O impacto da inovação no Poder Judiciário: um ensaio teórico / The impact of innovation on the judiciary: a theoretical essay

Isabelle de Baptista, Priscila Rezende da Costa

Abstract


Embora os tribunais tenham desempenhado um importante papel nas últimas décadas, restringindo e alterando a política jurisdicional em uma variedade de assuntos, o sistema judicial brasileiro foi simultaneamente rotulado de "disfuncional". Quanto à percepção e avaliação do funcionamento da Justiça, apesar da ampliação da judicialização, “as pessoas ainda identificam como um instrumento com muitas falhas, em especial a veem como lenta, cara e exposta à interferências externas”. Para responder a este cenário, as discussões sobre as reformas necessárias no serviço público emergem na literatura e na academia. Desta forma, justifica-se o debate sobre o impacto da implementação da inovação no Poder Judiciário brasileiro é de suma importância, de modo que possamos encontrar soluções que possam corrigir as deficiências do sistema e melhorar a percepção da sociedade em relação ao funcionamento da Justiça. A inovação não apresenta somente aspectos positivos. Lideranças e sociedade precisam considerar as possíveis dificuldades resultantes de mudanças radicais nos processos e serviços públicos. Por exemplo, a implantação do processo judicial eletrônico aumentou os níveis de trabalho e pressão de advogados e juízes, resultando em perda de qualidade de vida e problemas de saúde. No mais, é preciso ressaltar que a inovação é um resultado de parcerias e esforços dentro do aparelho do Estado, e de desenvolvimento contínuo das competências individuais e organizacionais, e, também, do desenvolvimento de uma cultura propícia à inovação e à mudança.

 


Keywords


Inovação no Poder Judiciário, Inovação no Serviço Público, Modernização do Serviço Público, New Public Management.

References


Abramo, C. W. (2010, dezembro). Tempos de espera no Supremo Tribunal Federal. Recuperado 3 de outubro de 2017, de Revista Direito GV website: http://direitosp.fgv.br/node/2447

Akutsu, L., & Guimarães, T. de A. (2012). Dimensões da governança judicial e sua aplicação ao sistema judicial brasileiro. Revista Direito GV, 8(1), 183–202.

Alexy, R. (2010). A Theory of Constitutional Rights. Oxford University Press.

Araújo, D. A. de, Rigo, S. J., & Barbosa, J. L. V. (2017). Ontology-based information extraction for juridical events with case studies in Brazilian legal realm. Artificial Intelligence and Law, 25(4), 379–396.

Araújo, R. M. de, Dias, T. F., & Gomes, J. F. (2015). Eficiência Processual no Judiciário: Aplicação do DEA em Varas Únicas no Rio Grande do Norte. Nucleus, 12(2), 111–134.

Barnett, J., & Treleaven, P. (2018). Algorithmic Dispute Resolution—The Automation of Professional Dispute Resolution Using AI and Blockchain Technologies. The Computer Journal, 61(3), 399–408.

Barney, J. (1991). Firm Resources and Sustained Competitive Advantage. Journal of Management, 17(1), 99–120.

Bezerra, E. V., & Braga, S. P. (2016). Justiça Brasileira: Fácil de Entrar, Difícil de Sair um Olhar Sobre a Crise Numérica dos Processos. Revista Cidadania e Acesso à Justiça, 2(1).

Bonavides, P. (2014). Curso de direito constitucional. Malheiros Editores.

Branco, L. S. C. (2015). A Disseminação do Planejamento Estratégico no Poder Judiciário Brasileiro. Revista de Gestão e Contabilidade da UFPI, 2(1), 171–190.

Branco, L. S. C. (2017). Administração pública gerencial: as metas do Conselho Naciona de Justiça. Práticas de Administração Pública, 1(3), 4–23.

Busetti, S., & Vecchi, G. (2018). Process tracing change management: the reform of the Italian judiciary. International Journal of Public Sector Management, 31(5), 566–582.

Caldas, R. C. D. S. G., & Silva, A. D. F. D. (2016). Governança e as Novas Tecnologias: Principais Reflexos da Informatização na Gestão Administrativa do Poder Judiciário. Revista de Direito, Governança e Novas Tecnologias, 2(2), 18–36.

Castro, A. S. (2011). Indicadores Básicos e Desempenho da Justiça Estadual de Primeiro Grau no Brasil. Recuperado 10 de outubro de 2017, de http://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=9605

Cavalcante, P., & Camões, M. (2017). Inovação no setor público: Avanços e caminho a seguir no Brasil. In P. Cavalcante, M. Camões, B. Cunha, & W. Severo (Eds.), Inovação no Setor Público: Teoria, Tendências e Casos no Brasil. Brasília: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada – IPEA.

Cavalcante, P., & Cunha, B. Q. (2017). É preciso inovar no governo, mas por quê? In P. Cavalcante, M. Camões, B. Cunha, & W. Severo (Eds.), Inovação no Setor Público: Teoria, Tendências e Casos no Brasil (p. 266). Brasília: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada – IPEA.

Couto, M. B., & Oliveira, S. P. de. (2016). Gestão da justiça e do conhecimento: a contribuição da jurimetria para a administração da justiça. Revista Jurídica, 2(43), 771–801.

Duarte, J. da S. (2016). O Poder Judiciário e a Opinião Pública na Consolidação da Democracia Brasileira. Conexão Política, 5(2).

FGV. (2013, julho 23). Cadernos FGV Projetos no 12 - Poder Judiciário e Gestão Eficiente. Recuperado 18 de novembro de 2018, de FGV Projetos website: https://fgvprojetos.fgv.br/publicacao/cadernos-fgv-projetos-no-12-poder-judiciario-e-gestao-eficiente

Filgueiras, F., & Aranha, A. L. M. (2011). Controle da corrupção e burocracia da linha de frente: regras, discricionariedade e reformas no Brasil. Dados, 54(2), 349–387.

Gault, F. (2018). Defining and measuring innovation in all sectors of the economy. Research Policy, 47, 617–622.

Gomes, A. de O., & Guimarães, T. de A. (2013). Desempenho no Judiciário: conceituação, estado da arte e agenda de pesquisa. Revista de Administração Pública, 47(2), 379–401.

Gomes, A. O., & Freitas, M. E. M. de. (2017). Correlação entre demanda, quantidade de juízes e desempenho judicial em varas da Justiça Federal no Brasil. Revista Direito GV, 13(2), 567–585.

Gomes, A. O., & Moura, W. J. F. de. (2018). O conceito de coprodução de serviços: proposta de aplicação no Judiciário brasileiro. Cadernos EBAPE.BR, 16(3), 469–785.

Guimarães, T. A., Gomes, A. O., & Guarido Filho, E. R. (2018). Administration of justice: an emerging research field. RAUSP Management Journal, 53(3), 476-482.

Kilimnik, Z. M., Santos, C. M. dos, & Castilho, I. V. de. (2006). O Juiz de Direito como gestor: competências necessárias para uma difícil conciliação de papéis. Revista Gestão & Tecnologia, 6(2).

Koch, P., & Hauknes, J. (2005). On innovation in the public sector – today and beyond. Recuperado de https://brage.bibsys.no/xmlui/handle/11250/226573

Lima, D. H., & Vargas, E. R. de. (2012). International studies on innovation in the public sector: how the theory of innovation in services can contribute?. Revista de Administração Pública, 46(2), 385–401.

Marona, M. C., & Rocha, M. M. da. (2017). Democratizing Constitutional Jurisdiction? Brazilian Supreme Court’s Public Hearings Case. Revista de Sociologia e Política, 25(62), 131–156.

Mendes, G. F. (2008, outubro 24). Os novos desafios da Jurisdição Constitucional no Século XXI: a perspectiva brasileira. Recuperado 5 de abril de 2019, de http://www.stf.jus.br/portal/cms/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=98209&sigServico=noticiaArtigoDiscurso&caixaBusca=N

Mendes, G. F. (2017a). Estado de direito e jurisdição constitucional. Editora Saraiva.

Mendes, G. F. (2017b). Jurisdição Constitucional. Editora Saraiva.

Mendes, G. F., & Branco, P. G. G. (2011). Curso de direito constitucional. Saraiva.

Nogueira, J. M. M., Oliveira, K. M. M. de, Vasconcelos, A. P. de, & Oliveira, L. G. L. (2012). Estudo exploratório da eficiência dos Tribunais de Justiça estaduais brasileiros usando a Análise Envoltória de Dados (DEA). Revista de Administração Pública, 46(5), 1317–1340.

Oliveira, R. N. de. (2006). A avaliação da produtividade dos juízes federais e as causas limitadoras da prestação jurisdicional célere. Revista CEJ, 10(32), 57–65.

Oliveira, L. G. L. (2017). Dez anos de CNJ: reflexões do envolvimento com a melhoria da eficiência do Judiciário brasileiro. Revista do Serviço Público, 68(3), 631–656.

Oliveira, L. G. L., Nogueira, J. M. M., Oliveira, K. M. M. de, & Oliveira Filho, S. M. de. (2016). Medição da eficiência de magistrados e de unidades judiciárias no Ceará, Brasil: o sistema Eficiência.jus. Cadernos EBAPE.BR, 14(3), 836–857.

Pai, D. D., Lautert, L., Tavares, J. P., Filho, S., E, G. de A., Dornelles, R. A. N., & Merlo, Á. R. C. (2014). Repercussões da aceleração dos ritmos de trabalho na saúde dos servidores de um juizado especial. Saúde e Sociedade, 23, 942–952.

Piening, E. P. (2013). Dynamic Capabilities in Public Organizations. Public Management Review, 15(2), 209–245.

Sadek, M. T. (2004). Judiciário: mudanças e reformas. Estudos Avançados, 18(51), 79–101. https://doi.org/10.1590/S0103-40142004000200005

Sadek, M. T. A. (2014). Acesso à justiça: um direito e seus obstáculos. Revista USP, (101), 55–66. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.v0i101p55-66

Sano, H., & Abrucio, F. L. (2008). Promessas e resultados da Nova Gestão Pública no Brasil: o caso das organizações sociais de saúde em São Paulo. Revista de Administração de Empresas, 48(3), 64–80.

Sousa, M. de M., & Guimarães, T. A. (2018). Resources, innovation and performance in labor courts in Brazil. Revista de Administração Pública, 52(3), 486–506.

Sousa, M. de M., & Guimarães, T. de A. (2017). The adoption of innovations in Brazilian labour courts from the perspective of judges and court managers. Revista de Administração, 52(1), 103–113.

Tavares, A. R. (2018). Curso de Direito Constitucional. Editora Saraiva.

Taylor, M. M. (2005). Citizens against the State: the riddle of high impact, low functionality courts in Brazil. Brazilian Journal of Political Economy, 25(4), 418–438.

Teixeira, J. A., & Rêgo, M. C. B. (2017). Inovação no sistema Judiciário com a adoção do Processo Judicial eletrônico em um Tribunal de Justiça brasileiro. Revista Ciências Administrativas, 23(3), 369–384.

Vries, H. D., Bekkers, V., & Tummers, L. (2016). Innovation in the Public Sector: A Systematic Review and Future Research Agenda. Public Administration, 94(1), 146–166.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv5n8-087

Refbacks

  • There are currently no refbacks.