Análise da competitividade do cluster vinícola da fronteira Oeste/RS através do modelo teórico Zaccarelli et al. (2008) / Analysis of competitiveness of the winery cluster of west frontier/RS through the theoric model Zaccarelli et al. (2008)

Matheus de Mello Barcellos, Katiane Rossi Haselein Knoll, Paulo Cassanego Jr

Abstract


Os clusters são aglomerações de empresas que integram a cadeia produtiva de um mesmo produto e interagem entre si na forma de cooperação e competição gerando competitividade às empresas que o formam. Não obstante, essa geração de competitividade, é relativa ao grau de maturidade da interação entre os seus agentes. A presente pesquisa tem por objetivo analisar a geração de competitividade do cluster vinícola da Fronteira Oeste/RS. Para tanto foi realizada um estudo por meio do procedimento técnico de estudo narrativo. Foi avaliada a existência dos 11 fundamentos propostos pelo modelo Zacarelli et al (2008) no agrupamento. Utilizou-se duas fontes de dados, uma fonte secundária por meio de pesquisa bibliográfica e outra primária através de entrevistas com gestores de organizações participantes desse cluster. O cluster apresentou a existência de apenas 4 fundamentos com um bom nível de qualidade e outros 3 em um menor nível. Esses dados indicam que este apresenta-se em um estágio intermediário de evolução e geração de competitividade, trazendo benefícios para as empresas que o formam, porém ainda aquém de suas possibilidades. Como limitações do estudo destacam-se o fato da pesquisa bibliográfica realizada não ser exaustiva e a utilização de dados do município de Sant’Ana do Livramento/RS como parâmetro para a Fronteira Oeste/RS.


Keywords


Cluster; Competitividade; Vinícola

References


ALBERTIN, M. O processo de governança em arranjos produtivos: o caso da cadeia automotiva do RGS. Porto Alegre. Tese (Doutor em Engenharia da Produção), Faculdade de Engenharia, Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção – PPGEP, 2003.

ARTUSO, S. B.; LANGRAFE, T. F.; BOAVENTURA, J. M. G. Como surgem os Clusters? Uma análise da produção internacional sobre o tema. In: Simpósio de Administração da Produção, Logística e Operações Internacionais, 15., 2012, São Paulo, 2012.

ATHIA, F.; COSTA, A. D. Empresas e tecnologias na nova conjuntura vinícola brasileira do início do século XXI. Curitiba. Economia & Tecnologia. v. 18, p. 147-156, jul/set, 2009.

BELUSSI, F.; SAMMARA, A.; SEDITA, S. R. Learning at the boundaries in an "Open Regional Innovation System": A focus on firm’s innovation strategies in the Emilia Romagna life science industry. Research Policy. v. 39, n. 6, p. 710-721, jul, 2010.

CASTRO, L. H. Arranjo produtivo local. Brasília: SEBRAE, 2009.

CERVO, L. A.; BERVIAN, P. A.; SILVA, R. Metodologia científica. 6. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007.

CRESWELL, J. W. Investigação qualitativa e projeto de pesquisa: escolhendo entre cinco abordagens. 3. ed. Porto Alegre: Penso, 2014.

EMBRAPA, Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. (2013). Cadastro Vitícola - RS. Disponível em: . Acesso em: 16 de jun. de 2016.

FEE – Fundação de Economia e Estatística. (2015a) Corede Serra. Disponível em: . Acesso em: 02 de fev. de 2017.

FEE – Fundação de Economia e Estatística. (2015b) Município: Santana do Livramento. Disponível em: [http://www.fee.rs.gov.br/perfil-socioeconomico/ municipios/detalhe/?municipio=Santana+do+Livramento]. Acesso em: 02 de fev. de 2017.

FLORES, S. S. Desenvolvimento territorial sustentável a partir dos territórios do vinho: o caso dos “vinhos da campanha”. Porto Alegre. Dissertação (Mestre em Geografia), Instituto de Geociências, Programa de Pós-Graduação em Geografia – PPGG, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2011.

GARNICA, J. V. Cluster del Salmón en Chile: análisis de los factores de competitividad a escala internacional. Venezuela. Revista Venezolana de Gerencia, v. 14, n. 47, p. 343-370, jul-set, 2009.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo, SP: Atlas. 2010.

HSIHE, P.; LEE, C.; HO, J. C. Strategy and process of value creation and appropriation in service clusters. Technovation. v. 32, n. 7, p. 430-439, abr. 2012.

HEXSEL, A. E. et al. Casos de Ensino em Administração: Cordilheira de Santana. Curitiba. RAC. v. 15, n. 1, p. 158-172, jan./fev. 2011.

INE – Instituto Nacional de Estadísticas. (2011) Compendio Estadístico - 2011. Disponível em: . Acesso em: 02 de fev. de 2017.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. (2016) Sant’Ana do Livramento. Disponível em: . Disponível em: 14 de nov. de 2016.

IPIRANGA, A. S. R. Uma discussão teórica sobre aprendizagem, inovação e cultura nos arranjos e sistemas produtivos territoriais. Rio de Janeiro. Cadernos Ebape.BR. v. 6, n. 2, p. 1-15, jun. 2008.

LACERDA, C. O. et al. Análise comparativa da competitividade dos clusters de confecções nos municípios de Campina Grande - PB e de João Pessoa - PB: aplicação do modelo teórico de Zaccarelli et al (2008). Recife. Revista Qualit@s. v. 15, n. 1, p. 1-20, jan/abr, 2014.

MARINI, M. J.; SILVA, C. L. A mensuração do potencial interno de desenvolvimento de um Arranjo Produtivo Local: uma proposta de aplicação prática. Curitiba. URBE. Revista Brasileira de Gestão Urbana, v. 6, n. 2, p. 236-248, maio/ago, 2014.

MASKELL, P., LORENZEN, M. The cluster as market organization. Urban Studies. v. 41, p. 991–1009, jul. 2004.

MENTION, A. Co-operation and co-opetition as open innovation practices in the service sector: Which influence on innovation novelty? Technovation. v. 31, n. 1, p. 44-53, mar. 2011.

MIOLO WINE GROUP. (2009) Pernod Ricard Brasil anuncia venda de Almadén para a Miolo Wine Group. Disponível em: . Acesso em: 14 de nov. de 2016.

OLIVEIRA, M. F.; TORKOMIAN, A. L. V. Aglomerações produtivas e internacionalização de pequenas empresas. Revista Ciências Administrativas. v. 11, n. 1, p. 93-102, ago. 2005.

PETROCCHI, M. Turismo: planejamento e gestão. 2. ed. São Paulo: Pearson, 2009.

PORTER, M. E. Clusters and the new economics of competition. Harvard Business Review, v. 76, n. 6, p. 77-90, nov/dez, 1998.

PEREIRA, C. E. C. et al. Desenvolvimento de métricas para avaliação da competitividade de Clusters: uma aplicação empírica no setor têxtil. São Caetano do Sul. Gestão & Regionalidade. v. 30. n. 90. set-dez/2014.

ROCHA, D.; DEUSDARÁ, B. Análise de Conteúdo e Análise do Discurso: aproximações e afastamentos na (re) construção de uma trajetória. Rio de Janeiro. Alea: Estudos Neolatinos, v. 7, n. 2, p. 305-322, 2005.

RODRIGUES, F. A. M., et al. Proposição de Métricas para Avaliação da Competitividade em Redes de Negócio: uma Aplicação no Setor Siderúrgico Brasileiro. Santa Maria. Revista de Administração da UFSM, v. 7, n. 4, p. 532-548, out/dez, 2014.

SALTON. (2014) Salton registra faturamento de R$ 296 milhões em 2013. Disponível em: . Acesso em: 06 de jun de 2016.

SANTOS, G. A. G.; DINIZ, E. J.; BARBOSA, Eduardo Kaplan. Aglomerações, Arranjos Produtivos Locais e Vantagens Competitivas Locacionais. Rio de Janeiro. Revista do BNDES. v. 11, n. 22, p. 151-179, dez, 2004.

SANTOS, M. J. Cayendo en las redes: relaciones simbióticas entre instituciones y agro-negocios. México. Nueva antropología. v. 25, n. 77, p. 79-107, jul/dez, 2012.

SARTURI, G. et al. Análise da Competitividade do Cluster da Serra Gaúcha (Brasil) em Relação ao Cluster Valle del Maule (Chile) através do Modelo Teórico de Zaccarelli et al. (2008). In: VI Encontro de Estudos em Estratégia. 6., 2013, Bento Gonçalves, 2013.

SARTURI, G.; VARGAS, C. A. F. ; BOAVENTURA, J. M. G. ; SANTOS, S. A. D. Competitiveness of clusters: A comparative analysis between wine industries in Chile and Brazil. International Journal of Emerging Markets. v. 11, p. 190-213, 2016.

SCARPIN, M. R. S.; MONDINI, V. E. D.; SCARPIN, J. E.; VIEIRE, M. P. Análise biométrica de artigos de clusters e internacionalização em períodos de alto impacto no período de 2000 a 2010. Brusque. Revista da UNIFEBE. v. 1, n. 10, jan/jul, 2010.

TISOTT, Sirlei Tonello; SCHMIDT, Verônica; WAQUIL, Paulo Dabdab. Atividade florestal e o desenvolvimento socioeconômico em Três Lagoas e região: uma análise baseada na abordagem de cluster. Desenvolvimento em Questão, v. 15, n. 38, p. 228-260, 2017. B

ZACCARELLI, S. B. et al. Clusters e Redes de Negócios: uma nova visão para a gestão dos negócios. São Paulo, SP: Atlas, 2008.

ZENG, S. X.; XIE, S. X.; TAM, C. M. Relationship between Cooperation Networks and Innovation Performance of SMEs. Technovation. v. 30, n. 3, p. 181-194, 2010.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.