Qualidade microbiológica de queijo Minas frescal, artesanal, comercializados em feiras livres do Distrito Federal / Microbiological quality of Minas Frescal Cheese, handcrafted, marketed at free fairs of the Federal District

Anabele Azevedo Lima, Anna Júlia Vieira Santana Cardoso

Abstract


O queijo minas frescal, entre todos os produtos derivados do leite, estão entre os mais consumidos no Brasil, seja feito de forma industrial ou artesanal, por ser de baixo custo, nutritivo e ter uma fabricação simples, estando presente na casa de grande parte da população brasileira. De acordo com a RDC 12 de 2001 da ANVISA se destacam como contaminantes em queijos do tipo minas frescal os seguintes microrganismos: Coliformes; Staphylococcus sp.; Listeria monocytogenes e Salmonella sp., proveniente de contaminações cruzadas ou após processamento, representando risco à saúde de quem os consome. Neste estudo objetivou-se avaliar o perfil microbiológico dos queijos minas frescal, feitos artesanalmente, vendidos em feiras livres do Distrito Federal, por meio da qualificação e quantificação de Coliformes totais, termotolerantes e Salmonella sp. Para a determinação da presença ou ausência de Coliformes totais foi selecionada uma diluição (10-³) onde 1 mL foi transferido para tubos contendo caldo verde brilhante (VB), com tubos de Duhran invertidos que foram incubados a 35°C, durante 48 horas. Para Coliformes termotolerantes foi transferido 1mL da diluição escolhida (10-³) para um tubo contendo caldo EC, com tubos de Duhran invertidos, incubados a 45°C, durante 48 horas. E para a identificação de Salmonella sp. foi selecionada uma diluição (10-³) onde 0,1 mL foi transferido para placas de Petri com meios de Ágar SS e incubados a 45ºC por 16 horas. Foi detectada presença de coliformes totais e termotolerantes em 100% das amostras analisadas e 95% de presença de Salmonella. A presença desses microrganismos acima do recomendado pela legislação vigente indica má qualidade do produto, tornando-os impróprios para consumo humano, havendo a necessidade de melhorias no processo de produção desses queijos artesanais e uma fiscalização eficiente pelos órgãos responsáveis.

 

 

 


Keywords


Queijo minas frescal artesanal, coliformes totais, coliformes termotolerantes, Salmonella.

References


ALMADAS, L.S.; DANTAS, A.V. SILVA, F.C. Qualidade microbiológica de águas de coco comercializada no município de Currais Novos/RN. Holos, Ano 25, vol.3, 2009.

APOLINÁRIO, T. C. C.; SANTOS, G. S.; LAVORATO, J. A. A. Avaliação da qualidade microbiológica do queijo minas frescal produzido por laticínios do estado de Minas Gerais. Rev. Inst. Laticínios Cândido Tostes, Juiz de Fora, v. 69, n. 6, p. 433-442, nov./dez., 2014.

BORGES, M. F.; et al. Microrganismos patogênicos e indicadores em queijo de coalho produzido no estado do Ceará, Brasil. B. Ceppa, Curitiba, v. 21, n. 1, p. 31-40, jan./jun. 2003.

BRANT, L. M. F.; FONSECA, L. M.; SILVA, M. C. C. Avaliação da qualidade microbiológica do queijo-de-minas artesanal do Serro-MG. Arq. Bras. Med. Vet. Zootec., v. 59, n. 6, p. 1570-1574, 2007.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Manual técnico de diagnóstico laboratorial de Salmonella spp.: diagnóstico laboratorial do gênero Salmonella. Fundação Oswaldo Cruz. Laboratório de Referência Nacional de Enteroinfecções Bacterianas, Instituto Adolf Lutz. Brasília: Ministério da Saúde, 2011.

BRASIL. Lei Nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. Disponível em: < http://www.planalto.gov .br/ccivil_03/Leis/L8080.htm> Acesso em: 21/08/2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução-RDC N° 12, de 02 de janeiro de 2001. Regulamento Técnico sobre Padrões Microbiológicos para Alimentos. Brasília, 2001. Disponível em: . Acesso em: 29/08/2018.

BRASIL. Manual Integrado de Vigilância, Prevenção e Controle de Doenças Transmitidas por Alimentos. 2010. Disponível em: Acesso em: 12/08/2018.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Manual de métodos oficiais para análise de alimentos de origem animal. Secretaria de Defesa Agropecuária. Brasília: MAPA, 2017.

CARDOSO, A. E. A.; et al. Análise microbiológica em queijo minas frescal. Anais V SIMPAC, volume 5, n. 1, p. 157-162, jan./dez., Viçosa – MG, 2013.

DIAS, B. F.; FERREIRA, S. M.; CARVALHO, V. S.; SOARES, D. S. B. Qualidade microbiológica e físico-química de queijo minas frescal artesanal e industrial. Revista de Agricultura Neotropical, Cassilândia-MS, v. 3, n. 3, p. 57-64, jul./set. 2016.

FEITOSA, T.; BORGES, M. F.; NASSU, R. T.; AZEVEDO, E. H. F; MUNIZ, C. R. Pesquisa de Salmonella sp., Listeria sp. e microrganismos indicadores higiênico-sanitários em queijos produzidos no estado do Rio Grande do Norte. Ciênc. Tecnol. Aliment., Campinas, 23(Supl): 162-165, dez. 2003.

FLORENTINO, E.S.; MARTINS, R.S. Características microbiológicas do "queijo de coalho" produzido no estado da Paraíba. Revista Higiene Alimentar, São Paulo, v. 13, n. 59, p. 43-48, 1999.

FLORES, A. M. P. C.; MELO, C. B. Principais bactérias causadoras de doenças de origem alimentar. Rev. Bras. Med. Vet., 37(1): 65-72, jan/mar. 2015.

KIM, N. H.; et al. Microbiological criteria and ecology of commercially available processed cheeses according to the product specification and physicochemical characteristics. Food Research International, Republic of Korea, v. 106, p. 468-474. 2018.

LIMA, C. D. C.; et al. Microbiological, physical-chemical and sensory evaluation of a tradicional Brazilian chesse during the ripening process. World J Microbiol Biotechnol 24:2389-2395. 2008.

LOGUERCIO, A. P.; ALEIXO, J. A. G. Microbiologia de queijo minas frescal produzido artesanalmente. Ciência Rural, Santa Maria, v. 31, n. 6, p. 1063-1067, 2001.

MENDES, E. S.; LIMA, E. C.; NUMERIANO, A. K. M.; COELHO, M. I. S. Staphylococcus aureus, Salmonella sp. e Coliformes em queijos de coalho comercializados em Recife. Higiene Alimentar, São Paulo, v. 13, n. 66/67, p. 122-126, 1999.

NEOGEN CORPORATION. Caldo Nutriente – Nutrient Broth (7146). PI7146, Rev 02. Novembro. 2010. Disponível em: < http://foodsafety.neogen.com /pdf/acumedia_pi/7146_pt_p i.pdf>. Acesso em: 09/10/2018.

PASSOS, A. D.; et al. Avaliação microbiológica de queijos minas frescal comercializados nas cidades de Arapongas e Londrina – PR. Rev. Inst. Laticínios Cândido Tostes, Jul/Ago, n° 369, 64: 48-54, 2009.

PINHEIRO, M. B.; WADA, T. C.; PEREIRA, C. A. M. Análise microbiológica de tábuas de manipulação de alimentos de uma instituição de ensino superior em São Carlos, SP. Rev. Simbio-Logias, v. 3, n. 5, dez/2010.

PINTO, F. G. S.; SOUZA, M.; SALING, S.; MOURA, A. C. Qualidade microbiológica de queijo minas frescal comercializado no município de Santa Helena, PR, Brasil. Arq. Inst. Biol., São Paulo, v. 78, n. 2, p. 191-198, abr./jun., 2011.

R Core Team. R: A language and environment for statistical computing. R Foundation for Statistical Computing, Vienna, Austria. Version 3.5.1. 2018. Disponível em: .

REZENDE, P. H. L.; et al. Aspectos sanitários do queijo minas artesanal comercializado em feiras livres. Rev. Inst. Laticínios Cândido Tostes, Nov/Dez, n° 377, 65: 36-42, 2010.

RODRIGUES, C. R. F.; FERREIRA, L. C. Avaliação da qualidade microbiológica de queijo Minas Padrão produzido no município de Januária – MG. Cad. Ciênc. Agrá., v. 8, n. 1, p. 57-61, abril, 2016.

ROTH, L.; SIMONNE, A.; HOUSE, L.; AHN, S. Microbiological analysis of fresh produce sold at Florida farmers’ markets. Food Control, United States, v. 92, p. 444-449, 2018.

SALOTTI, B. M.; et al. Qualidade microbiológica do queijo minas frescal comercializado no município de Jaboticabal, SP, Brasil. Arq. Inst. Biol., São Paulo, v. 73, n. 2, p. 171-175, abr./jun., 2006.

SANTANA, R. F.; SANTOS, D. M.; MARTINEZ, A. C. C.; LIMA, Á. S. Qualidade microbiológica de queijo-coalho comercializado em Aracaju, SE. Arq. Bras. Med. Vet. Zootec., v. 60, n. 6, p. 1517-1522, 2008.

SOUZA, I. A.; et al. Qualidade microbiológica de queijo minas frescal comercializado na Zona da Mata Mineira. Rev. Inst. Laticínios Cândido Tostes, Juiz de Fora, v. 72, n. 3, p. 152-162, jul/set, 2017.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.