Produção de concreto para piso intertravado com adição de resíduos de borracha de pneu inservível / Production of concrete for interlocking floor with addition of waste of useless tire

Samuel Guilherme Freire Marques, Aline Islia Almeida de Sousa, Adeildo Cabral da Silva, Perboyre Barbosa Alcântara

Abstract


Este trabalho é um ensaio experimental, que busca demonstrar estudos dos resíduos de pneus inservíveis incorporados ao concreto, dando-os uma destinação final como produto. Foram produzidos 3 (três) traços do concreto, calculado através do método da ABCP (Associação Brasileira de Cimento Portland), onde 1 (um) não havia nada de resíduo de borracha e nos outros dois o volume do agregado miúdo foi substituído respectivamente 10% e 15% pelo aditivo reaproveitado. Nos ensaios de compressão os corpos de prova, obteve-se valores abaixo dos 35 Mpa definidos pela ABNT NBR 9781 para pisos intertravados, no qual, o valor máximo da resistência obtida foi de 25,98 Mpa para corpo com 10% de resíduo de borracha de pneu inservível, valor próximo à resistência máxima obtida para o corpo de prova sem borracha, que foi de 26,36 Mpa. Com os resultados obtidos, observou-se que o concreto adicionado do agregado de borracha chega a valores próximo dos sem resíduos, para alcançar os 35 Mpa será necessário um maior controle do ambiente de fabricação e a utilização de um cimento de alta resistência.

 

 


Keywords


pneu; borracha; concreto.

References


Akasaki, J. L.; Lemos, P. E.; Fioriti, C. F. (2016). Pó de pedra e borracha de pneus utilizados como substituto da areia natural em concretos. Congresso Luso-Brasileiro de Materiais de Construção Sustentáveis 2016, João Pessoa, Paraíba, Brasil, XX 2016.

Andrade, H. S. (2007) Pneus Inservíveis: alternativas possíveis de reutilização. Monografia (Ciências econômicas) - Centro Sócio-Econômico, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Brasil.

Associação Nacional da Indústria de Pneumáticos - ANIP. (2015). Livro branco da indústria de pneus: uma política industrial para o setor. Disponível em: . Acesso em 30/05/2017>. Acesso em: 26 jun. 2018.

______. (2017). Anip em números: Relatório atualizado em fevereiro de 2017 de produção e vendas. Disponível em: . Acesso em: 30 jun. 2018.

______. (2015). Produção e Vendas. Disponível em: . Acesso em: 30 jun. 2018.

Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT. (1987). NBR 1004: Resíduos sólidos. Rio de Janeiro, Brasil.

______. (2013). NBR 9781: Peças de concreto para pavimentação – especificações e métodos de ensaio. Rio de Janeiro, Brasil.

______. (2003). NBR NM 248: Agregados – determinação da composição granulométrica. Rio de Janeiro, Brasil.

______. (2003). NBR NM 46: Agregados – Determinação do material fino que passa através de peneira 75 µm, por lavagem. Rio de Janeiro, Brasil.

______. (2003). NBR NM 52: Agregado miúdo – Determinação da massa específica e massa específica aparente. Rio de Janeiro, Brasil.

______. (2001). NBR NM 30: Agregado miúdo – Determinação da absorção de água. Rio de Janeiro, Brasil.

______. (2001). NBR NM 49: Agregado miúdo – Determinação de impurezas orgânicas. Rio de Janeiro, Brasil.

______. (2006). NBR NM 45: Agregados – Determinação da massa unitária e do volume de vazios. Rio de Janeiro, Brasil.

______. (2009). NBR NM 53: Agregado graúdo – Determinação de massa específica, massa específica aparente e absorção de água. Rio de Janeiro, Brasil.

______. (2010). NBR 7218: Agregados – Determinação do teor de argila em torrões e materiais friáveis. Rio de Janeiro, Brasil.

Brasil. (1981). Lei nº 6938. Dispõe sobre a Política Nacional de Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências.

Brasil. (2010). Lei nº 12305. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos e dá outras providências, Brasil.

Cánovas, F. M. Patologia e Terapia do concreto armado. São Paulo: Pini, 1988.

Conselho Nacional de Meio Ambiente – CONAMA. (2009). Resolução nº 416. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, Brasil.

Fernandes, J. (2016). Reutilização da Borracha Residual de Pneus na Criação de Contra Piso. IFCE, Ceará. Brasil.

Lagarinhos, C. A. F. (2011). Reciclagem de pneus: análise do impacto da legislação ambiental através da logística reversa. Tese (Doutorado em Engenharia) – Escola Politécnica, Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil.

Mattioli, L. M. L.; Monteiro, M. A.; Ferreira, R. H. (coord.). (2009). Plano de gerenciamento de resíduos pneumáticos. Belo Horizonte: Fundação Estadual do Meio Ambiente, Fundação Israel Pinheiro, Brasil.

Menezes, R. A.; Menezes, M. A. A. (1999). Considerações sobre gerenciamento integrado de resíduos sólidos (GRS). Revista Limpeza Pública: Associação Brasileira de Limpeza Pública, 53, 144-157.

Petrucci, G. R. P. (1993). Concreto de cimento Portland. 12 ed. São Paulo: Globo, Brasil.

Rodrigues, M. R. P. (2008). Caracterização e utilização do resíduo da borracha de pneus inservíveis em compósitos aplicáveis na construção civil. Tese (Doutorado em Ciências da Engenharia Ambiental) – Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil.

Silva Junior, F. A. da et al. (2016). Concreto com resíduos de borracha de pneu e brita granítica. Congresso Brasileiro de Engenharia e Ciências dos Materiais – CBECiMat, Natal, Rio Grande do Norte, Brasil.

Takaki, P. M.; Fioriti, C. F.; Pinto, N. A. (2016). Avaliação de chapas de gesso para interiorização de ambientes produzidos com borracha de pneus. Congresso Luso-Brasileiro de Materiais de Construção Sustentáveis 2016, João Pessoa, Paraíba, Brasil, 2016.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv5n8-009

Refbacks

  • There are currently no refbacks.