O desafios da inclusão do surdo / The challenges of deaf inclusion

Silvana Elisa de Morais Schubert, Ronaldo Quirino da Silva, Luiz André Brito Coelho

Abstract


Esta produção resulta das inquietações sobre o processo de ensino-aprendizagem das pessoas surdas na escola de educação inclusiva, no ensino regular. Buscamos apresentar os principais conceitos entre os quais a diferenciação entre surdez e deficiência auditiva, com base no Decreto 5626/05 (BRASIL, 2005), por meio do qual destacamos que a oficialização e regulamentação da Língua de sinais possibilitou compreender os surdos para além da constatação de uma deficiência. Buscamos destacar as compreensões de cultura e identidades surdas e apontar os desafios que estão postos para a escola inclusiva, quando depara-se com a realidade dos estudantes surdos. Entre esses desafios apontamos para a participação e modificações na organização da comunidade escolar e a formação do professor para que haja compartilhamento linguístico e para o trabalho com as diferenças. Convidamos os leitores a observarem esses fatores a luz das vivências de um autor e professor surdo e dois autores que por serem professores e intérpretes de Libras (Língua Brasileira de Sinais), convivem e trabalham com a realidade da surdez e da inclusão. Buscamos respostas para a seguinte questão: a escola que temos está preparada para a inclusão de surdos no ensino regular? Para responde-la nos pautamos em autores como: Costa (1994); Lacerda (2002); Lodi (2005); Perlin (2006); Schubert (2012, 2015, 2015b e 2019), Skliar (1998); e outros que adentram ao debate. Após o desenvolvimento do trabalho consideramos que a escola que temos não é aquela solicitada pelos surdos e apontada na legislação que prevê uma educação bilíngue, mas é aquela que o sistema permite e quando os sujeitos solicitam uma educação específica e mais acolhedora às suas especificidades, essa é entendida como segregadora e até mesmo por guetização, pois as ações políticas desconsideram o que as pessoas surdas destacam como importante para a própria educação de acordo com suas necessidades.

 


Keywords


Inclusão. Surdos. Língua Brasileira de Sinais. Guetização. Educação Incusiva

References


BRASIL, LEI Nº 9.394, DE 20 DE DEZEMBRO DE 1996.

Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: Acesso em 12 de fevereiro de 2017.

______. CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988. Disponível em: Acesso em 10 de maio de 2017.

______. DECRETO Nº 5.626, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2005.

Regulamenta a Lei no 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras, e o art. 18 da Lei no 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/decreto/d5626.htm > Acesso em 12 de fevereiro de 2017.

______. LEI Nº 10.436, DE 24 DE ABRIL DE 2002.

Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras e dá outras providências. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10436.htm > Acesso em 12 de março de 2017.

______. LEI Nº 13.146, DE 6 DE JULHO DE 2015.

Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Disponível em: Acesso em 10 de março de 2017.

COSTA, M. da P. O deficiente auditivo: aquisição da linguagem, orientações para o ensino da comunicação e um procedimento para o ensino da leitura e escrita. São Carlos: EDUFSCar, 1994.

DAMÁZIO, M. Educação escolar de pessoa com surdez: uma proposta inclusiva. 2005. Disponível em: .Acesso em: 02 /abr/2017.

HALL, S. A Identidade Cultural na Pós-modernidade. DP&A, Rio de Janeiro: 1997.

FERNANDES, Sueli de F. SURDEZ E LINGUAGENS: É POSSÍVEL O DIÁLOGO ENTRE AS DIFERENÇAS?- (Dissertação ) Mestrado em Letras. Área de Concentração- Linguística. 1995. UFPR. 1998.

GÓES, M.C.R. Linguagem, surdez e educação. Campinas, SP: Autores Associados, 1996 (Coleção educação contemporânea).

LACERDA, C. B. F. de. O intérprete educacional de língua de sinais no Ensino Fundamental: refletindo sobre limites e possibilidades. In: Letramento e Minorias. Porto Alegre: Mediação, 2002.

______. A INCLUSÃO ESCOLAR DE ALUNOS SURDOS: O QUE DIZEM ALUNOS, PROFESSORES E INTÉRPRETES SOBRE ESTA EXPERIÊNCIA. Cad. Cedes, Campinas, vol. 26, n. 69, p. 163-184, maio/ago. 2006. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/ccedes/v26n69/a04v2669.pdf > Acesso em 15 de março de 2017.

LODI, A. C. B. Plurilinguismo e surdez: uma leitura bakhtiniana da história da educação dos surdos. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 3, p. 409-424, set./dez. 2005.

MEIRELLES, Viviany & SPINILLO, Alina Galvão. Uma análise da coesão textual e da estrutura narrativa em textos escritos por adolescentes surdos. Estudos de Psicologia 2004, 9(1), 131-144. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/epsic/v9n1/22389.pdf> Acesso em 3 de abril de 2017.

PERLIN, Gladis TT. O ser e o estar sendo surdos: alteridade, diferença e alteridade. (Tese de doutorado). Porto Alegre. UFRGS. 2003. Disponível em: < http://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/5880/000521539.pdf > Acesso em maio de 2017.

______. Surdos: cultura e pedagogia. In. THOMA, A. S., LOPES, M. C. (org). A invenção da surdez II: espaços e tempos de aprendizagem na educação de surdos. Santa Cruz do Sul, EDUNISC, 2006.

RIBAS, J. B. C. O que são pessoas deficientes. São Paulo: Nova Cultural / Brasiliense, 1985.

ROSA, A. S; A presença do intérprete de língua de sinais na mediação social entre surdos e ouvintes In Silva, I. R; KAUCHAKJE, S; GESUELI, Z. M (org.) Cidadania, surdez e linguagem, Desafios e realidades; 4ª edição, São Paulo: Plexus, 2003.

SÁ, N. L. de. Educação de Surdos: a caminho do bilingüismo. EDUFF, Niterói: 1999.

______. A produção de significados sobre a surdez e sobre os surdos: práticas discursivas em educação. (Tese de Doutorado). UFRGS, FACED, PPGEDU. Porto Alegre, 2001.

______. Cultura, poder e educação de surdos. Manaus: Editora da Universidade Federal do Amazonas, 2002.

SCHUBERT. Silvana Elisa de Morais. Cultura Surda. Pós-graduação em Educação - Libras. Editora FAEL. Curitiba. 2012.

SCHUBERT, S.E de M. Entre a Surdez e a Língua: Outros sujeitos... Novas relações (intérpretes e surdos desvelando sentidos e significados). Curitiba. Editora Prismas, 2015.

SCHUBERT, Silvana Elisa de Morais et al. SURDOS EM PROL DA SINGULARIDADE... MESMO QUANDO A FONOAUDIOLOGIA NÃO QUER E A EDUCAÇÃO NÃO ENTENDE!... EDUCERE. XII CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO- FORMAÇÃO DE PROFESSORES, COMPLEXIDADE E TRABALHO DOCENTE. 2015b. pp.33.246-33.260. ISSN 2176-1396 Disponível em: < http://educere.bruc.com.br/arquivo/pdf2015/16212_8782.pdf> Acesso em 04 de agosto de 2016.

SCHUBERT, Silvana Elisa de Morais. A necessária formação para a educação de surdos. 1 ed. – Curitiba: Appris, 2019. 317 p. (Educação – Políticas e Debates)

SILVA, T. T. Contrabando, incidentes de fronteiras: ensaios de estudos culturais em educação. Porto Alegre, 1998.

SKLIAR, Carlos (org.) A Surdez: um olhar sobre a diferença Mediação. Porto Alegre: 1998.

STROBEL, K. L. & FERNANDES, S. As Imagens do outro sobre a Cultura Surda. Florianópolis, Ed. Da UFSC, 2008.

STROBEL, K. L. HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO DE SURDOS. Universidade Federal de Santa Catarina Licenciatura em Letras-LIBRAS na modalidade a distância. UFSC, Florianópolis, 2009. Disponível em: < http://www.libras.ufsc.br/colecaoLetrasLibras/eixoFormacaoEspecifica/historiaDaEducacaoDeSurdos/assets/258/TextoBase_HistoriaEducacaoSurdos.pdf > Acesso em 12 de janeiro de 2017.

UNESCO. DECLARAÇÃO DE SALAMANCA Sobre Princípios, Políticas e Práticas na Área das Necessidades Educativas Especiais- ESPANHA 7 e 10 de junho de 1994. Disponível em: Acesso em 2 de abril de 2017.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv5n9-018

Refbacks

  • There are currently no refbacks.