTI, C. A. B.; PEIXOTO, F. M.; SANTIAGO, W. P. Hipótese da eficiência de mercado: um estudo exploratório no mercado de capitais brasileiro. Gestão & Regionalidade, São Caetano do Sul, v. 25, n. 75, p. 45-56, set./dez. 2009.

FREITAS, C. A. S. Aprendizagem, isomorfismo e institucionalização: o caso da atividade de auditoria operacional no tribunal de contas da união. 2005. 235 f. Dissertação (Mestrado em Administração) - Programa de Pós-Graduação em Administração, Universidade de Brasília, Brasília, 2005.

FREZATTI, F. Gestão do fluxo de caixa diário: como dispor de um instrumento fundamental para o gerenciamento do negócio.São Paulo: Atlas, 1997.

GALDI, F. C. Estratégias de investimento em ações baseadas na análise de demonstrações contábeis: é possível prever o sucesso? 2008. Tese (Doutorado em Ciências Contábeis) – Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008.

GITMAN, L. J. Princípios de administração financeira. 7. ed. São Paulo: Harbra, 1997.

GREENBERG , R. R.; HOHNSON, G. L; RAMESH, K. Earnings versus cash flow as a predictor of future cash flow measures. JournalofAccountingAuditing&Finance. v. 1, n. 4, p. 266-277, Oct. 1986.

GUERREIRO, R.; PEREIRA, C. A. Avaliação do processo de mudança da contabilidade gerencial sob o enfoque da teoria institucional: o caso do Banco do Brasil. In: ENCONTRO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, 29., 2005, Brasília. Anais... Brasília: ANPAD, 2005. 1 CD-ROM.

GUERREIRO, R.; PEREIRA, C. A.; LOPES, A. B. Uma contribuição ao entendimento da estabilidade e da mudança da contabilidade gerencial sob a ótica da teoria institucional. In: ENCONTRO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, 28, 2004, Curitiba. Anais... Curitiba, ANPAD, 2004. 1 CD-ROM.

GUJARATI, D. Econometria básica. 4. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2006.

HAIR JUNIOR, J. F. et al.Análise multivariada de dados. 5. ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

HAUSMAN, J. A. Specification tests in econometrics. Econometrica, Chicago, v. 46, n. 6, p. 1251–1271, Nov. 1978.

HEATH, L. C. Is working capital really working? Journal of Accountancy, New York, v. 150, n. 2, p. 55-62, Aug. 1980.

HENDRIKSEN, E.; VAN BREDA, M. F. Teoria da contabilidade.São Paulo: Atlas, 1999.

HOPP, J. C.; LEITE, H. P. O crepúsculo do lucro contábil. Revista de Administração de Empresas, Rio de Janeiro, v. 28, n. 4, p. 55-63, out. / dez. 1988.

HOPP, J. C.; LEITE, H. P. O mito da liquidez. Revista de Administração de Empresas. Rio de Janeiro, v. 29. n. 4, p. 63-9, out./dez. 1989.

HSIAO, C. Formulation and estimation of dynamic models using panel data. Journal of Econometrics, Amsterdam, v. 18, n. 1, p. 67-82, Jan. 1982.

IQUIAPAZA, R. A. et al.Evolução da pesquisa em finanças: epistemologia, paradigma e críticas. O & S, Salvador, v.16 - n.49, p. 351-370 - abr./jun. 2009.

IUDICIBUS, S. Lucro contábil: crepúsculo ou ressurgimento? Caderno de Estudo, São Paulo, v. 1, p. 1-5, out., 1989.

IUDICIBUS, S. et al.Manual de contabilidade das sociedades por ações: aplicável também às demais sociedades. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

IUDICIBUS, S. Teoria da contabilidade.5. ed. São Paulo: Atlas, 1997.

JOHNSON, H. T.; KAPLAN, R. S. Relevance lost: the rise and falloff management accounting. Boston: Harvard Business School Press, 1987.

KAM, V. Accounting theory. Hayward, CA: John Wiley & Sons, 1986.

KERLINGER, F. N. Metodologia da pesquisa em ciências sociais:um tratamento conceitual.São Paulo: EPU; EDUSP, 1991.

KHANSALAR, E. The reliability of accruals and the prediction of future cash flow. International Journal of Business and Management, Toronto,v. 7, n. 2, p. 45-57, Jan. 2012.

KING, A. M. Total cash management. New York: McGraw Hill, 1994.

KOTHARI, S. P.Capital markets research in accounting. Journal of Accounting & Economics, Amsterdam,v. 31. p. 105-231, 2001.

LEV. B.; LI, S.; SOUGIANNIS, T. Accounting estimates: pervasive, yet of questionable usefulness. New York: New York University, 2005. (Working Paper).

LOPES, A. B. A informaçãocontábil e o mercado de capitais. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2002.

LOPES, A. B.; MARTINS, E. Teoria da contabilidade: uma nova abordagem. São Paulo: Atlas, 2005.

LUBBERINK, M.; POPE, P.Does scale make a difference? 2005. (WorkingPaper). Disponível em: . Acesso em:4 maio 2012.

LUSTOSA, P. R. B.; SANTOS, A. A importância relativa do ajuste no fluxo de caixa das operações para o mercado de capitais brasileiro. In: CONGRESSO USP DE CONTROLADORIA E CONTABILIDADE, 6., 2006. São Paulo., Anais... 2006. Disponível em: . Acesso em: 4 maio 2012.

LUSTOSA, P. R. B.; SANTOS, A. Poder relativo do lucro contábil e do fluxo de caixa das operações para prever fluxos de caixa futuros: um estudo empírico no Brasil. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade, Brasília, v. 1, n. 1, p. 39-58, jan/abr. 2007.

MACHADO-DA-SILVA, C. L.; FONSECA, V. S.; CRUBELLATE, J. M. Estrutura e interpretação: elementos para uma abordagem recursiva do processo de institucionalização. Revista de Administração Contemporânea, Curitiba, v. 9, p. 9-39, 2005. Número especial 1.

McCULLERS, L. D.; DANKER, R. P. V. Introdução à contabilidade financeira. Rio de Janeiro: Interciência, 1978.

MADEIRA, G. J. Evidenciação. Contabilidade Vista e Revista,Belo Horizonte, v. 6, n. 1, p.13-21, dez. 1995.

MALACRIDA, M. J. C. A relevância do lucro líquido versus fluxo de caixa operacional para o mercado de ações brasileiro. 2009. 145 f. Tese (Doutorado em Ciências Contábeis) – Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

MALHOTRA, N. K. Pesquisa de marketing: uma orientação aplicada. 4. ed. Porto Alegre: Bookman, 2006.

MARION, José Carlos. Contabilidade empresarial. 8. ed. São Paulo: Atlas, 1998.

MARTINS, E.; ASSAF NETO, A. Administração financeira: as finanças das empresas sob condições inflacionárias. São Paulo: Atlas, 1986.

MARTINS, E. Contabilidade vs. fluxo de caixa. Caderno de Estudos,São Paulo, v. 11, n. 2, p. 9-17, jan./abr. 1999.

MASLOW, A. H. Uma teoria da motivação humana. In: BALCÃO, Y.; CORDEIRO, L. L. (Org.). O comportamento humano na empresa. Rio de Janeiro: FGV, 1975. p. 337-366.

MATARAZZO, D. C. Demonstração das origens e aplicações de recursos: fundamentos, aspectos legais, elaboração e análise. 1980. 342 f. Dissertação (Mestrado) - Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1980.

MATTAR, F. N. Pesquisa de marketing. São Paulo: Atlas, 1996.

MEYER, J. W.; ROWAN, B. Institutionalized organizations: formal structure as myths and ceremony. American JournalofSociology, Chicago,v. 83, n. 2, p. 340-363, Sept. 1977.

NAGANO, M. S.; MERLO, E. M.; SILVA, M. C. As variáveis fundamentalistas e seus impactos na taxa de retorno de ações no Brasil. Revista da FAE, Curitiba, v. 6, n. 2, p. 13-28, maio/dez. 2003.

OLIVEIRA, A. M. Informações: a busca da evidenciação ideal. Caderno de Estudos,São Paulo: v. 10, n. 19, p.16-22, set./dez. 1998.

PADOVEZE, C. L. Contabilidade gerencial:um enfoque em sistema de informação contábil. São Paulo: Atlas, 1996.

PASSALONGO, C.; ICHIKAWA, E. Y.; REIS, L. G. Contribuições da teoria institucional para os estudos organizacionais: o caso da Universidade Estadual de Londrina. Revista de Negócios, Blumenau, v. 9, n. 1, p. 19-26, jan./mar. 2004.

PFEIFFER, et al.Additional evidence on the incremental information contento f cash flows and accruals: the impacto f errors in measuring market expectations.The AccountingReview, Sarasota,v. 7, n. 3, p. 373-385, July 1998.

PINHEIRO, J. L. Mercado de capitais: fundamentos e técnicas. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

RAPPAPORT, A. Gerando valor para o acionista. São Paulo: Atlas, 2001.

RIBEIRO, V. M. A. C. Previsão do lucro contábil e do fluxo de caixa: análise por meio do modelo randowwalk.2006. 62 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Contábeis) – Departamento de Economia, Universidade de Brasília, Brasília, 2006.

RICCIO, E. L.; MENDONÇA, O. R.; SAKATA, M. C. G. A inserção de Michel Foucault na contabilidade: movimentos de teorias em campos interdisciplinares.In: CONGRESSO USP DE CONTROLADORIA E CONTABILIDADE, 4., São Paulo, 2005. Anais... São Paulo: FEA/USP, 2005.

RICHARDSON, R. P. Pesquisa social: métodos e técnicas. 3. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

ROSS, S. A., WESTERFIELD, R. W., JAFFE, J. F. Administração financeira. São Paulo: Atlas, 1995.

RUMELT, R. P. How much does industry matter? Strategic Management Journal, Sussex, v. 12, n. 3, p. 167-185, Mar. 1991.

SAKAMOTO, Y.; ISHIGURO, M.; KITAGAWA, G. Akaike information criterion statistics. Dordrecht: D. Reidel, 1986.

SALOTTI, B. M. Divulgação voluntária da demonstração dos fluxos de caixa no mercado de capitais brasileiro.São Paulo, 2005. 156 f. Tese (Doutorado em Ciências Contábeis) – Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005.

SALOTTI, B. M., YAMAMOTO, M. M. Divulgação voluntária da demonstração dos fluxos de caixa no mercado de capitais brasileiro. Revista Contabilidade e Finanças, São Paulo, v. 19, n. 48, p. 37 - 49, set./dez. 2008.

SANTANA, A. C.; AQUINO, W. D. Evidenciação. Caderno de Estudos.São Paulo: v. 2, n. 5, p. 1-58, jun. 1992.

SANTANA, A. C., BENTO, S. A. Demonstração do fluxo de caixa. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CONTABILIDADE, 14.,1992, Salvador. [Anais...]. Salvador: Conselho Federal de Contabilidade, 1992.

SANTANA, A. L. A.; MACHADO, A. Os impactos da divulgação financeira na precificação das ações das indústrias participantes da Bovespa. Ciências Sociais Aplicadas em Revista, Cascavel, v. 8, n. 15, p. 107-124, 2008.

SANTIAGO, W. P. Demonstração do fluxo de caixa: uma contribuição para a evidenciação contábil. 2000. 138 f. Dissertação (Mestrado em Mercadologia e Administração Estratégica) - Centro de Pós-Graduação e Pesquisas em Administração, Universidade Federal de Minas Gerais, 2000.

SANTIAGO, W. P.A influência do caixa, do lucro e dos accruals na predição de caixa: uma investigação com dados em painel das companhias brasileiras de capital aberto. 2013. 162 f. Tese (Doutorado em Administração) - Centro de Pós-Graduação e Pesquisas em Administração, Universidade Federal de Minas Gerais, 2013.

SANTIAGO, W. P.AMARAL, H. F.; IQUIAPAZA, R. A. ; LEITE FILHO, G. A. . A influência do lucro na predição de caixa: uma investigação com dados em painel das companhias brasileiras de capital aberto. Espacios (Caracas), v. 35, p. 1-18, 2014.

SANTOS. A.; LUSTOSA, P. R. Demonstração dos fluxos de caixa: uma reflexão sobre a objetividade (ou a falta de) do fluxo de caixa. IOB Informações Objetivas:temática contábil e balanços, São Paulo, n.14, p. 1-8, 1999.

SANTOS, E. S. Objetividade x relevância: o que o modelo contábil deseja espelhar? Caderno de Estudos. São Paulo, v. 10, n. 18, p.9-19, maio/ago. 1998.

SANTOS, M. A. C. Importância relativa do conteúdo informacional do resultado contábil: uma verificação empírica no Brasil. 2009. 121 f.Dissertação (Mestrado)- Programa Multi-institucional e Inter-Regional de Pós-Graduação em Ciências Contábeis, Universidade de Brasília, Universidade Federal da Paraíba, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, 2009.

SCOTT, R. W. Institutions and organizations. 2. ed. London: Sage Publications, 2001.

SELZNICK, P. Leadership in administration. New York: Harper & Row, 1957.

SHAPIRO, S. S; WILK, M. B. An analysis of variance test for normality. Biometrika, London, v. 52, n.3-4, 591-611, 1965.

SILVA, C. A. T.; SANTOS, J. O.; OGAWA, J. S. Fluxo de caixa e DOAR. Boletim IBRACON, São Paulo, v. 17, n. 199, p. 1-11, dez. 1994.

SILVA, O. M.; CRUZ JÚNIOR, J. C. Dados em painel: uma análise do modelo estatístico. In: SOARES, Ilton G.; CASTELAR, Ivan. (Coord.). Econometria aplicada com o uso do Eviews. Fortaleza: UFC/CAEN, 2003.

SILVEIRA, A. De Miceli da; OKIMURA, R. T.; SOUSA, A. F. de. O valor econômico adicionado (EVA) possui maior relação com o retorno das ações do que o lucro líquido no Brasil? Trabalho apresentado no sétimo Semead realizado em 2005. [2005]. Disponível em: . Acessoem: 25 jan. 2010.

SOLOMONS, D. Economic and accounting concepts of income. The Accounting Review, Sarasota, v. 36, n. 3, p. 374-383, July 1961.

SOUTO MAIOR, V. C. A avaliação da atual evidenciação de informações obrigatórias, a partir da percepção dos analistas de investimentos. 1994. 254 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Contábeis) - Faculdade de Administração e Finanças, Universidade Estadual do Rio, Rio de Janeiro, 1994.

TELES, E. L. A demonstração do fluxo de caixa como forma de enriquecimento das demonstrações contábeis exigidas por lei. Revista Brasileira de Contabilidade, Brasília. n. 105, p. 64-71, jul. 1997.

THEÓPHILO, C. R. Demonstração de origens e aplicações de recursos e demonstração do fluxo de caixa. Contabilidade Vista e Revista, Belo Horizonte, v. 9, n. 2, p.41-46, jun.1998.

VERRECCHIA, R. E. Essays on disclosure. Journal of Accounting & Economics, Amsterdam, v. 32, n. 1, p. 97 – 180, Dec. 2001.

WATTS, R. L.; ZIMMERMANN, J. L. Positive accounting theory. Englewood Cliffs: Prentice-Hall, 1986.

WHITE, H. A heteroskedasticity. Consistent covariance matrix and a direct test for heteroskedasticity. Econometrica, Chicago, v. 48, n. 4, p. 817–838, May 1980.

WOOLDRIDGE, J. M. Econometric analysis of cross sextion and panel data. Cambridge: MIT Press, 2002.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.