Indicadores de sustentabilidade, definidos no padrão de produção bonsucro de usinas sucroenergéticas do estado de São Paulo visando o mercado Europeu / Indicators of sustainability, defined in the standard of production bonsucro of sugarcane plants of the state of São Paulo aiming at the European market

André Luís Assumpção, Glaucia Aparecida Prates, Lesley Carina do Lago Attadia Galli, Helenita Rodrigues da Silva Tamashiro

Abstract


A sustentabilidade é um conceito adotado por vários setores produtivos, a qual busca atender critérios socialmente desejados/valoráveis e imposições legais e normativas. Dentro deste contexto existem certificações e legislações internacionais que direcionam estas exigências. A Diretiva 28/2009/CE do Conselho e Parlamento Europeu, publicada em 23 de abril de 2009 e a Bonsucro (Better Sugarcane Initiative) são bases importantes de informação. Diante desse contexto, o setor sucroenergético tem as suas práticas monitoradas por todo o mundo, e práticas produtivas inadequadas com esta nova realidade interfere na comercialização dos seus produtos. Entretanto, para possibilitar que os produtores brasileiros possam atender também a essas exigências externas, o Bonsucro, única certificação para biocombustíveis derivados de cana-de-açúcar implementada no Brasil incluiu algumas das exigências da União Européia. Associado à questão, o objetivo geral desse trabalho é demonstrar através de pesquisa bibliográfica sobre a importância de se analisar as lacunas de sustentabilidade baseados no Padrão Bonsucro para alcance do mercado Europeu de nossas unidades produtoras sucroenergéticas. Como conclusão tem-se: Paralelamente, a identificação dos avanços do setor rumo à sustentabilidade da produção de etanol, e dos obstáculos ainda existentes, conduzirá não só à proposição de ações que viabilizem as exportações, mas também ações para desenvolver parte do setor que não prioriza a exportação.  O segundo aspecto, bastante desafiador, baseia-se na proposta de avaliação das lacunas, e propor ações para o setor sucroalcooleiro quanto ao atendimento a requisitos que lhe favorecerão no acesso a mercados.

 


Keywords


Sustentabilidade. Bonsucro. Sucroenergético.

References


ABAG. PIB do agro tem melhor resultado da série do IBGE em 2017. Disponível em: < http://www.abag.com.br/sala_imprensa/interna/abag-pib-do-agro-tem-melhor-resultado-1>. Acesso em: 13 abr. 2018.

ALISSON, E. Estudo aponta gargalos para implementar certificações de biocombustíveis para aviação no Brasil. Agencia Fapesp. 2012.

BATTISTELLA, L.; HERGERT, T.K. Sistema de certificação de etanol Bonsucro e mecanismos regulatórios: estudo de caso Raízen energia S/A. Trabalho de Conclusão de Curso apresentado como Gestão do Agronegócio à Faculdade de Ciências Aplicadas da Universidade Estadual de Campinas. 2013.

BONSUCRO. 2015. Padrão de Produção Bonsucro. Disponível em http://bonsucro.com/site/productionstandard/>. Acesso em: 15 nov. 2018.

CALLENS, I.; TYTECA, D. Towards Indicators of Sustainable Development for Firms: Concepts and Definitions. Ecological Economics. v. 28, p. 41-53, 1999. http:// dx.doi.org/10.1016/S0921-8009(98)00035-4

CAMARGO Jr., A. S.; OLIVEIRA, M. M. B.. Eficiência econômica no setor sucroalcooleiro: uma análise de algumas usinas do estado de São Paulo. Organizações Rurais & Agroindustriais, Lavras, v.13, n.3, p.330-343, 2011.

CARVALHO, L.C.C. Evolução do Setor Cana no Estado de São Paulo. In: Bioetanol de cana-de-açúcar – P&D para Produtividade e Sustentabilidade. Coordenador: CORTEZ, L.A.B. Blucher; Fapesp. p.53-61. 2010.

CONTINI, E.; MARTHA JUNIOR, G. B. Brazilian agriculture, its productivity and change. Bertebos Conference on “Food security and the futures of farms: 2020 and toward 2050”. Falkenberg: Royal Swedish Academy of Agriculture and Forestry, August 29-31, 2010.

COMISSÃO MUNDIAL SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO (CMMAD). Nosso futuro comum. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1998.

FRAJ, E; MATUTE, J; MELERO, I. Environmental strategies and organizational competitiveness in the hotel industry: The role of learning and innovation as determinants of environmental success. Tourism Management, v. 46, p.30-42, fev., 2015.

GILIO, L.; CASTRO, N. R. Avaliação de aspectos limitantes ao crescimento do etanol e o setor sucroenergético no Brasil. Revista Eletrônica de Energia, 6(1).2017.

GLADWIN, T. N., KENNELLY, J. J., KRAUSE, T. S. Shifting paradigms for sustainable development: implications for management theory and research. Academy of Management Review, 20 (4): 874-907, 1995.

HOFFMAN, A. J. Environmental and Social Issues into Corporate Practice. Environment, 2(5): 22, June, 2000.

ISMAIL, M., A. ROSSI, N. GEIGER. A compilation of bioenergy sustainability initiatives Retrieved. 2011. Disponível em: . Acesso em: 20 out. 2018.

JANSSEN, R; RUTZ, D. D.. Sustainability of biofuels in Latin America: risks and opportunities. Energy Policy, n.39, p.5717-5725, 2011.

JENNINGS, P. D., ZANDBERGEN, P.A. Ecologically Sustainable Organizations: an Institutional Approach. Academy of Management Review, 20(4): 1015-1052, 1995.

LEHTONEN, M. (2011) “Social sustainability of the Brazilian bioethanol: Power relations in a centre-periphery perspective”, Biomass & Bioenergy n° 35, pp. 2425-2434, ISSN: 0961-9534.

LIMA, M. P. A produção da cana-de-açúcar no brasil-uma análise dos impactos socio-econômicos. Anais do Seminário de Pesquisa, Pós-Graduação, Ensino e Extensão do Câmpus Anápolis de CSEH (SEPE), 2(1).2016.

MATSUOKA, S.; FERRO, J.; ARRUDA, P.. The Brazilian experience of sugarcane ethanol industry. In Vitro Cell. Dev. Biol. – Plant, n.45, p.372-381, 2009.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (ONU). 2012. Adoção do acordo de Paris. Disponível em:< https://nacoesunidas.org/acordodeparis/>. Acesso em: 04 nov. 2017.

PESSOA, A. S. A importância do agronegócio para o Brasil. 2018. Disponível em: . Acesso em: 12 abr. 2018.

PODESTÀ, I. Agropecuária puxa o PIB de 2017. Disponível em: . Acesso em: 13 abr. 2018.

NOVACANA. Bonsucro: O que a União Europeia não vê no etanol brasileiro. Acesso 11 de abril de 2018. Não foi citado no artigo, ou cita ou exclui daqui.

RODRIGUES, A.M.; REBELATO, M. G.; PAIXÃO, R. B. S. ; ZEVIANI, C.H. Gestão ambiental no setor sucroenergético: uma análise comparativa. Revista Produção Online, Florianópolis, SC, v.14, n. 4, p. 1481-1510, out./dez. 2014.

RUVIARO, C. F. et al. Life cycle assessment in Brazilian agriculture facing worldwide trends. Journal of Cleaner Production, Amsterdam, v. 28, p. 9-24, June 2012.

SACHS, I. Caminhos para o desenvolvimento sustentável. Rio de Janeiro: Garamond, 2000.

SANTOS, R.A; MATSCHUCK, T.C., A Sustentabilidade e a Cadeia Produtiva Hoteleira: um Estudo de Caso no JW Marriott, Rio de Janeiro. Rev. Turismo Visão Ação, v. 17,n. 2, p. 444-474, mai.-ago. 2015.

SANTOS, R. A.; MÉXAS, M. P.; MEIRIÑO, M. J. Sustainability and hotel business: criteria for holistic, integrated and participative development. Journal of Cleaner Production, v. 142, p. 217-224, 2017.

SILVEIRA, D. PIB brasileiro cresce 1,0% em 2017, após 2 anos de retração. Disponível em: . Acesso em: 13 abril 2018.

VIANA, K. R. de O. Sustentabilidade no Setor Sucroenergético. Dissertação de mestrado. Universidade Federal de Viçosa, março de 2013.

VIEIRA, M. C. A.. Setor sucroalcooleiro brasileiro: evolução e perspectivas. Brasília: BNDES, 2006.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 5. ed. Porto Alegre: Bookman, 2015.

WHITFORD, M.M., RUHANEN, L. N. Australian indigenous tourism policy: practical and sustainable policies? Journal of Sustainable Tourism, 18 (4): 475-496, 2010.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv5n8-034

Refbacks

  • There are currently no refbacks.