A confibilidade do teste de scott frente a interferência dos adulterantes na detecção da cocaína / Scott test reliability with adult interference in cocaine detection

Suzane Meriely da Silva, Felipe Venancio Faria, Jeferson Noslen Casarin, Jéssica Soares Sampaio, Tatiana Mesquita Basto Maia, Greg Resplande Guimarães, Edwin Hewry de Sousa Silva

Abstract


A cocaína é um estimulante do sistema nervoso central, extraída das folhas da planta Erythroxylon coca. A droga juntamente com seus adjuvantes ocasiona lesões e desordens cerebrais e prejudicam de forma significativa a relação entre microbiota, intestino e cérebro. Dessa forma, como se trata de uma droga de abuso largamente comercializada no Brasil torna-se necessária a realização de testes rápidos no momento da ação policial, sendo um dos testes amplamente utilizados na perícia criminal brasileira para a identificação e caracterização rápida da cocaína o reativo de Scott, que ao entrar em contato com a cocaína passa de uma colocação rosa para uma azul-turquesa ou azul. Um dos problemas no reativo de Scott é sua falta de confiabilidade, pois o mesmo apresenta uma coloração azul para diversos compostos mostrando resultados falsos-positivos. O objetivo deste trabalho é discutir sobre a confiabilidade do teste de Scott a cerca de sua utilização como teste padrão para detecção imediata da presença de cloridrato de cocaína nas amostras apreendidas corroborando para uma nova discussão voltadas às técnicas atuais.

 

 


Keywords


Cocaína. Adulterantes. Teste de Scott.

References


OLIVEIRA, Luis Fernando Martins; WAGNER, Sandrine Comparsi. A cocaína e sua adulteração. Revista Intertox de Toxicologia, Risco Ambiental e Sociedade, v. 6, n. 1, 2015.

CABRAL, Leandro et al. A AÇÃO DOS ANESTÉSICOS LOCAIS EM PACIENTES USUÁRIOS DE COCAÍNA THE ACTION OF LOCAL ANESTHESICS IN COCAINE PATIENTS USERS. Revista Gestão & Saúde, v. 11, p. 22-27, 2014.

PASSAGLI, Marcos. Toxicologia forense: Teoria e Prática. 5. ed. Campinas, Sp: Millenium Editora, 2018. 552 p.

SCORZA, Cecilia et al. Alterations in the gut microbiota of rats chronically exposed to volatilized cocaine and its active adulterants caffeine and phenacetin. Neurotoxicity research, v. 35, n. 1, p. 111-121, 2019.

CONCEIÇÃO, V. N. et al. Estudo do teste de Scott via técnicas espectroscópicas: um método alternativo para diferenciar cloridrato de cocaína e seus adulterantes. Quimica Nova, v. 37, n. 9, p. 1538-1544, 2014.

GROBÉRIO, Tatiane S. et al. Discrimination and quantification of cocaine and adulterants in seized drug samples by infrared spectroscopy and PLSR. Forensic science international, v. 257, p. 297-306, 2015.

OLIVEIRA, Ricardo Jorge Dinis; CARVALHO, Félix Dias; BASTOS, Maria de Lourdes. Toxicologia Forense. 1: Pactor, 2015. 544 p.

CAZENAVE, Silvia OS; DA MATTA CHASIN, Alice A. Análises toxicológicas e a questão ética. Revista Intertox de Toxicologia, Risco Ambiental e Sociedade, v. 2, n. 2, 2015.

MARCELO, M. C. A. et al. Scott test evaluation by multivariate image analysis in cocaine samples. Microchemical Journal, v. 127, p. 87-93, 2016.

DA FONSECA. Antonielle Cristina Camargos. Química Forense: análises de substâncias apreendidas. UFSJ, 2018.

NEVES, Gustavo de Oliveira. Caracterização de amostras de cocaína apreendida pela polícia civil do estado de Rondônia. 2013.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv5n8-083

Refbacks

  • There are currently no refbacks.