Resíduos sólidos urbanos: potencial fonte de carbono para degradação microbiana e produção de biogás / Urban solid waste: potential carbon source for microbial degradation and biogas production

Angela Cristina Mélo Schlub, Leonor Alves de Oliveira da Silva, Sávio Henrique de Barros Holanda, Alessandra Lee Barbosa Firmo, José Fernando Thomé Jucá

Abstract


O planeta urge por soluções viáveis para evitar e/ou mitigar as consequências nefastas da produção de resíduos sólidos e também da sua disposição inadequada. As situações de desequilíbrio que o mundo vive são percebidas através das mudanças climáticas, das doenças provocadas pela falta de saneamento básico adequado, pela pobreza extrema, pela contaminação dos recursos hídricos, pela poluição do solo e do ar atmosférico à níveis inimagináveis causando problemas econômicos, sociais e ecológicos. Apresentar uma solução simples com retorno financeiro, respeitando os pilares da sustentabilidade, capaz de impelir os órgãos públicos e privados à investir nesta pesquisa é o foco principal. Utilizando a própria biocenose encontrada no resíduo sólido urbano envelhecido (8 anos) para tratá-lo e torná-lo fonte de dividendos, ao mesmo tempo evitando o desembolso nos gastos paliativos para a sociedade, é o objetivo concreto do estudo. Criação e inoculação em teste laboratorial de Potencial Bioquímico de Metano (BMP) de um consórcio bacteriano hidrolítico nativo do próprio resíduo para degradá-lo, cuja produção de biogás é monitorada e avaliada é o expediente usado. A produção de biogás e principalmente do metano superou as expectativas, pois apresentou em tempo reduzido, uma produção de gás metano 66-70 %. Palavras-chave: consórcio bacteriano, resíduo sólido urbano, enzimas, metano, biogás.

 

 


Keywords


consórcio bacteriano, fermentação anaeróbia, enzimas, energia renovável.

References


ABRELPE (Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais). Atlas Brasileiro de Emissões de GEE e Potencial Energético na Destinação de Resíduos Sólido. 2013. Grappa Editora e Comunicação. 167 p.

ABRELPE (Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais). Panorama dos resíduos sólidos no Brasil 2015. Acesso: 19 ago. 2017.

ACTU.com ENVIRONNEMENT. Dictionnaire Environnement. Disponível em: . Acesso em: 04 oct. 2015.

AL SEADI, T.; RUTZ, D.; PRASSL, H.; KÖTTNER, M.; FINSTERWALDER, T.; VOLK, S.; JANSSEN R. Biogas Handbook. University of Southern Denmark Esbjerg. 2008. 125 p. Disponível em: < http://www.lemvigbiogas.com/BiogasHandbook.pdf>. Acesso em: 18 jun. 2014.

BRASIL. Ministério das Relações Exteriores. Política Externa. Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). 2017. Disponível em: < http://www.itamaraty.gov.br/pt-BR/politica-externa/desenvolvimento-sustentavel-e-meioambiente/134-objetivos-de-desenvolvimento-sustentavel-ods>. Acesso em: 20 ago. 2017.

D’ALMEIDA, M. L. O.; VILHENA A. Lixo Municipal. Manual de Gerenciamento Integrado. 2º ed. São Paulo: IPT/CEMPRE, 2002.

DE ARAUJO MORAIS, J. Influence des pré-traitements mécaniques et biologiques des Ordures Ménagéres Résiduelles (OMR) sur leur comportament bio-physico-chimique en Installation de Stockage de Déchets (ISD). 2006. 219 F. Tese (Doutorado) – L’Institut National des Sciences Appliquées de Lyon, École Doctorale de Chimie de Lyon, 2006.

G1. Veja repercussão da saída dos EUA do acordo de Paris. 2017. Disponível em :< http://g1.globo.com/natureza/noticia/veja-repercussao-da-saida-dos-eua-do-acordo-deparis.ghtml>. Acesso em: 20 ago. 2017.

GALEFFI, C. Biogás no mundo. 2013. Online. Disponível em: < http://www.portalresiduossolidos.com/biogas-no-mundo-carlo-galeffi/>. Acesso em 11 mar. 2015.

GOMES, M. P. Protocolo de Kyoto: origem. 2005. Disponível em: . Acesso em: 16 oct. 2015.

HANSEN T.L., SCHMIDT J.E., ANGELIDAKI I., MARCA E., JANSEN J.C., MOSBAEK H., CHRISTENSEN, T. H. Method for determination of methane potentials of solid organic waste. Waste Management, v. 24, p.393-400, 2004. Disponìvel em:< https://www.researchgate.net/publication/8622270_Method_for_determination_of_methane_p otentials_of_solid_organic_waste>. Acesso em: 24 mai. 2016.

HOLANDA, S. H. B. 2016. Estudo da biodegradação e geração de biogás de resíduos minerados através da biotecnologia experimental. Dissertação de mestrado. Universidade Federal de Pernambuco. Programa de Pós Graduação em Engenharia Civil.

ISWA. Roteiro para o fechamento de lixões. Os lugares mais poluídos do mundo. 2017. Disponível em: . Acesso em: 19 ago. 2017.

JOHANNESSEN, L. M. Guidance Note on Recuperation of Landfill Gas from Municipal Solid Waste Landfills. Urban Development Division – Urban Waste Management Thematic Group. 1999. Acesso em: 03 out. 2015.

Le Monde. Paris Climat 2015 – COP 21. Disponível em: . Acesso em: 29 abr. 2016.

LIMA, L. M. Q. Metanogênese em Aterro: Fundamentos Básicos-Parte I. Prefeitura Municipal de Campinas, Companhia Paulista de Força e Luz e Mangels Industrial S.A.1986.

LIMA, L. M. Q. Remediações de Lixões Municipais. Aplicações da Biotecnologia. Hemus. 2005.

MADIGAN; MARTINKO; PARKER. Microbiologia de Block. Pearson-Prentice Hall. 10º edição. São Paulo. 2004.

MÉLO-SCHLUB, A. C. 2017. Desenvolvimento de consórcio bacteriano para a degradação de resíduos sólidos urbanos envelhecidos. Monografia de Conclusão de Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco.

OWEN, M. F., STUCKEY, D. C., HEALY, J. B., YOUNG, L. Y., MCCARTHY, P. L. Bioassay for monitoring biochemical methane potential and anaerobic toxicity. Water Research, v.13, p.485-492, 1979. Disponível em: . Acesso em: 21 set. 2015. PROJETO BIOGÁS. 2004. Biogás. Disponível em:. Acesso em: 02 jul 2014.

RESÍDUOS URBANOS. Campanha pelo fechamento dos lixões. 2017. Disponìvel em:. Acesso em: 20 ago. 2017.

SCHNÜRER, A.; JARVIS, A. Microbiological Handbook for Biogas Plants. Swedish Waste Management U2009:03. Swedish Gas Centre Report 207. 142 f. Disponível em: < http://www.eac-quality.net/fileadmin/eac_quality/user_documents/3_pdf/Microbiological_handbook_for_biog as_plants.pdf>. Acesso em: 15 jan. 2016.

VITORATTO, E., 2004 Tratamento de effluents líquidos- orgânicos- sistemas anaeróbios.2004.Disponívelem: . Acesso em: 05 jan. 2016.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv5n8-052

Refbacks

  • There are currently no refbacks.