Modelo híbrido: possibilidade de ensino no século XXI / Hybrid mode: possibility of 21st century education

Joicy Mara Rezende Rolindo, Meillyne Alves dos Reis, Flávia Ferreira de Almeida, Tatiana Caexeta Aranha, Juliana Macedo Melo, Sara Fernandes Correia, Gláucia Oliveira Abreu Batista Meireles, Lígia Bráz Melo

Abstract


A Educação a Distância surge como uma proposta educacional coerente com as mudanças sociais e com a inserção das tecnologias da informação e da comunicação (TICs) em todos os processos produtivos. As tecnologias digitais incorporam à  educação do século XXI novas possibilidades de ensino. Assim, o objetivo principal da presente pesquisa é descrever os marcos legais que normatizam a educação a distância, bem como analisar a educação híbrida como possibilidade de educação do século XXI. A metodologia utilizada foi a pesquisa bibliográfica. O referencial teórico abarca autores como Horn e Staker (2015), Moran (2015), Belloni (2012), Bacich et al. (2015), Masetto (2000) entre outros. Os resultados obtidos expõem o percurso da legislação em EAD consoante com o desenvolvimento das Tecnologias da Informação e da Comunicação, mostrando a expansão da Educação a Distância a partir de 1998 com a Lei de Diretrizes e Bases da Educação.  Destacou-se um processo de intensificação e regulamentação para expansão da Educação a Distância em várias modalidades de ensino no início do século XXI, bem como um significativo número de estudantes nessa modalidade. Por fim, com o decreto Nº 9.057/2017, verificou-se a flexibilização e desburocratização da educação a distância. Nesse cenário, concluiu-se que a educação a distância responde a um processo educativo mais flexível, democrático e aberto, no qual os principais atores, alunos e professores, são sujeitos da ação educativa. Nesse cenário, o ensino híbrido,  no qual são reunidas várias formas – física e digital –,  combinando colaboração (aprender juntos) e personalização (percursos individuais), de acordo com a necessidade, sem  horários rígidos e planejamento engessado, ao mesmo tempo que envolve a participação ativa do estudante, pode ser uma das propostas pedagógicas que atende à realidade do século XXI.

 


Keywords


Educação a Distância. Legislação EAD. Modalidade híbrida.

References


ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MANTENEDORAS DE ENSINO SUPERIOR (ABMES). Ensino a distância cresce mais que presencial, aponta ABMES. Dispónível em https://abmes.org.br/noticias/imprimir/3237. Acesso em: 03 jul. 2019.

BACICH, L.; TANZI NETO, A.; TREVISANI, F. de M. (Org.). Ensino Híbrido: personalização e tecnologia na educação. Porto Alegre: Penso, 2015.

BEHRENS, M. A. Projetos de aprendizagem colaborativa com tecnologia interativa. In: MORAN, J. M.; MASETTO, M.; BEHRENS, M. A. Novas Tecnologias e mediação pedagógica. São Paulo: Papirus, 2000.

BELLONI, M. L. Educação a distância. Campinas: Autores Associados, 2012.

BRASIL. Decreto nº 9.057, de 25 de maio de 2017. Regulamenta o art. 80 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. LDB: Lei de diretrizes e bases da educação nacional. – Brasília: Senado Federal, Coordenação de Edições Técnicas, 2017. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2017/Decreto/D9057.htm. Acesso em: 02 jul. 2019.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Censo da educação superior 2017: divulgação dos principais resultados: Inep, 2018. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/setembro-2018-pdf/97041-apresentac-a-o-censo-superior-u-ltimo/file. Acesso em: 03 jul. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Decreto n.º 2.494, de 10 de fevereiro de 1998.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Artigo 80. O Poder Público incentivará o desenvolvimento e a veiculação de programas de ensino a distância, em todos os níveis e modalidades de ensino, e de educação continuada. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seed/arquivos/pdf/tvescola/leis/lein9394.pdf. Acesso em: 02 jul. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Portaria nº 1.134, de 10 de outubro de 2016. Revoga a Portaria MEC nº 4.059, de 10 de dezembro de 2004, e estabelece nova redação para o tema. Disponível em: https://abmes.org.br/arquivos/legislacoes/Port-MEC-1134-2016-10-10.pdf. Acesso em: 02 jul. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Portaria nº 2.253, de 18 de outubro de 2001. Trata da oferta de disciplinas que, em seu todo

BRASIL. Ministério da Educação. Portaria nº 4.059 de 10 de dezembro de 2004. Regulamenta o art. 80 da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional.

BRASIL. Ministério da Educação.2017. O que é educação a distância? Disponível em: http://portal.mec.gov.br/component/content/article?id=12823:o-que-e-educacao-a-distancia. Acesso em: 10 jul. 2019.

BRASIL. Portaria nº 1.428, de 28 de dezembro de 2018. Dispõe sobre a oferta, por Instituições de Educação Superior - IES, de disciplinas na modalidade a distância em cursos de graduação presencial. Disponível em: http://www.in.gov.br/materia/-/asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/57496468/do1-2018-12-31-portaria-n-1-428-de-28-de-dezembro-de-2018-57496251. Acesso em: 02 jul. 2019.

Costa, K. A. S. da; Fofonca, E.; Sartori, A. S. A legislação educacional da modalidade de educação a distância. In: Congresso Internacional de Educação e Tecnologias: Educação e Sociedade em Transição", Sorocaba: UFSCAR, 2018.

MASETTO, M. T. Mediação pedagógica e o uso da tecnologia. In: MORAM, J. M.; MASETTO, Marcos T.; BEHRENS, Maria. Novas tecnologias e mediação pedagógica. São Paulo: Papirus, 2000..

MORAN, J. Educação Híbrida: um conceito-chave para a educação hoje. In:

MORAN, J. M.. A educação que desejamos: novos desafios e como chegar lá. Campinas, São Paulo: Papirus, 2015.

MORAN, José Manuel, MASSETTO, Marcos T., BEHRENS Marilda Aparecida. Novas tecnologias e mediações pedagógicas. São Paulo: Papirus, 2012.

OLIVEIRA, A. T. Ensino Semipresencial em cursos superiores presenciais: legislação, conceitos e reflexões. 2012. Dissertação (Mestrado em Educação) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2012.

RUMBLE, G. A tecnologia da Educação a distância em cenários do terceiro mundo. In: PRETTI, Oreste (Org.). Educação a Distância: construindo significados. Brasília: Plano, 2000.

SILVA, M. R. C. da; MACIEL, Cristiano. Blended learning: reflexões sobre o ensino semipresencial na educação superior no brasil. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. São Paulo. Puc-SP. 2015.Disponível em https://educere.bruc.com.br/arquivo/pdf2015/20231_9663.pdf. Acesso em 09 de jul. 2019.

STAKER, H.; HORN, M. B. Classifying K–12 blended learning. Mountain View, CA: Innosight Institute, Inc. 2012. Disponível em: https://www.christenseninstitute.org/wp-content/uploads/2013/04/Classifying-K-12-blended-learning.pdf . Acesso em: 02 jul. 2019.

VALENTE, J. A. Blended learning e as mudanças no ensino superior: a proposta da sala de aula invertida. Educar em Revista, Curitiba, Brasil, Edição Especial n. 4/2014, p. 79-97. Editora UFPR.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv5n9-043

Refbacks

  • There are currently no refbacks.