A história de vida de professores: a hermenêutica da gratidão profissional/The life story of teachers: the hermeneutic of professional gratitude

Juarez Francisco da Silva, Evelise Maria Labatut Portilho, Ariana Cosme

Abstract


O trabalho aqui apresentado é o resultado de interpretação dos memoriais e entrevistas realizadas com grupo de professoras de ensino fundamental. Durante dois meses no ano de 2016, o grupo de estudos da PUC-PR em aprendizagem e conhecimento na formação continuada, conduziu um curso com tarefas semanais para professoras de uma mesma instituição de ensino. Dentre as tarefas, foi solicitado um memorial a cada professora, bem como foram realizadas entrevistas semiestruturadas individualmente. Nos textos escritos nos memoriais pelas professoras, assim como na leitura das entrevistas transcritas, a interpretação do fenômeno pelos pesquisadores estendeu-se para o distanciamento da comunicação, onde cada um revelou sua historicidade na experiência da vida até o momento em que se definiu profissionalmente. O fenômeno que se evidencia na tradição reflexiva sugerida por Ricoeur (2013), enfatiza a autoconsciência e o autoconhecimento, além do conhecimento que o indivíduo tem do mundo no momento em que faz contato com algo que o mobiliza. Para o mesmo modelo reflexivo definido para essa interpretação, o ser humano não tem conhecimento direto ou imediato de si mesmo, mas pode se conhecer e aprender de forma indireta, considerando suas relações no mundo objetivo e nas ações nele como resultado. Nesse sentido, o fenômeno que foi observado na escuta das entrevistas e na leitura dos memoriais, se construiu a partir de cinco temas como critérios da textualidade ou como mediação: a) a efetuação da linguagem como discurso; b) o discurso como obra; c) a relação entre fala e a escrita; d) o mundo do texto; e e) compreender-se diante da obra. O resultado demonstra que nas várias experiências das professoras e na forma como se relacionam com as histórias, indica bom nível de satisfação e de muita gratidão pelos caminhos que conduziram para a escolha profissional.


Keywords


Aprendizagem. História de vida de professores. Autoconhecimento

References


BACHELARD, G. A epistemologia. Lisboa: Edições 70, 2006.

BRUNER, J. A construção narrativa da realidade. Em:www.academia.edu/, visitado em 01/04/2017.

CASTAÑON, G. Introdução a epistemologia. São Paulo: EPU, 2007. Parte I.

COSENZA, R. M; GUERRA, L. B. Neurociência e educação: como o cérebro aprende. Porto Alegre: Artmed, 2011.

DA SILVA, J. F. A epistemologia transdisciplinar nos pressupostos da Teoria da Complexidade e no contexto da organização do trabalho. Saarbrücken: Novas Edições Acadêmicas, 2015.

DOMINGUES, I. Epistemologia das ciências humanas. São Paulo: Loyola, 2004.

DREHER, S. A. S. e PORTILHO, E. M. L. Categorias metacognitivas como subsídio à prática pedagógica. Revista Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 38, n. 1, p.181-196, 2012.

FOUCAULT, M. A hermenêutica do sujeito. Tradução de Márcio Alves da Fonseca e Salma Tannus Muchail. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

FRANKL, V. Logoterapia e análise existencial. Campinas: Psy II, 1995.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2015.

______. Educação como prática de liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2001.

GIORDAN, A. e DE VECCHI, G. As origens do saber: das concepções dos aprendentes aos conceitos científicos. Tradução de Bruno Charles Magne. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996.

HEIDEGGER, M. Ser e tempo. Petrópolis: Vozes, 1996.

JACOBI, Pedro Roberto. Educação Ambiental: o desafio da construção de um pensamento crítico, complexo e reflexivo. Revista Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 2, p. 233-250, maio/ago. 2005.

JUNG, C. G. O homem e seus símbolos. Rio de Janeiro. Nova Fronteira: 1998.

LEVIN, J. Estatística aplicada a ciências humanas. Tradução de Sergio Francisco Costa. São Paulo: Harbra, 1987.

MORIN, E. Meu caminho. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2010. (Entrevistas com Djénane Kareh Tager).

______. O método 3: O conhecimento do conhecimento. Tradução: Juremir Machado da Silva. Porto Alegre: Sulina, 2008.

NÓVOA, A. (org). Profissão professor. Tradutores: Irene Lima Mendes, Regina Correia, Luisa Santos Gil. Porto: Porto editora, 1995.

______. Vidas de Professores. Tradutores: Maria dos Anjos Caseiro, Manuel Figueiredo Ferreira. Porto: Porto Editora, 1992.

PAROLIM, I.; PORTILHO, E. In: PINTO, S. e outros (org.). Psicopedagogia. Um portal para a inserção social. São Paulo: Vozes, 2003.

PIMENTA, S.G. (org). Saberes pedagógicos e atividade docente. São Paulo: Cortez, pp. 15-34, 1999.

PINKER, S. Como a mente funciona. Tradução: Laura Teixeira Mota. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

POPPER, K. R. O mito do contexto. Rio de Janeiro: Edições 70, 1996.

PORTILHO, E. M. L. e TESCAROLO, R. Aprendizagem. Tramas do conhecimento, do saber e da subjetividade. Petrópolis: Vozes. 2006, p. 47-59.

PORTILHO, E. M. L. Como se aprende? Estratégias, estilos e metacognição. Rio de Janeiro: Wak, 2011.

______ (org.). Alfabetização: aprendizagem e conhecimento na formação docente. Curitiba: Champagnat, 2011.

RICOEUR, P. Hermenêutica e ideologias. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 2013.

______. Vivo até a morte. São Paulo: Martins Fontes, 2012.

______. Tempo e narrativa: A intriga e a narrativa histórica. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

______. Tempo e narrativa: A configuração do tempo na narrativa de ficção. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

______. Tempo e narrativa: O tempo narrado. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

______. Teoria da interpretação: o discurso e o excesso de seignificação. 2. ed. Lisboa : BNP, 2005.

SAVIANI, D. História das aldeias pedagógicas no Brasil. 4. Ed. Campinas : Autores Associados, 2013.

TUAN, Yi-Fu. Espaço e lugar: a perspectiva da experiência. São Paulo: Difel, 1983.

______. Topofilia: um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente. São Paulo: Difel, 1980.

VAILLANT, D., MARCELO, C. Ensinando a ensinar: as quatro etapas de uma aprendizagem. Curitiba: UTFPR, 2012.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv5n9-033

Refbacks

  • There are currently no refbacks.